Aldeia das Religiões reúne 32 confissões para “fomentar diálogo inter-religioso”

Print Friendly, PDF & Email

Priscos, Braga, 15 out (Lusa) – Trinta e duas confissões religiosas vão ocupar a Aldeia das Religiões, em Priscos, Braga, numa iniciativa inédita ao abrigo da Capital Europeia da Juventude Braga 2012 que pretende fomentar o diálogo inter-religioso.

Entre 25 e 28 de outubro, distribuídos por oito casas, montadas em terra de ninguém, cada líder religioso das confissões aderentes mostrará a história e os princípios fundamentais de cada religião.

Na apresentação do projeto, João Torres, padre de Priscos, paróquia que recebe esta iniciativa, explicou que a Aldeia das Religiões é “uma novidade no campo da experiência inter-religiosa” e um importante passo para fomentar a tolerância entre as várias religiões.

“Queremos contribuir para consolidar a convivência pacífica entre as pessoas de vários credos e criar reflexão crítica sobre a importância de um viver fraterno”, afirmou o pároco.

A primeira iniciativa do género, lembrou João Torres, “foi em 1992, no Rio de Janeiro, onde se reuniram tendas de várias religiões durante uma noite”.

Da iniciativa do Rio de Janeiro para esta em Priscos “há diferenças significativas”, disse, enumerando que “foram construídas casas em vez de tendas, haverá uma tenda e um refeitório comum e a aldeia estará montada durante quatro dias.

João Torres apontou ainda o caráter “inédito” desta ação em “Portugal e na Europa”, que teve na origem alguns “cuidados” especiais.

“As ementas do refeitório comum estão a ser estudadas ao pormenor para que todos possam comer a mesma comida. Por exemplo, não haverá carne de porco”, apontou.

Além da comida, João Torres assinalou que a aldeia foi construída “em terras de ninguém” para que todas as religiões estejam “em pé de igualdade”.

Durante quatro dias, a aldeia estará aberta à discussão da “importância das religiões e das convicções numa sociedade e num mundo plurais”, através da reflexão “sobre o diálogo inter-religioso no diálogo intercultural enquanto contributo para a construção da Paz entre pessoas e povos”.

Esta é uma iniciativa integrada da Capital Europeia da Juventude (CEJ) Braga 2012, porque “está pensada essencialmente para os jovens” e para que nesta aldeia eles possam “conhecer, visitar e conviver” com vários credos, “conhecendo desta forma o seu próprio credo”.

O presidente da Fundação Bracara Augusta, Hugo Pires, desejou que esta ação de Braga 2012 “deixe frutos para outras capitais da juventude pela Europa para que sigam o repto lançado por esta primeira Aldeia das Religiões”.

A “Aldeia das Religiões” é inaugurada dia 25, às 15:00, com a presença de vários líderes religiosos, e encerrará dia 28, as 18:00.

JYCR // SSS.

Lusa/Fim

Fonte: http://www.portocanal.pt/ler_noticia/24912/

Comentário: Estão em busca da “paz e segurança”. Isso é bom, pois este é um sinal da breve volta de JESUS.

6 comments for “Aldeia das Religiões reúne 32 confissões para “fomentar diálogo inter-religioso”

  1. outubro 22, 2012 at 12:03 pm

    Que Deus seja louvado por essas decisões, que os missionário recebam porção dobrada do Espirito Santo, que a mensagem seja levada até os confins do do mundo e que Jesus volte logo por que viver aqui está difícil pra ñ dizer insuportável.

  2. Lucia Helena
    outubro 27, 2012 at 4:31 pm

    Pesquisei video sobre esse encontro e nem acreditei quando vi a igreja adventista setimo dia lá se prostituindo…é o fim

    • Sikberto
      outubro 29, 2012 at 8:20 am

      Olá Lucia, não é a igreja adventista que se prostitui, temos que ter em mente duas coisas. Às vezes vai um representante nesses encontros para colher informações, e isso é importante. E se algo que não se deveria fazer for feito, não se pode afirmar que é a igreja, mas atitude de alguns maus líderes. Sempre houev maus líderes entre o povo de DEUS, desde o antigo povo de Israel, e não seria diferente hoje, justo antes do alto clamor.

      • Lucia helena
        outubro 30, 2012 at 12:32 am

        concordo plenamente, mas fiquei pasma mesmo sabendo que isso faz parte do conflito final.

        • emerson augusto weber
          novembro 22, 2012 at 9:54 pm

          Os adventistas do sétimo dia devem agora pôr-se como separados e distintos, povo chamado pelo Senhor “Seu próprio”. Enquanto isso não fizerem, não pode Ele ser glorificado neles. A verdade e o erro não podem andar em parceria. Coloquemo-nos agora onde Deus disse que devemos estar. … Devemos lutar pela unidade, mas não no baixo nível das práticas mundanas e da união com as igrejas populares.

  3. Júlio César Prado
    Fevereiro 25, 2013 at 11:36 pm

    A Igreja Adventista do Sétimo Dia não deve jamais participar desses encontros. Os líderes da Igreja Adventista precisam conhecer mais a Bíblia, as profecias e o Espírito de Profecia. Tenho certeza que esse encontro não tem apoio da Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Por favor, prestem atenção nesta passagem da Bíblia: “E outro anjo seguiu, dizendo: É caída, é caída Babilônia, aquela grande cidade, porque a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição” (Apocalipse 14:8). A “grande meretriz”, que tem por nome “Babilônia, a Grande” é a igreja que se formou pela união do cristianismo como o paganismo e que manteve domínio sobre as dez potências européias por 1260 anos, ou seja, de 538 A.D. até 1798 e que perseguiu o povo de Deus durante esse tempo. A Igreja Adventista não deve participar desses encontros porque ela (Roma) é a “mãe das meretrizes”. Suas filhas – igrejas que dela procedem e que dela herdaram ensinos e práticas pagãos – são as inúmeras igrejas (seitas) em que se divide a cristandade de hoje. Seguem o exemplo de sua mãe em substituir as verdades da Palavra de Deus pelas tradições dos homens, e acariciam a amizade do mundo. A “Babilônia” espiritual de que fala a Bíblia é, portanto, um vasto sistema religioso, nominalmente cristão, que compreende a mãe e as filhas. A mensagem do segundo anjo, anunciando a queda de Babilônia (Apoc. 14:8), não pode, todavia referir-se à mãe, pois que esta igreja está decaída já de há muitos séculos. Refere-se, isso sim, as filhas. Estas, em vez de se arrependerem e se converterem das suas prostituições, quando lhes foi apresentada a primeira mensagem angélica, rejeitam o misericordioso convite e aviso que o Senhor, na Sua graça, lhes enviou,e por isso ficaram em trevas. Daí o ter sido enviado o segundo anjo para anunciar a queda dessas igrejas. Agora eu pergunto: O que os líderes da Igreja Adventista fazem nesses encontros, se essas denominações estão em trevas e condenadas. Este é o terreno do inimigo. Adão e Eva aproximaram-se da árvore. Dialogaram com Satanás e o resultado foi o banimento do jardim do Éden. Não devemos estar em terrreno do inimigo, pois ali estaremos dialogando com Lúcifer. Nesses encontras Satanás está presente com mais fúria ainda. Sabem porque? Por que o único povo que Satanás estremece e o povo do advento, isto é, os adventistas do sétimo dia. (Júlio César Prado é jornalista e escritor, autor de centenas de artigos em vários jornais do Brasil).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *