Ecumenismo: perspectivas com o novo papa

Print Friendly, PDF & Email

diálogoQuais são as perspectivas de avanço do Ecumenismo com o papa Francisco?

Com o papa João Paulo II o Ecumenismo teve uns momentos fortes, na virada do milênio. Mas não avançou muita coisa, na realidade, quase nada. Com Bento XVI, que colocou o diálogo com as outras religiões e igrejas como sua prioridade, avançou um pouco mais, mas não chegou onde ele desejava. Parece que não era a hora desse tipo de fortalecimento.

O dialogo ecumênico (entre as igrejas cristãs) e o diálogo inter-religioso (do cristianismo com as diferentes religiões no mundo, mais seitas, filosofias e ideologias) depende da permissão de DEUS. E Ele sabe a hora certa de liberar esse movimento, que na verdade posiciona-se contra a conclusão da pregação do evangelho ao mundo. Posiciona-se mais fortemente contra a pregação da verdade bíblica do sábado. Esses diálogos só serão liberados por DEUS, pois isto é profético, quando a Igreja Adventista do Sétimo Dia, a responsável pela obra de DEUS na Terra, estiver em sua condição correta, em pleno processo de reavivamento e tendo que se livrar do joio. Aí vem o decreto dominical, e esse decreto, para que tenha apoio global, por sua vez, necessita das igrejas razoavelmente unidas, coisa bem estranha em Babilônia. Portanto, DEUS permite a ação desse ou daquele ser humano, mas sempre conforme a Sua vontade, segundo os Seus planos, no momento devido. E talvez esse novo papa tenha um perfil melhor para cumprir, se for da vontade de DEUS, esse momento, de fazer avançar a questão da união das forças de Babilônia contra o povo de DEUS.

Bento XVI era um papa alemão, de onde partiu a reforma no século XVI. Foi por causa de Lutero que logo depois surgiram os jesuítas, representando a Contra Reforma, afim de frustrar os efeitos dos protestantes que usavam a Bíblia em seus ensinamentos. O atual papa já está dizendo que somente a Igreja Católica pode interpretar a Bíblia. Assim diziam os papas da Idade Média, aqueles que perseguiram os legítimos seguidores dos Escritos dos profetas de DEUS. Os jesuítas sempre apoiaram o papa, e agora, pela primeira vez, o papa é um jesuíta. Não mais um alemão, onde foi executada a maior de todas as perseguições contra o povo judeu, sendo o judaísmo importante para a unidade com a Igreja Católica. Ora, se os judeus abandonarem o sábado, adotarem o domingo, e se adorarem a Maria em lugar de JESUS, então, quem serão os adventistas, que surgiram no século XIX, para continuar defendendo o sábado? Se o antigo povo de DEUS deixar de santificar esse dia, com que moral nós o manteríamos? Essa é a principal razão da unidade entre os católicos e os judeus. Mas não devemos nos esquecer de uma contrapartida poderosa, muitos judeus jamais abrirão mão do sábado, e também aceitarão JESUS como seu Salvador. Aliás, isso já está em andamento. Os judeus tem enorme poder pessoal na conclusão da pregação do evangelho, assim como para perturbar essa pregação, depende de que posição cada um tomar. Por ser Bento XVI da Alemanha, país que no tempo do nazismo matou milhões de judeus, e por ser ele da Inquisição, era um tanto estranho querer ele, logo ele, levar adiante o projeto de dialogar e unir todas as religiões do mundo sum seu comando.

Mas agora, a coisa mudou! O papa é um latino americano, que tem demonstrado humildade, que tem pedido orações por ele por parte dos judeus na Argentina quando ainda era bispo, que como papa pediu ao povo que orasse por ele, e se comporta de maneira integrada com a população, não se distancia dela burocraticamente em razão do cargo.

Mas nunca esqueçamos, esses é o perfil do novo papa, um perfil  bem favorável ao diálogo. Nunca nos esqueçamos, no entanto, ele é jesuíta

Os jesuítas tentaram neutralizar a reforma, não conseguiram. Agora voltam, para neutralizar a pregação de verdades essenciais para o últimos dias. Não conseguirão!

4 comments for “Ecumenismo: perspectivas com o novo papa

  1. nogueira
    Abril 21, 2013 at 6:39 pm

    As controvérsias do passado serão reavivadas, e outras novas suscitadas. As cenas que deverão desenrolar-se neste mundo não são nem sequer sonhadas. Satanás está operando por meio de instrumentos humanos. Os que se empenham em conseguir uma emenda à Constituição, para obter uma lei que imponha a observância do domingo, mal compreendem qual vai ser o resultado. Uma crise está iminente.M.S.2.p352

  2. A
    Abril 22, 2013 at 3:08 pm

    quem escreveu este artigo ?

    é muito interessante e atual.

    tenho pensado muito sobre tal questão.

    • Gilson Rodrigo
      Maio 31, 2013 at 4:12 pm

      Acredito fielmente nisso.”Agora voltam, para neutralizar a pregação de verdades essenciais para o últimos dias. NÃO CONSEGUIRÃO!!!” Pois Deus esta no controle de TUDO nesse mundo, até o fim.

  3. Robson Campos
    agosto 18, 2013 at 6:05 pm

    Boa noite Professor.Gostei muito das suas colocações sobre o ecumenismo.A questão que o sr coloca sobre os judeus me chamou atenção como membro da IASD
    O sr poderia me informar se a nossa Igreja Adventista faz parte de alguma entidade ecumênica, dentro ou fora do Brasil?. Se não,o sr crer que será possível que isso um dia possa ocorrer?
    Fique com Deus.
    Robson Campos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *