Joias, até que ponto se pode usar?

Print Friendly, PDF & Email

Jóias: Qual é o Limite?

 

Estou intrigado pelos inteligentes oxímoros. Um oxímoro é uma declaração de um par de palavras que se contradizem, tais como luz negra ou lindamente feia. Alguns de meus favoritos, um tanto humorísticos são “inteligência militar”, “justiça criminal”, “desordem civil”, e “música rap” (ouvi que isso nem mesmo se parece com música). Alguns oxímoros são mais sérios, como “pecado pequeno (pecadinho)”, “boato inocente”, e “sexo pré-marital seguro”.

 

Alguns anos atrás, enquanto vagueava numa livraria cristã, aproximei-me de uma caixa de vidro em exposição, com um letreiro em cima “Jóias Cristãs”. Pensei comigo mesmo, isto é outro oxímoro intrigante parecido como esse outro, “Rock Cristão”. Como podem as jóias serem cristãs quando a Bíblia admoesta fortemente os crentes a não usá-las? Vemos claramente que, “Jóias Cristãs”, é um conflito de termos.

 

Compreendo que este assunto tem sido acaloradamente debatido nos últimos anos, mas meu propósito não é colocar lenha na fogueira. Espero espalhar luz, não fogo. Meu desejo é que as pessoas fundamentem sua fé e prática na Palavra de Deus. As Escrituras definem claramente o assunto do adorno e aparência externa do cristão. Mas, infelizmente, muitas igrejas estão estranhamente silentes nesse tema.

 

As jóias têm sido descritas por alguns como um pequeno problema. Não duvido que alguém poderá estar pensando, “com todos os problemas da igreja, porque você quer enfocar alguma coisa tão insignificante e amplamente aceita por aí?”. Bem amigos, lembrem-se do que Jesus disse: “O que entre os homens é elevado, perante Deus é abominação”. Lucas 16:15. Freqüentemente, as coisas que parecem pequenas na superfície, são as que tem maiores conseqüências. E creio que isto, também é verdade nesta questão.

 

Há perigos ocultos e sutis associados ao uso de jóias. Portanto, se você é um cristão convertido que procura saber como refletir melhor ao Senhor nestes últimos dias, por favor, mantenha sua mente aberta porque vamos raciocinar juntos nas Escrituras.

 

 

 

O Fruto, não a Raiz!

 

O poder do Evangelho começa no interior; transformando o coração, ainda que invisível aos olhos humanos. Mas logo em seguida ele continua a fluir e infiltrar-se em cada área da vida, produzindo evidentes mudanças externas. Exatamente como uma planta, a semente vem á vida debaixo da terra. Mas se a raiz é saudável, a planta logo se tornará visível e produzirá fruto acima do solo. Jesus disse que “pelos seus frutos os conhecereis”. Mateus 7:20.

 

Note que ele não disse, que você os conheceria pelas raízes que crescem debaixo da terra. Ele disse o fruto, não a raiz! Deste modo, somos ordenados a estar atentos a evidência externa, visível de nossa fé.

 

Quando uma pessoa aceita a Cristo como seu Senhor, o Espírito Santo começa a impressionar o indivíduo a fazer adaptações dramáticas. As mudanças serão freqüentes quanto ao que estará sobre a mesa no lanche e sobre a televisão depois do jantar (de fato, Ele pode guiar alguns a abster-se da TV). De uma estante de livros até a despensa, Jesus deverá penetrar em toda a vida. Quando Ele está no coração, influencia todas a outras áreas.

 

Este é o ensino básico do cristianismo. ( apóstolo Paulo advertiu a Tito sobre aqueles que “professam conhecer a Deus, mas negam-no pelas sua obras”. Tito 1:16. E Tiago é claro como cristal ao afirmar que um relacionamento enraizado em Jesus produzirá evidência externa. “Mas dirá alguém: Tu tens fé; eu tenho obras. Mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Tiago 2:18. Você não pode ser um cristão em seu coração, sem mostrar isso no seu exterior.

 

 

 

Embaixadores de Deus

 

Nós, a igreja, somos as mãos e pés, os olhos e a boca, e também, mesmo os ouvidos de Jesus no mundo de hoje. Somos o corpo de Cristo. Nosso Senhor falou, “Assim como o Pai me enviou, eu vos envio.” João 20:21.

 

Temos sido enviados ao mundo, para demonstrar quem é Jesus e como Ele é. Através do Espírito Santo, nos tornamos Seus representantes para refletir sua imagem em tudo; desde o modo como falamos e trabalhamos, até a maneira como nos alimentamos e vestimos. Em II Coríntios 3:18, Deus diz que “todos nós… somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”

 

Há alguns anos atrás, escândalos vergonhosos envolveram vários evangelistas da TV bem conhecidos na América do Norte. Aqueles que se opunham a um cristianismo cheio de regozijo, zombaram da imoralidade e hipocrisia, exibidos na vida desses homens e suas mulheres que professavam pregar em nome de Jesus. Durante esse tempo trágico, a mídia secular freqüentemente se referia as suas roupas extravagantes e jóias vistosas, como prova que esses professos cristãos não eram genuínos. Estes inconstantes pregadores da TV até inspiraram um famoso músico norte americano, a escrever uma canção popular intitulada “Would Jesus wear a Rolex?” (Jesus usaria um Rolex?) Estou certo que os anjos choraram tanto quanto alguns líderes cristãos; devido a sua aparência indecente, tornaram-se alvo fácil para a perdição. De fato, é triste o dia quando os cristãos ganham uma medalha, pela abundância de adorno externo!

 

 

 

Exibindo nossa riqueza

 

Vamos dar uma olhada na origem das jóias. Foi Deus quem fez todo o ouro, a prata, e as pedras preciosas do mundo; e Ele pretendia ter um uso prático para elas. Visto que mesmo pequenas quantidades desses minerais são tão raros e valiosos, há muito tempo eles começaram a ser usados como moeda.

 

Com o passar do tempo, o povo começou a “usar” seu dinheiro a fim de impressionar os outros com sua riqueza. Quando os compradores iam ao mercado para comprar algum item caro, eles simplesmente tiravam um de seus anéis ou braceletes, e efetuavam o pagamento.

 

Depois que Rebeca deu a beber aos camelos do servo de Abraão; a Bíblia diz que eles pagaram a ela dessa maneira. “Quando os camelos acabaram de beber, o homem tomou um pendente de ouro, de meio siclo de peso, e duas pulseiras para as suas mãos, do peso de dez siclos de ouro.” Gênesis 24:22.

 

Quando os filhos de Israel trouxeram uma oferta ao Senhor, para construir o tabernáculo, eles usaram as jóias que tinham recebido dos egípcios. Esse era o seu dinheiro. “Vieram homens e mulheres, todos dispostos de coração, trouxeram fivelas, pendentes, anéis, braceletes, todos objetos de ouro. Todo homem fazia oferta de ouro ao Senhor.” Êxodo 35:22.

 

Não há nada de errado, obviamente, com o fato de ter dinheiro. Mas a questão é: Deus deseja que os cristãos usem suas riquezas para todos verem? É lógico que não. “Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.” 1 Timóteo 6:10. Já que a cobiça é pecado, porque você tentaria um irmão ou irmã a cobiçar o seu dinheiro, que é ostentado a todo mundo? Qual seria o motivo para um cristão fazer isso?

 

A razão porque o ouro e as jóias são tão valiosas, é que elas são caras e raras nas minas da terra. Os anjos devem ficar admirados quando nos vêem usar jóias para significar valor e riqueza. No céu, ouro é usado como pavimento, e diamantes são as pedras nos muros daquelas mansões. Apenas pense nisto: Da perspectiva do céu, ouro é asfalto e diamantes são tijolos! Quão absurdo isso deve parecer aos seres celestiais, quando penduramos asfalto e tijolos em nossas orelhas e os enroscamos em volta de nossos dedos. Você não olharia duas vezes para alguém que entrasse na igreja, usando um bloco de asfalto pendurado e um anel de piche?

 

No evangelismo, tenho encontrado muitas pessoas sinceras que tem assistido nas igrejas populares, somente para irem embora desapontadas, porque perceberam um espírito de vaidade e exibição entre os membros. Estes genuínos perscrutadores dc Deus, entraram no santuário esperando sentir-se em casa na igreja, mas em lugar disso, encontraram extravagância da parte de quem eles não poderiam competir.

 

Quão feliz tenho sido ao oferecer a eles uma igreja, onde o rico e o pobre não ostentam seu status pelo uso fantasioso de roupas e jóias. Esses indivíduos se emocionam ao adorar, onde não sintam que são desprezados, se não estão na última moda. Espero que minha igreja permaneça sempre com a verdade bíblica neste assunto. Temos muito mais a perder de outro modo.

 

 

 

As Jóias Justificadas?

 

Os que procuram justificar o uso de jóias, normalmente citam histórias da Bíblia nas quais os filhos de Deus usaram ouro, prata , ou jóias. Por exemplo, as Escrituras relatam o assunto sem comentários, que José usou um anel e “um colar de ouro no seu pescoço” (Gênesis 41:42); que Saul usou um bracelete (II Samuel 1:10); que Mardoqueu recebeu um anel de Assuero (Ester 8:2); e que o rei Belssazar deu a Daniel um manto púrpura e colocou “uma cadeia de ouro ao pescoço” (Daniel 5:29).

 

Mas, lembre-se, apenas porque algo aparece na Bíblia não significa que Deus o aprova. As Escrituras simplesmente relatam com fidelidade a história do povo de Deus  incluindo todas as suas falhas. Noé bebeu vinho e ficou bêbado (Gênesis 9:20,21). Ló teve relações sexuais com suas filhas e engravidou-as (Gênesis 19:30-38). Judá pagou uma prostituta por uma noite, engravidou-a, e mais tarde descobriu que ela era sua nora (Gênesis 38:12-26). Não podemos admitir que Deus aprova tais práticas repugnantes, apenas porque esses incidentes são mencionados na Bíblia. Outras passagens da Escritura claramente nos falam que Deus condena o álcool, incesto, prostituição, e jóias como não produtivos para executar seus propósitos para a humanidade.

 

Uma história que é freqüentemente citada para justificar as jóias, é a do Filho Pródigo. Desde que o pai “colocou um anel em sua mão”, alguns dizem assim: Deus quer que usemos jóias. Obviamente, como sabemos, esta parábola não é um comentário inspirado dizendo que os cristãos deveriam usar anéis. Além disso, o anel que o pai deu a seu filho, era mais parecido com um anel de sinete. Os anéis de sinete continham o selo da família. As pessoas usavam-nos para imprimir este selo singular sobre documentos oficiais. Era a assinatura da família. Antes que um ornamento para exibição, anéis de sinete eram uma ferramenta para legalizar documentos e eram normalmente usados sobre o dedo indicador.

 

Antes que o Filho Pródigo deixasse o lar, ele pediu a seu pai, para que desse sua parte da herança. Assim que ele recebeu seu dinheiro e seus bens, ele saiu de casa e gastou tudo “vivendo dissolutamente” (Lucas 15:13). Sem dinheiro e desamparado, o tolo pródigo mais tarde achou-se a si mesmo sem dinheiro, com fome, e escassamente vestido. Em desespero ele volta para casa, confiante na bondade de seu pai, para aceitá-lo como o menor dos servos. O pródigo, não almejava ser tratado como filho; ainda mais depois que desperdiçou metade das duras economias ganhas pelo seu pai.

 

Mas em vez de rejeição, seu pai demonstrou aceitação ilimitada. Ele substituiu os trapos do pródigo por uma roupa confortável e limpa, e pós sapatos em seus pés descalços. Ele satisfez seu filho enchendo seu estômago com uma festa! E ao filho que dissipou suas riquezas, o pai lhe deu um anel de sinete o talão de cheques da família com livre acesso a sua fortuna restante!

 

 

 

Por que ser uma Pedra de Tropeço?

 

Uma razão para não beber álcool, é porque uma pessoa em sete que o ingere, se tornará um alcoólatra. Mesmo que eu seja hábil para beber moderadamente, não quero que meu mal exemplo cause a ruma de outra pessoa, especialmente por alguma coisa tão desnecessária como bebidas embriagantes.

 

O mesmo princípio é verdadeiro sobre as jóias. Todos temos visto pessoas que se cobrem a si mesmas com ouro e jóias preciosas gemas aólicas se você preferir. A maior parte das pessoas que usam uma porção de jóias, não se dão conta do seu próprio valor. Elas esperam sentir-se mais valiosas por cobrirem-se a si mesmas com objetos caros. Outras crêem que não são atraentes e esperam aumentar a beleza exterior ao adornarem-se com belas pedras. Não podem controlar-se a si mesmas. Pensam que se um é bom, então dez será melhor. (Apenas para lembrar, nunca escutei um homem dizer: “Ela não é bonita? Apenas olhe suas jóias!”). Estou certo que todos concordarão que este é um ponto que nunca se terá o suficiente.

 

Bem, aqui está a grande questão. Qual é o objetivo? Se é certo para a mulher usar brincos, então quem dirá que é errado para o homem? Se um anel ou brincos são aceitáveis, então porque não 3 ou 4? Se um leigo pode usar jóias, porque não um clérigo? Se uma argola na orelha é totalmente certo, então o que há de errado com um osso no nariz?

 

Talvez você tenha notado a moderna mania de piercing no corpo. Quatro brinco 5 numa orelha e argolas no nariz com uma corrente entre elas. As pessoas estão agora usando piercing no corpo e argolas nas sobrancelhas, umbigos, línguas, e outros lugares que não podemos mencionar numa publicação cristã. Por que um cristão desejaria ser uma pedra de tropeço a alguém e encorajá-lo a usar alguma jóia? Isto é totalmente desnecessário. Especialmente para pessoas que estão se preparando para encontrar-se com Jesus.

 

Falando ao povo que vive no tempo do fim, o profeta Ezequiel adverte, “A sua prata lançarão pelas ruas, e o seu ouro será como imundícia. A sua prata e o seu ouro não os poderá livrar no dia do furor do Senhor. Eles não saciarão a sua fome, nem lhes encherão o estômago, porque serviram de tropeço da sua maldade.” Ezequiel 7:19.

 

Se eu estiver usando alguma jóia, posso abrir as comportas da inconsistência pelo mau exemplo, e levar muitos a tropeçar. Se realmente amo meu irmão, porque deveria insistir em correr esse risco, por algo tão frívolo e desnecessário como as jóias?

 

Sempre que você estiver incerto sobre que rumo tomar num assunto espiritual, fique com a posição segura. Sei que no dia do juízo, Deus não condenará alguém por não usar jóias o suficiente. Desta forma a melhor coisa é não usar nada.

 

 

 

Modéstia e Humildade

 

O propósito original da roupa foi cobrir a nudez de nossos primeiros pais. Adão e Eva nunca sonharam em dependurar ouro ou prata sobre o corpo, para salientar suas folhas de figueira! As vestes eram modestas e protegiam a eles das mudanças climáticas. Algum dia Deus colocará uma coroa dourada de vitória sobre a fronte dos vencedores. Então, mesmo assim, os salvos removerão suas coroas de ouro na presença de Deus (Apocalipse 4:10,11).

 

Observe o que Deus falou ao profeta Isaías acerca de jóias e roupas vistosas. “Diz o Senhor: Visto que as filhas de Sião se exaltam, e andam de pescoço erguido, e tem olhares impudentes, e quando andam, como que vão dançando, e fazendo retinir os ornamentos de seus pés,… Naquele dia tirará o Senhor os seus enfeites: os anéis dos artelhos, as toucas, os colares em forma de meia lua, os brincos, os braceletes, os véus, os diademas, as cadeias dos artelhos, os cintos, as caixinhas de perfume e os amuletos, os sinetes e os anéis pendentes do nariz, os vestidos diáfanos, os mantos, os xales, as bolsas, os espelhos, as capinhas de linho, e as tiaras e as togas.” Isaias 3:16-23. Mulher na profecia bíblica simboliza igreja. Nesta profecia, as mulheres (igrejas) foram severamente julgadas por causa do seu orgulho, que está ligado diretamente ao adorno externo.

 

Pelo fato de estarmos lutando contra o pecado e a tentação, agora não é o tempo certo para glorificar nosso exterior. O supremo alvo do cristão é atrair a atenção para Cristo, não para si mesmo. Decorando nossos corpos mortais com pedras e minerais brilhantes, normalmente o orgulho brotará, e isto é totalmente oposto ao espírito e aos princípios de Jesus. “Quem a si mesmo se exaltar será humilhado, e quem a si mesmo se humilhar será exaltado.” Mateus 23:12.

 

O orgulho da própria aparência foi um grande fator na rebelião e queda de Lúcifer. Quando originalmente Deus criou Lúcifer como um anjo perfeito, ele deu muitas pedras preciosas como seu vestuário “o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda. Os teus engastes e ornamentos eram feitos de ouro” Ezequiel 28:13.

 

Infelizmente, Lúcifer escolheu apropriar-se dos dons de Deus. Cheio de orgulho, ele decidiu que era belo o suficiente para tomar o lugar de Deus no trono do Universo. “Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor.” Ezequiel 28:17. O orgulho levou a rebelião. A rebelião trouxe a guerra no céu. E a guerra no céu trouxe o pecado para a terra.

 

Desde que Adão e Eva caíram cm pecado, nós humanos, temos que lutar com a mesma natureza pecaminosa que tem o orgulho em sua raiz. Deus, por isso, ordenou-nos a não usar jóias. Em nossa condição pecaminosa, não estamos mais aptos a resistir a tendência ao pecaminoso orgulho, do que foi Lúcifer. Quando nosso corpo físico for transformado na Segunda Vinda de Jesus, não seremos mais tentados a pecar. Unicamente então, Jesus considerará seguro colocar uma coroa de ouro em nossa cabeça.

 

Enquanto isso não acontece, faremos bem em seguir o conselho dado ao apóstolo Paulo, no tema do adorno. “Quero que, do mesmo modo, as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos dispendiosos, mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.” I Timóteo 2:9,10.

 

 

 

Pobres “Investimentos”…

 

Cristãos são fiéis administradores, que confiam a Deus seus cuidados. Alguns por ai, exibem tantas pedras preciosas que, se fossem vendidas, poderiam construir uma igreja inteira num campo missionário. Nosso dinheiro deveria ser gasto para disseminar o Evangelho na prática, de modo eficaz. O Senhor pergunta, “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o produto do seu trabalho naquilo que não pode satisfazer?” Isaias 55:2 (Veja também Mateus 6:19-21).

 

Sem dúvida você encontrará exemplos brilhantes entre membros da igreja (e dentro de algumas igrejas) onde o dinheiro tem sido desperdiçado em extravagâncias inúteis. Confesso que também tenho sido culpado disso. Mas uma inconsistência não justifica outra. O dinheiro de Deus não deveria ser gasto em ouro e diamantes vistosos, ou mesmo em bijuteria barata. Todas as jóias se derreterão quando Jesus vier, e eu vou preferir não usar alguma quando isso acontecer!

 

A Bíblia chama de tolos tais “investimentos” em Tiago 5:3: “O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram. A sua ferrugem dará testemunho contra vós, e devorará a vossa carne como fogo. Entesourastes nos últimos dias.” As únicas preciosidades que irão para o céu serão pessoas transformadas.

 

 

 

Pequenos Ídolos

 

Quando apresento a verdade bíblica a respeito das jóias, raramente ouço queixas daqueles que são recém-convertidos. Mas alguns outros, que tem estado na igreja durante anos, freqüentemente ficam amuados e argumentam, “Doug, isto é uma coisa tão pequena!”. Minha resposta é, “se é uma coisa tão pequena, então porque é tão difícil para você abandonar isto?”. Um pouco de ouro ou prata podem se tornar num grande ídolo.

 

Talvez a mais espantosa demonstração deste fato, foi a experiência dos Israelitas com o bezerro de ouro. A Bíblia registra: “Disse-lhes Arão:

 

Tirai os pendentes de ouro que estão nas orelhas de vossas mulheres, de vossos filhos e de vossas filhas, e trazei-mos. Então todo o povo tirou os pendentes de ouro que estavam nas suas orelhas, e os trouxe a Arão. Ele os tomou das suas mãos, e com um buril deu forma ao ouro e dele fez um bezerro de fundição. Então eles disseram: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito.” Êxodo 32:2-4.

 

Quando os filhos de Israel passaram a salva da oferta, eles tinham jóias suficientes para fazer um pequeno bezerro. Temo que se passassem a salva hoje em algumas igrejas daqueles que professam seguir a Palavra de Deus, teríamos jóias suficientes para fazer um grande búfalo de ouro!

 

Depois da experiência do bezerro de ouro, Deus ordenou que o povo removesse suas jóias para que não fossem consumidos. “Pois o Senhor tinha dito a Moisés: Dize aos filhos de Israel: És um povo de dura cerviz. Se por um momento eu subir no meio de ti, te consumirei. Tira, pois, de ti os atavios, para que eu saiba o que te hei de fazer. Então os filhos de Israel se despojaram dos seus atavios, ao pé do monte Horebe.” Êxodo 33:5,6.

 

Note o perigo semelhante que Deus adverte a Seu povo, que vive nos últimos dias: “Naquele dia os homens lançarão às toupeiras e aos morcegos os seus ídolos de prata, e os seus ídolos de ouro, que fizeram para ante eles se prostrarem, e meter-se-ão pelas fendas das rochas, e pelas cavernas das penhas, por causa da presença espantosa do Senhor, e por causa do esplendor da sua majestade, quando ele se levantar para sacudir aterra.” Isaias 2:20,21.

 

 

 

Vestindo-se de acordo com a Ocasião

 

Houve uma época, quando Deus não reagiu quanto ao uso de jóias e outros males, tais como escravidão e poligamia. Isto não significa que Ele aprovava essas práticas, mas porque Seu povo tinha maiores problemas para resolver. Esses outros seriam resolvidos no devido tempo.

 

Atos 17:30,31 nos diz: “Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todos os lugares se arrependam.” Por quê? “Pois determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou. Ele disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.”

 

Estamos vivendo nos dias imediatamente anteriores a Vinda de Jesus um tempo em que a Igreja está sendo julgada. “Pois já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus.” 1 Pedro 4:17.

 

Como uma ilustração do processo de julgamento, Deus deu a Seu povo o Dia da Expiação. Ele caia no décimo dia do sétimo mês no ano judaico e era um solene dia no qual o Senhor santificaria e julgaria os filhos de Israel. Na preparação, o povo se conduzia num completo exame pessoal. Estavam repletos com uma atitude de confissão, arrependimento, e humildade. “Porque é o dia da expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Toda pessoa que nesse dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio do seu povo.” Levítico 23:28,29.

 

No Dia da Expiação, o Sumo Sacerdote que normalmente usava um peitoral com pedras preciosas e finas vestimentas que simbolizavam as glórias do céu trocava suas vestes para uma roupa simples de linho branco. Este seu propósito (com respeito a roupa simples) é que deveríamos imitar, porque vivemos no Dia da Expiação Profético. Assim como foi exigido a todo o acampamento de Israel que se purificasse e mudasse suas roupas no Dia do Juízo, também nós que vivemos no tempo do juízo pré segundo advento, somos chamados a purificar nosso coração e nos separarmos de todas as influências pagãs.

 

Outras histórias bíblicas além dessa, ilustram como o povo mudou suas vestes, quando se preparavam para encontrar-se com Deus. Vejamos Gênesis 35:1-4: “Então disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel, e habita ali, e faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da presença de Esaú, teu irmão. Então disse Jacó á sua família, e a todos os que com ele estavam: Lançai fora os deuses estranhos que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes. Levantemo-nos, e subamos a Betel, onde farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho por onde andei. Então deram a Jacó todos os deuses estranhos, que tinham nas mãos, e as argolas que lhes pendiam das orelhas, e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que está junto a Siquém.”

 

Podemos aprender duas lições muito importantes desta história. Primeiramente, observe que os deuses estrangeiros e as jóias foram classificadas e enterradas juntas. A adoração pagã e as jóias sempre ‘desfrutaram’ de uma estreita associação. E para que Jacó e sua família entrassem em comunhão com Deus, eles tinham que abandonar tais influências. Assim Deus ordenou a Jacó para fazer não uma remoção temporária desses objetos, mas um enterro permanente.

 

Em segundo lugar, a palavra Betel significa:

 

“Casa de Deus”. Estamos vivendo agora no tempo do juízo, e nos preparando para encontrar-se com o Todo-poderoso, na Sua Casa Celestial. Não é o tempo agora para adornar nosso exterior mortal. Antes de irmos para lá, Deus quer nos separar das coisas deste mundo, que comprometem nosso relacionamento com Ele. “Pelo que sai do meio deles, apartai-vos, diz o Senhor. Não toqueis nada imundo, e eu vos receberei.” li Coríntios 6:17.

 

Somos o Templo de Deus

 

A mais bela construção da antigüidade era o Templo de Deus construído pelo rei Salomão. Seu exterior era coberto com pedras de puro mármore branco. Muito interessante é notar que o ouro, estava no interior do Templo. A Bíblia diz que este é igualmente um bom modelo para os ‘templos vivos’. “A beleza das esposas não seja o enfeite exterior, como o frisado de cabelos, o uso de jóias de ouro, ou o luxo dos vestidos, mas a beleza interior, no incorruptível traje de um espírito manso e tranqüilo, que é precioso diante de Deus.” 1 Pedro 3:3,4. Como o antigo Templo de Salomão, nosso ouro deveria estar no

 

Amigo(a), seu corpo foi feito por Deus à Sua imagem. Tentar melhorar a aparência humana, furando buracos nas orelhas ou narinas, e pendurar minerais inanimados; seria como tentar aperfeiçoar a perfeita beleza do Templo de Salomão soltando uma gangue de rua no mármore do pátio e ordená-los a pichar os muros com tinta spray. “E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Pois vós sois santuário do Deus vivente” II Coríntios 6:16.

 

Creio que os anjos viram o rosto e choram quando professos cristãos perfuram, marcam, acorrentam, mutilam, e tatuam seus corpos como um sacrifício aos deuses da moda e das manias. Deus claramente disse ao Seu povo: “Eles .. .nem farão incisões no corpo. Santos serão a seu Deus.” Levítico 21:5,6. E se Deus disse que não deveríamos ferir nosso corpo, o que nos faria pensar que furar as orelhas é alguma coisa permissível?

 

“Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que sois vós, é sagrado.” 1 Coríntios 3:16,17. Em essência, você não deveria fazer um buraco nesse mármore inestimável. Nossos corpos são para serem santos, não cheios de buracos.

 

Os princípios bíblicos contra o uso de jóias, tem sido uma benção á causa de Deus. Eles dão liberdade para os membros. O povo de Deus tem então mais dinheiro para gastar na disseminação do evangelho, e no suprimento das necessidades dos povos sofridos. Eles estão livres dos sentimentos de insegurança. Os homens não necessitam se preocupar.

 

sobre o anel que deram a esposa ou namorada, se é bonito o suficiente ou se dá uma boa afirmação social. E as mulheres não tem que investir um centavo de energia emocional na comparação de suas jóias com as das outras. O padrão de Deus tem sido uma tremenda bênção. e nos necessitamos manter isto assim!

 

 

 

A primeira impressão é a que fica

 

Duas mulheres simbólicas aparecem em Apocalipse cap. 12 e 17. Elas representam os dois grandes poderes religiosos que estão em conflito, por toda a história da igreja. Embora nenhuma das mulheres fale uma só palavra que seja, sabemos qual é a verdadeira e qual é a falsa. Como? O primeiro modo de a Bíblia identificá-las é: pela veste que estão usando.

 

Apocalipse 12:1 diz. “Viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça.” A primeira mulher, que representa a Igreja de Deus, está usando uma luz natural. Sua igreja está vestida com a pura e não falsificada luz que Ele fez.

 

Por contraste, a segunda mulher, que representa uma igreja apostatada, está adornada com jóias e finas vestes. Sua beleza é externa e artificial. Apocalipse 17:4 fala que, “A mulher estava vestida de púrpura e de escarlate, e adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas. Tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituiçao.

 

Obviamente estas coisas estão associadas com uma aparência do mal, e somos ordenados a “Abster-se de toda a aparência do mal” 1 Tessalonicenses 5:22.

 

Jesus mesmo mandou: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Mateus 5:16. A Palavra de Deus nos orienta para deixar nossa própria luz (não nossas jóias externas) brilhar tanto, que outros possam ver nossas obras (não nossas riquezas) e glorificar a Deus (não a nós mesmos).

 

 

 

Cristo é nosso exemplo

 

Também tenho sido questionado muitas vezes se não haveria problema em usar uma cruz. Bem, Jesus nunca pediu para usarmos uma cruz. Ele pediu para levarmos a cruz. Tomar nossa cruz e seguir a Jesus é muito mais desafiador que usar uma camiseta, um grande adesivo, ou uma pequena cruz dourada como propaganda frívola. Jesus disse que tomar a cruz significa, que como cristão você então, “negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me.” Lucas 9:23.

 

Sempre que estiver em dúvida, pergunte: “O que faria Jesus?”. Se seguirmos a Jesus, estaremos sempre a salvo. Pessoalmente, não posso imaginar meu Jesus furando Suas próprias orelhas, nariz, ou qualquer outra parte mesmo com o fim de pendurar pedras brilhantes em suas extremidades. O exemplo de Jesus nas Escrituras é continuamente de modéstia e simplicidade prática. Quando Ele foi crucificado, os soldados romanos dividiram Suas vestes entre si. Note que eles não tiraram a sorte por Suas jóias. Ele não possuía nenhuma. Em vez disso, eles tiveram que disputar Sua peça de roupa mais valiosa uma modesta túnica sem costura (João 19:23,24).

 

Eis uma mensagem que mostramos repetidamente: Quando amamos a Jesus, queremos seguir Seu exemplo. “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.” 1 João 2:6

 

 

 

Mudança de Proprietário

 

Numa pequena cidade onde vivi, havia uma casa que era bem conhecida por sua aparência: tudo em ruínas. Ferro-velho, lixo, e uma mistura de sucatas espalhadas pelo pátio. A pintura descascando, janelas quebradas, e cachorros famintos no jardim eram um embaraço para toda a comunidade em volta. Então um dia, depois de voltar de uma longa viagem, andando pela cidade; fiquei aturdido pela dramática mudança que tinha ocorrido naquela infame casa. A velha pintura descascada tinha sido lixada e agora uma nova pintura embelezava as paredes. Janelas novas e limpas estavam no lugar das antigas, e todas as sucatas e ferro-velho tinham sido tiradas! O jardim foi limpo e coberto com novo gramado. Eu não podia deixar de perguntar o que causou a mudança. Instantaneamente descobri que a casa tinha um novo proprietário.

 

Todos nós de uma forma ou outra nos parecemos com a velha casa em ruínas. O pecado reinou em nosso coração, levando-nos à queda, impureza e confusão. Mas sempre que uma pessoa permite a Jesus entrar no coração, o processo de limpeza começa imediatamente. Jesus removerá aquelas coisas que manchavam a beleza interior do cristão, e as pessoas notarão a mudança externa.

 

Jesus deixou de lado Sua coroa, e Seu Trono Celestial quando veio ao nosso mundo, para nos salvar. Ele então, entregou Suas vestes terrenas quando morreu na cruz pelos nossos pecados. Seria muito para Ele, pedir a nós que tiremos nossos enfeites sem vida, para que possamos refletir melhor Sua pureza e humildade neste mundo perdido?

 

Como temos visto neste estudo, há muitas boas razões para os cristãos absterem-se de usarem jóias. Mas se eu tiver que escolher as duas melhores, escolheria estas: Amor a Deus, e amor ao nosso próximo.

 

“Portanto, rogo-vos, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:1,2. — Doug Batchelor. Tradução: Udolcy Zukowski.~

 

http://www.jovemadventista.com/comportamento/joias_limite.htm

 

2 comments for “Joias, até que ponto se pode usar?

  1. SUELMA
    agosto 9, 2014 at 6:54 pm

    Achei interessante dizer que é riquíssima, de grande valor estas advertências. São grandes os perigos. Muitas as “coisa tão pequenas” que estão entre nós, que por serem “pequenas” não temos como combatê-las, dizer que Deus não gosta delas e minam o ambiente cristão. Deus nos torne prontos a abandonar qualquer coisa que sua palavra já condenou.

  2. Talita roberta camargo
    Maio 17, 2017 at 5:20 pm

    Estava a procura desta resposta!! Obrigada foi bem claro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *