Lição 03 – O ESPÍRITO SANTO

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Terceiro Trimestre de 2014

Tema geral do trimestre: Ensinos de JESUS

Lição 03 – O ESPÍRITO SANTO

Semana de   12 a 19 de julho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br– Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco” (João 14:16).

 

Introdução de sábado à tarde

Nesta semana estudaremos algo sobre o ESPÍRITO SANTO. Parece que o ESPÍRITO SANTO age de uma maneira suave, como uma brisa, submisso ao Pai e ao Filho, embora tenha igual autoridade. Ele é DEUS, como os outros dois membros da Trindade. Ele tem agido em momentos cruciais. É quando, pelo menos, percebemos mais a Sua manifestação. Por exemplo, nos tempos finais, a ação do ESPÍRITO SANTO é crucial para a conclusão da obra iniciada por JESUS.

Não se sabe muito sobre esse membro da Trindade, a Bíblia não revela muita informação sobre Ele. O que faz o ESPÍRITO SANTO? “O Senhor Jesus age por meio do Espírito Santo; pois Este é Seu representante. Por meio dEle, infunde na alma vida espiritual, vivificando as energias para o bem, purificando-a da corrupção moral e habilitando-a para Seu reino. Jesus tem grandes bênçãos a conceder, ricos dons a distribuir entre os homens. É o maravilhoso Conselheiro, infinito em sabedoria e força; e, se reconhecermos o poder de Seu Espírito e nos sujeitarmos a ser por Ele moldados, estaremos perfeitos nEle. Que pensamento é este! Em Cristo “habita corporalmente toda a plenitude da divindade; e estais perfeitos nEle”. Col. 2:9 e 10. Nunca o coração humano conhecerá a felicidade até que se submeta a ser moldado pelo Espírito de Deus. O Espírito conforma a alma renovada com o Modelo, Jesus Cristo. Mediante a influência do Espírito, a inimizade contra Deus transforma-se em fé e amor, o orgulho em humildade. A alma percebe a beleza da verdade, e Cristo é honrado em excelência e perfeição de caráter. Ao efetuarem-se essas mudanças, os anjos rompem num hino arrebatador, e Deus e Cristo Se regozijam nas almas moldadas à semelhança divina” (Mensagens aos Jovens, p. 17, 55 e 56).

Assim como o Pai e o Filho, o ESPÍRITO SANTO também é um humilde servo. Os membros da Trindade, sempre um é servo dos outros dois, e eles são servos das criaturas. É a lógica do reino de DEUS, onde a lei de todos é o amor; por isso, nesse reino todos são servos uns dos outros. O amor, para ser a norma superior, requer que todos Se ajudem, que estejam disponíveis uns aos outros, do contrário como é em nosso mundo, onde cada um, com poucas exceções, quer dominar sobre os outros. Nós podemos contar com o ESPÍRITO SANTO assim como os discípulos puderam contar com JESUS.

 

  1. Primeiro dia: Representante de CRISTO

Aquilo que CRISTO foi quando esteve na Terra, o ESPÍRITO SANTO continuaria sendo, em lugar do grande Mestre. A única diferença entre o ESPÍRITO e JESUS é que o substituto está invisível entre nós. Ele é um guia para a eternidade, para a Nova Terra. Digamos que Ele é o embaixador celeste entre nós, para nos ensinar sobre como é linda a vida por lá. Ele nos faz entender a Bíblia e nos faz lembrar o que já aprendemos nela.

“Unicamente os que leem as Escrituras como a voz de Deus a lhes falar são verdadeiros discípulos. Tremem à Sua voz, pois ela lhes é viva realidade. Abrem o entendimento à divina instrução, e oram por graça a fim de obter preparo para o serviço. Ao ser a tocha celeste posta em suas mãos, o indagador da verdade vê a fraqueza que possuía, a enfermidade, sua completa impotência para promover a própria justiça. Vê que não existe em si coisa alguma que o recomende perante Deus. Ora pelo Espírito Santo, o representante de Cristo, para lhe servir de guia constante para o conduzir a toda a verdade. Repete a promessa: “Aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em Meu nome, vos ensinará todas as coisas.” João 14:26” (Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, 450).

“A promessa do Consolador lhes apresentava uma maravilhosa verdade. Animava-os a não perder a fé mesmo sob as mais difíceis circunstâncias. O Espírito Santo, enviado em nome de Cristo, deveria ensinar-lhes todas as coisas, e trazer tudo à memória. O Espírito Santo era o representante de Cristo, o Advogado que está constantemente pleiteando em favor da raça caída. Ele roga que o poder espiritual lhe seja concedido, que pelo poder dAquele que é mais forte do que todos os inimigos de Deus e dos homens, eles possam vencer os seus inimigos espirituais” (Refletindo a CRISTO, MM 1986, 121).

Nos tempos dos apóstolos, CRISTO estava junto deles. Depois, vindo o tempo do ESPÍRITO SANTO, é um pouco diferente; na verdade, melhor. Ele tem condições de habitar em nossos corações; isso quer dizer, nos transformando por inteiro, ou melhor, nos recriando para sermos novos seres. Não é apenas uma melhoria ou reforma, é mudança radical, de uma natureza pecadora para outra natureza, santa e sem pecado.

 

  1. Segunda: O ESPÍRITO SANTO é uma Pessoa e;
  2. Terça: O ESPÍRITO SANTO é divino (um só comentário para esses dois dias)

Para o estudo de hoje, vamos nos valer de parte do texto “Uma Pessoa Maravilhosa Chamada Espírito Santo” escrito pelo Pr. José Carlos Ramos, professor de Teologia.

“Dos membros da Santíssima Trindade, o terceiro é Aquele de quem há menos informações objetivas, precisas, que definam o Seu próprio Ser. O Filho Se tornou um de nós. Sua manifestação foi visível, material, em nosso nível. O Pai foi por Ele revelado. Mas o Espírito permanece um tanto imperceptível, à parte, despretensioso, operando sem auto-projeção, não Se impondo, não falando “de Si mesmo” (João 16:13). E no próprio ato do desprendimento, Ele cumpre a divina obra que O faz conhecido. É parte de Sua glória exaltar e glorificar o Filho, e através do Filho, o Pai, fazendo com que a revelação de ambos se efetive na consciência humana.

Que exemplo de abnegação!

No quarto Evangelho, o Espírito executa sete atividades, todas em exaltação a Jesus:

1) Ensinar, e…

2) fazer lembrar tudo o que Jesus disse – João 14:26.

3) Dar testemunho de Jesus – João 15:26.

4) Convencer do pecado, porque o mundo não crê em Jesus; da justiça, porque Ele foi para o Pai; e do juízo, porque Satanás foi julgado e derrotado – João 16:8.

5) Guiar a toda a verdade, e Jesus é a verdade (14:6) – João 16:13.

6) Declarar ou anunciar o que Jesus, da parte do Pai, Lhe entrega – João 16:13, 14 e 15.

7) Glorificar a Jesus – João 16:14.

O Apocalipse refere-se a Ele como os sete Espíritos de Deus (Apoc. 1:4 e 5; 4:5). Sete é o número da plenitude. O Espírito alcança a plenitude nesta atividade cristocêntrica sétupla. Isso é tão fundamental para o plano da redenção, que, sem a atuação do Espírito, seria como se Jesus nunca tivesse encarnado e Deus nunca tivesse Se manifestado. Ele habilita o homem a entender a salvação e responder positivamente a ela. Sem Ele, a Igreja não poderia cumprir Sua missão, e estaríamos fadados a permanecer neste mundo indefinidamente.

Objeto de especulação – Talvez o fato de existir pouca informação sobre o Espírito Santo faz com que uma conceituação sobre Ele se torne mais susceptível de especulação. Nos dias de Ellen G. White, havia aqueles que afirmavam que o Espírito era uma “luz derramada” e “uma chuva caída”.

Ela condenou esse tipo de especulação por rebaixar a Deus. (Evangelismo, p. 614). Mais afrontoso ainda é tomá-Lo por uma criatura. Há os que acreditam que Ele e Gabriel se equivalem. A inspiração nega isso fazendo clara distinção entre ambos no registro das palavras deste anjo a Maria:” Descerá sobre ti o Espírito Santo…” (Luc. 1:35). Gabriel não poderia estar falando de si mesmo. E Ellen G. White assegura que o seguidor de Jesus pode sentir-se confiante e seguro no conflito “contra as hostes espirituais da maldade”, porque “mais que anjos estão nas fileiras. O Espírito Santo, o representante do Capitão do exército do Senhor, desce para dirigir a batalha.” – O Desejado de Todas as Nações, p. 352. Rebaixar o Espírito Santo à categoria de anjo é, na realidade, minimizar o poder de Deus, algo muito a gosto de Satanás.

Outra forma especulativa no tratamento de tão sublime tema é despojar o Espírito de Sua personalidade. As chamadas Testemunhas de Jeová afirmam que Ele é apenas uma influência ou energia – o poder de Deus. Esta ideia é tão antiga quanto o século III, quando Paulo de Samosata a difundiu. No tempo da Reforma, Lécio Socino e seu sobrinho Fausto propagaram a teoria.

Não há como negar que este conceito rebaixa o valor do Espírito Santo para a Igreja. L. E. Froom a isto se refere quando afirma que negar a personalidade do Espírito não é “mera questão técnica, acadêmica ou simplesmente teórica. É de suprema importância e do mais elevado valor prático. Se Ele é uma Pessoa divina e O consideramos como impessoal, estamos roubando desta Pessoa divina a deferência, honra e amor que Lhe são devidos. E mais: Se o Espírito é mera influência ou poder, podemos então procurar apropriar-nos dEle e usá-lo.” – A Vinda do Consolador, p. 40. À página 36 da edição castelhana acrescenta-se ao final deste parágrafo: “Mas se O reconhecemos como Pessoa, estudaremos como nos submeter a Ele de modo que nos use segundo Sua vontade.”

(…)

“Quando Ellen G. White afirma que “a natureza do Espírito Santo é um mistério”, não quer ela dizer que nada podemos saber sobre Ele. Aquilo que a Revelação nos transmite não é especulação; é a realidade, é o nosso dever aceitar por fé.

Dois pontos sobre o Espírito Santo estão devidamente assentados nas páginas sagradas: Ele é uma pessoa, e é Deus. “O Espírito Santo tem personalidade, do contrário não poderia testificar ao nosso espírito e com nosso espírito que somos filhos de Deus. Deve ser também uma pessoa divina, do contrário não poderia perscrutar os segredos que jazem ocultos na mente de Deus.” – Evangelismo, p. 617.

A personalidade do Espírito santo é claramente inferida do testemunho bíblico. As seguintes referências não deixam dúvida a respeito:

1) Ele é citado entre pessoas: “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo” (Atos 15:28). Além disso, Ele aparece na fórmula batismal junto ao Pai e ao Filho (Mat. 28:19); seria redundância Jesus mencionar o Espírito Santo, tendo já mencionado o Pai, fosse Ele a mera energia dEste; também não faria sentido Jesus ordenar o batismo em nome de uma Pessoa, o Filho, e agora em nome de uma energia, o Espírito.

2) Ele é Senhor (II Cor. 3:17 e 18). Este termo define personalidade e divindade quando aplicado ao Pai e ao Filho; por que não quando aplicado ao Espírito?

3) Ele possui mente (Rom. 8:27). O termo grego traduzido “mente” neste texto em algumas versões é phrónema (alguma coisa que se tem em mente, que passa pela mente, o pensamento), em contraste com nous (a mente como sede da consciência, da reflexão, da percepção, do entendimento, do julgamento crítico e da determinação). O importante é que phrónema pressupõe a existência de nous. Apenas um ser pessoal é dotado de nous, e pode exercer phrónema. O Espírito Santo é um ser pensante, o que implica inteligência. Ele não pode ser menos que uma pessoa.

4) Ele tem sentimentos:

* pode ser contristado – Efé. 4:30

* expressa anseio – Tia. 4:5

* possui alegria – I Tess. 1:6

* ama – Rom. 15:30

* expressa vontade – I Cor. 12:11

5) Pode, e deve, ser mantida comunhão com Ele (Fil. 2:1; II Cor. 13:13). Não se mantém comunhão com uma energia.

6) Não é mero poder, mas tem poder (Rom. 15:19) Seria outra redundância a Bíblia falar do poder do Espírito Santo, fosse Ele mero poder; seria “o poder do poder”!

7) Pode-se mentir a Ele (Atos 5:3). Mente-se a uma pessoa e não a uma energia.

8) Pode-se-Lhe resistir (Atos 7:51). É possível cumprir o papel de um resistor (componente que impede ou atenua o fluxo de/da corrente elétrica) para com o Espírito Santo? Sim, e isto o pecador faz quando, diante do apelo divino, prefere permanecer no erro. Mas isso não significa que o Espírito Santo não seja uma pessoa, pois não é apenas uma energia que se resiste. Pessoas também podem ser resistidas, incluindo Deus. (Atos 11:17). O texto fala de se resistir às claras evidências da verdade, apresentadas pelo Espírito Santo.

9) Pode-se guerrear contra Ele (Gal. 5:17) O que é uma intensificação de resistência ao Espírito Santo.

10) Pode-se ultrajá-Lo (Heb. 10:29) Como é possível ultrajar uma energia? Ultrajar liga naturalmente ao sentido de afrontar, insultar, difamar, injuriar, ofender, deprimir, vilipendiar, desacatar, vituperar, envergonhar. Como se pode fazer tudo isso a uma energia?

11) Pode-se blasfemar contra Ele como se blasfema contra o Filho (Mat. 12:31). É possível blasfemar contra uma energia? Blasfema-se contra uma pessoa, como é o caso de Jesus aqui.

12) Ele executa específicas funções próprias, não de uma energia, mas de uma pessoa: * sonda, perscruta a Deus – I Cor. 2:10

* concede dons para a edificação da Igreja – I Cor. 12:7 (em outras palavras, ao conceder dons à Igreja o Espírito Se dá a ela)

* contende com pecadores – Gên. 6:3

* ordena sobre itens relevantes para a obra de Deus – Atos 8:39; 10:19 e 20

* envia pessoas no processo do cumprimento de alguma missão – Atos 10:19 e 20

* ensina o que uma vez ouviu – João 16:13 (ouvir não é próprio de uma energia), ver também 14:26; I Cor. 2:13

* revela, especialmente pelo exercício profético – Atos 1:16; II Ped. 1:21; I Tim. 4:1

* testifica através da intuição na consciência, bem como com o testemunho da Igreja – Rom. 8:16; Atos 5:32; Apoc. 22:17

* move o agente humano na captação da revelação divina – I Ped. 1:21

* incute novas realidades ainda não percebidas – Heb. 9:8

* indica a correta compreensão do que é revelado – Ped. 1:11

* guia os filhos de Deus – Rom. 8:14, inclusive na busca de “toda a verdade” – João 16:13

* assiste nas fraquezas – Rom. 8:26

* intercede corrigindo nossas orações – Rom. 8:26

* produz frutos na vida dos que se submetem a Ele – Gál. 5:22 e 23

* lava e renova, o que resulta em salvação – Tito 3:5. Em João 3:5 e 6 este ato é referido por Jesus em termos do novo nascimento

* escreve a lei de Deus nas tábuas do coração – II Cor. 3:3

* santifica – II Tess. 2: 13; I Ped. 1:2

* sela os que são de Deus – Efé. 1:13”.

Há ainda o texto, de minha autoria, sobre o ESPÍRITO SANTO (Trindade na Bíblia), elaborado com base na lição da Escola Sabatina do 2º trimestre de 2006, disponível aqui.

 

  1. Quarta: A obra do ESPÍRITO SANTO

Qual é o objetivo do ESPÍRITO SANTO, ao substituir JESUS CRISTO na Terra? Não é difícil se saber, embora, talvez não se saiba tudo, ou não lembremos tudo. O ESPÍRITO SANTO tem por função:

ð  Ser o professor que ensina sobre a Bíblia, dando entendimento e compreensão sobre as suas mensagens. Como faz diferença ter o ESPÍRITO SANTO! Conheço algumas pessoas que estudam a Bíblia para nela encontrar erros e contradições. Essas pessoas não entendem nada da mensagem da Bíblia, veem tudo de modo estranho. Falta aquele professor!

ð  Ser a pessoa que faz lembrar o que já estudou e aprendeu. Mas tem que ter estudado. Não vai lembrar o que nunca aprendeu.

ð  O ESPÍRITO SANTO guia as pessoas ligadas a DEUS, por caminhos seguros. Todos aqueles que se entregam a DEUS são orientados para que no que fazem na vida, não cometam erros que lhes poderiam remeter à morte eterna.

ð  Ele orienta para que demos bom testemunho.

ð  Ele orienta para que saibamos o que falar diante das pessoas interessadas ou daqueles que precisam aprender o que nós já sabemos. Orienta no sentido que não cometamos erros que poderiam ofender outros.

ð  Nós podemos orar ao ESPÍRITO SANTO, assim como ao Pai e ao Filho.

ð  Ele conduz o processo de transformação da vida das pessoas, de pecadores para isentos de pecado. Esta última situação alcançaremos no dia da transformação completa, na volta de JESUS CRISTO. Não podemos nos conformar como sendo pecadores e pronto. Devemos nos apoderar da graça do ESPÍRITO para que Ele nos modifique radicalmente.

ð  É pela ação do ESPÍRITO que pode ocorrer o milagre de nascermos de novo, deixando um estilo de vida e entrando em outro, de ascensão espiritual.

ð  Ele age por meio de sermões, leituras, áudios, vídeos, música, textos escritos, amizade e testemunho, direto com a pessoa por sonhos ou por ideias, e de muitas outras formas.

ð  Ele ouve nossas orações e intercede junto ao Pai.

ð  Faz a ligação entre nós e o Pai, e do Pai conosco.

ð  Ele sensibiliza nossos corações.

A questão que se levanta aqui é a seguinte: como isso tudo, acima, e muito mais, poderia ser feito por alguém que não fosse DEUS? O que Ele faz está fora do alcance de anjos por exemplo. Nós somos batizados em nome do Pai, do Filho e do ESPÍRITO SANTO, assim sendo, ele faz parte da Divindade, exatamente por ser Divino. É possível rejeitar o ESPÍRITO SANTO, e isso é um pecado que não pode ser perdoado, justamente porque é Ele quem trabalha conosco para que nos arrependamos (nova vida) e sejamos perdoados.

 

  1. Quinta: Cheios do ESPÍRITO SANTO

“Não é de grandes homens, homens letrados que o ministério necessita, nem de pregadores eloquentes. Deus chama homens que se deem a si mesmos a Ele para que sejam cheios do Espírito Santo. A causa de Cristo e da humanidade requer homens santificados, desprendidos, que possam sair para o campo, suportando as dificuldades. Que eles sejam homens fortes, bravos, qualificados para empreendimentos dignos, e façam um concerto com Deus com sacrifício” (Conselhos Sobre Saúde, 558).

“… Ao início do tempo de angústia fomos cheios do Espírito Santo ao sairmos para proclamar o sábado mais amplamente” (Eventos Finais, 143).

“Toda a vossa mente e coração devem ficar imbuídos da verdade, para que possais ser representantes vivos de Cristo. … Deus quer que estejais cheios do Espírito Santo, revestidos do poder celestial. Trabalhai não para tornar-vos grandes homens; mas, antes, para tornar-vos homens bons e perfeitos, para que anuncieis as virtudes dAquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz. Deus precisa de Calebes e Josués, destemidos e sinceros, que trabalhem com fé e ânimo” (Minha Consagração Hoje, MM  1989, 310).

O ESPÍRITO SANTO pode e deve ser pedido. Isso porque Ele não toma conta de ser algum, sem permissão, embora Ele seja DEUS e portanto dono de nós. Se pedirmos, receberemos o dom prometido por JESUS. Ser batizado pelo batismo do ESPÍRITO SANTO significa receber esse ser para que faça de nós o que deseja, que se cumpra em nós a vontade de DEUS, nosso Criador, a fim de que sejamos salvos e que, por nosso intermédio, outros também sejam. No início de Atos explica que JESUS ordenou que os discípulos esperassem, isto é, que se preparassem, se consagrassem, para receber poder. Assim era no tempo de Israel, para eventos especiais, sempre deveriam fazer grande preparo. O batismo do ESPÍRITO SANTO pode ocorrer junto com o batismo das águas, ou em outro momento. Mas ele sempre dá início a um processo de mudança radical na pessoa, que a leva a uma nova vida de vitórias espirituais. É como uma vida em que a pessoa não vive mais por conta própria, mas tem DEUS em seu íntimo.

 

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

a)      Síntese dos principais pontos da lição

  • Qual o foco principal?

Antes de JESUS vir ao mundo, DEUS Se fazia presente, ou Se comunicava por meio de profetas. O ESPÍRITO SANTO também estava aqui, entre a humanidade. O grande problema da humanidade é a separação entre os seres humanos e DEUS, por causa do pecado. É enorme a dificuldade de comunicação entre seres pecadores e o Ser Divino. JESUS na Terra fez uma ligação direta entre a Divindade e o ser humano. Ele agiu como outro ser humano, contudo perfeito, sem pecado. Ele alcançou, do Céu, os seres humanos da Terra. Tão intensa foi Sua interação com os seres humanos que aqueles que se tornaram íntimos como JESUS, não conseguiam mais imaginar viver sem Ele. A vida de JESUS foi a grande diferença em toda a história, da ligação da Divindade com a humanidade caída. Foi essa grande necessidade que levou JESUS a garantir que, ao Ele partir, viria outro em Seu lugar, o ESPÍRITO SANTO, que JESUS chamou de Consolador. Desde então, é possível se manter ligação com a divindade assim como aqueles homens mantinham com JESUS, com a diferença de que não podemos ver o substituto, e Ele está, ao mesmo tempo, em todo lugar, porque é uma pessoa da Trindade.

  • Quais os tópicos relevantes?

O ESPÍRITO SANTO, assim como DEUS Pai, e JESUS, é um servo humilde. Ele é tão humilde que obedece aos outros dois membros da Trindade, na verdade os três membros agem assim, são humildes e obedientes ao mandamento que forma o seu caráter.

O ESPÍRITO SANTO é essencialmente igual a CRISTO, e isso é evidente, pois também é DEUS.

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

b)      Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

O ESPÍRITO SANTO, um membro da Trindade, portanto, DEUS como o Pai e JESUS, não é superior nem inferior ao Pai e ao Filho. Ele é uma pessoa, age como uma pessoa. Precisamos saber que o ESPÍRITO SANTO está em todo lugar, ao alcance de todos. Podemos recorrer a Ele, assim como os discípulos recorriam a JESUS, com a diferença que a maneira de buscá-Lo é pela oração, não pela conversa direta.

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

c)       Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Precisamos confiar mais no ESPÍRITO SANTO. Ele foi-nos dado por DEUS para nos acudir. Precisamos ter grande cuidado para deixar de crer nEle, porque assim nos colocamos em situação que nos separa da Divindade, seja do ESPÍRITO SANTO, seja do Pai, seja do Filho. Nesse caso estaremos perdidos, isto é uma das maneiras de se cometer o pecado contra o ESPÍRITO SANTO.

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

d)     Comentário de Ellen G. White

Se por ventura alguém tem dúvida se o ESPÍRITO SANTO é DEUS, temos, entre outras, essa pequena frase de Ellen G. White: “O príncipe da potestade do mal só pode ser mantido em sujeição pelo poder de Deus na terceira pessoa da Trindade, o Espírito Santo” (Evangelismo, 617, citação de Special Testimonies, Série A, nº 10, pág. 37).

 

e)      Conclusão geral

Da Trindade, o ESPÍRITO SANTO é o mais desacreditado, justamente no momento do desfecho da história da humanidade. Esse é o momento em que mais intensamente precisamos estar seguros na mão de DEUS. Lúcifer é esperto, ele sempre procurou denegrir o caráter de DEUS; agora está procurando fazer entender que o ESPÍRITO SANTO não é nem mesmo DEUS. Cuidado com isso, esse é o caminho para a perdição eterna. Quem estiver nessa situação, busque ver se de fato está com os pensamentos corretos.

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p(Apoc. 15, 16) Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªpArmagedom Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!

 

 

estudado e escrito entre  07 e 12/06/2014

revisado por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *