Lição 10 – O ESPÍRITO SANTO, a Palavra e a oração

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Primeiro Trimestre de 2017

Tema geral do trimestre: O ESPÍRITO SANTO e a espiritualidade

Lição 10 – O ESPÍRITO SANTO, a Palavra e a oração

Semana de 4 a 11 de março

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar:Da mesma forma o ESPÍRITO nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio ESPÍRITO intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E Aquele que sonda os corações conhece a intenção do ESPÍRITO, porque o ESPÍRITO intercede pelos santos de acordo com a vontade de DEUS” (Rom. 8:26 e 27 NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

A oração é essencialmente relacionamento com DEUS. Toda criatura, mesmo os seres criados que nunca caíram, necessitam desse relacionamento. Adão e Eva, ainda nos tempos em que não havia pecado, todas as tardes tinham um encontro com o Criador. Imagine-se que momentos emocionantes e proveitosos deveriam ser aqueles. Aprendiam, trocavam ideias, se alegravam, planejavam, cantavam, passeavam, olhavam a natureza, etc. Eles se relacionavam com DEUS todos os dias. Ali eles não oravam: falavam com o Criador face a face, vendo-O como Ele é.

Hoje, a oração é um dos modos mais íntimos de nos relacionarmos com DEUS, em estado de pecado, isto é, de separação de DEUS. Embora não ouçamos Sua voz, sabemos que Ele nos ouve, e muitas vezes percebemos respostas Suas. Quando lemos a Bíblia com oração, sabemos que Ele nos fala por aquelas palavras, e elas adquirem significado para nossas necessidades. A oração nos aproxima de DEUS, fortalece a intimidade com Ele, nos transforma e santifica. É o ESPÍRITO SANTO que nos incita a orar, e também é Ele quem traduz a oração a DEUS. É que nós nem mesmo sabemos orar, ou, não sabemos como falar com DEUS, o que pedir, que assuntos tratar, como pedir, etc.

Então, ao orarmos, sempre devemos nos dirigir a DEUS Pai, orando sempre em nome de JESUS, e o ESPÍRITO nos ajuda em nossas deficiências tornando a oração aceitável a DEUS Pai. Tal é o estado em que chegamos: nem mesmo para falar com DEUS estamos capacitados. Mas algumas coisas podemos melhorar, como estudaremos a seguir, nesta semana.

 

  1. Primeiro dia: A oração que agrada a DEUS

Qual a oração que agrada a DEUS? Há dois tipos de oração: a centrada em nossos interesses e a centrada na vontade de DEUS. Vamos a alguns exemplos.

Oramos pela cura da doença de alguma pessoa porque necessitamos dessa pessoa para a nossa vida. Veja bem o motivo da oração. Nada há erro em orar pela cura dela, porém, somos nós que queremos levar vantagem. Não oramos por ela para que viva, o que acontece é que nós perderemos se ela falecer. É em tais casos que o ESPÍRITO SANTO faz o acerto da oração para que DEUS Pai Se agrade dela. Num caso assim, a pessoa não sabe orar, e nem se dá conta disso. DEUS pode até atender essa oração, mas porque o ESPÍRITO SANTO fez o seu trabalho intermediário.

E como deveríamos orar, nesse caso? Esqueça a sua dependência da pessoa (digamos que sejam recursos financeiros enquanto você estuda, ou algo assim). DEUS proverá. Aliás, você pode orar para que essa parte seja resolvida; é só não enfatizar, em seus pensamentos, o desejo da cura para não ficar mal.

Porém, orar assim, também não é um erro grave. Devemos sempre aprender e ir acertando; por sua vez, DEUS compreenderá nossas limitações e não nos desamparará em nossos erros. Melhor é orar errado que não orar. Se não orar, como irá aprender como se ora? A vida cristã é uma caminhada de aprendizagem.

Um exemplo de oração que agradaria a DEUS, centrada no ser humano, é o da história de uma mulher, durante a segunda guerra mundial. Essa mulher orou de maneira correta; é um exemplo de oração que agrada a DEUS. Ela estava presa numa cadeia em alguma ilha do pacífico, ou algo assim, pelo que lembro. Era uma mulher cristã, e ela orava. A mulher pensou bem como deveria orar, e chegou a uma conclusão. Orou para que as pessoas daquela prisão fossem poupadas e que a liberdade chegasse logo. Ela chegou à conclusão que não deveria orar pelo fim da guerra, ou para que um lado vencesse o seu inimigo. Não que isso fosse pedir muito a DEUS, mas concluiu que devesse orar pelo razoável para aquela situação. Podemos aqui aprender que não compete orar, por exemplo, para que não haja mais guerra, que haja paz e progresso sempre, que desapareça toda violência, que não haja mais crise, que nenhuma empresa vá à falência, etc. Isso não é razoável, mas é pedir para que o rumo do mundo seja contrário ao caminho que o pecado está levando. Aliás, sabemos pelas profecias que o mundo irá de mal a pior; logo, orar assim seria pedir para que a previsão profética não se cumprisse.

Lembro de ter lido que Ellen G. White foi convidada para ir a uma casa onde havia um homem doente, e orar por ele. Pareceu incrível, mas ela se recusou a orar. Pela insistência deles, ela disse que iria orar naquela noite, perguntando a DEUS se poderia orar por aquele homem. DEUS respondeu a ela que não orasse. Coisa terrível. Mas qual seria o motivo? Ele estava doente em razão de um hábito nocivo, que não havia abandonado e que não abandonaria. Mais um caso pelo qual, orar ou não orar não muda nada; então, nem ore. Temos exemplos de oração relatadas por Ellen G. White.

“Foi-me apresentado o caso de ______, um pastor; ele foi buscado de uma distância de cento e vinte quilômetros, a fim de orar com uma irmã doente, que o mandou chamar em cumprimento do ensino de Tiago. Ele foi e orou fervorosamente, e ela orou; ela acreditava que o pastor era um homem de Deus, homem de fé. Os médicos haviam-na desenganado para morrer de tuberculose. Ela foi curada imediatamente. Ergueu-se e preparou a ceia, o que não fizera por dez anos. Ora, o pastor era vil, de vida corrupta, e todavia ali estava uma grande obra. Ele tomou toda a glória para si.

“Então passou novamente diante de mim a cena acima mencionada. Vi que a mulher era uma fiel discípula de Cristo; tinha fé que havia de ser curada. Ouvi-lhes as orações: Uma era indistinta, obscura, foi para baixo; a outra oração era misturada de luz ou de pontinhos que pareciam diamantes e ascendeu a Jesus e Ele a fez subir a Seu Pai qual suave incenso, e foi imediatamente mandado um raio de luz à aflita, e ela reviveu e fortaleceu-se sob sua influência. Disse o anjo: Deus ajuntará toda partícula de fé verdadeira, sincera; como diamantes serão elas reunidas em cima e trarão certamente uma retribuição ou resposta; e Deus separará o precioso do vil” (2 Mensagens escolhidas, 347). Nesse caso, a oração do pastor não foi atendida, mas sim, a oração da mulher, que era fiel.

O que diferencia oração que DEUS Se agrada e que Ele não Se agrada é, basicamente, a humildade ou a arrogância. O pastor fez uma linda oração, quem sabe um produto da eloquência, e a mulher confiava na oração dele. E ela também resolveu orar, e pediu em sua inocência e humildade, como DEUS deseja que façamos. Ela orou por si? Sim, foi por ela mesma. Mas, por certo queria sobreviver para servir, tanto que, logo que ficou boa, preparou alimento para as pessoas presentes. Essa foi a diferença.

“Se permanecerdes em Mim, e as Minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito” (João 15:7). Quer dizer, devemos fazer e pedir o que Ele deseja e receber Ele em nosso coração. É a oração que sobe até Ele, não Ele que desce a nós, pois já está conosco, o tempo todo.

 

  1. Segunda: O fundamento da oração bíblica: pedir a DEUS

Pois, DEUS sabe todas as coisas. Sabe até o que iremos pedir no futuro, isso envolve todos os pedidos. Sabe de tudo o que necessitamos e iremos necessitar. Conhece o nosso íntimo e nossos motivos por completo, muito melhor que nós mesmos.

Então, qual o motivo de pedir a DEUS, para que Ele nos atenda?

Imaginemos a situação pelo lado inverso. De fato, Ele sabe tudo a nosso respeito, porém, imagine que Ele faça tudo o que necessitamos sem que nunca peçamos. Aos poucos estaremos nos desligando dEle, achando que é tudo normal, que é assim mesmo. Nós, seres humanos, se não sentimos necessidade também não vamos a DEUS. E mais, precisamos interagir com Ele, conversar com Ele, e fazer pedidos também.

O sentido da oração não é informar qualquer coisa a DEUS. Ele sabe de tudo. O sentido dela é nos aproximarmos dEle, ter intimidade com Ele, aprender dEle, sentir Sua ação, perceber os pedidos atendidos, crescer na fé. Em resumo, a oração existe, por enquanto, para nós nos relacionarmos com DEUS pelo diálogo.

É orando que acontecem várias coisas:

  • aproximamo-nos de DEUS;
  • cresce a fé e a confiança nEle;
  • fortalecemo-nos espiritualmente;
  • damos permissão a Ele para que, respeitando a liberdade que nos deu, atue em nossa vida;
  • pedimos que as promessas que fez se cumpram em nossa vida e na igreja;
  • desenvolvemos crescente disposição de obedecer;
  • submetemo-nos cada vez mais a Ele, até que a submissão seja total – ponto ideal.

Podemos pedir qualquer coisa, pequena ou enorme, mas, desde que seja conforme a Palavra de DEUS. Por exemplo, não faz sentido pedir que a Operação Lava Jato prenda todos os corruptos no Brasil. A corrupção só aumentará até o final. Também não faz sentido pedir que JESUS volte ainda esse ano, assim como que o ESPÍRITO SANTO desça sobre a igreja como está hoje. Mas faria sentido orar pelas autoridades do país para que elas tenham oportunidade de conhecer JESUS. Também não faria sentido orar para passar num concurso de um bom emprego, se não houve esforço no estudo e preparação. Nem tão pouco para que melhore da saúde se não cuida dela.

Aos poucos, estudando, ouvindo, orando, vai-se aprendendo sobre como orar, e nosso relacionamento com DEUS vai sendo aperfeiçoado cada vez mais.

 

  1. Terça: O fundamento da oração Bíblica: crer

Pois bem: “sem fé é impossível agradar a DEUS” (Heb. 11:6). Porque “aquele que não tem fé é como a onda do mar, que é levada e agitada pelo vento. Para recebermos as bênçãos de DEUS, é necessário ter fé, pois sem ela é impossível agradar a DEUS” (Tiago 1:6-8).

Qual é a questão que está em debate hoje?

Vamos supor algumas situações de pedidos a DEUS, mas sem fé.

Uma pessoa está andando de carro e fica numa situação bem complicada num trecho da estrada onde não há possibilidade de recurso. Nessa situação essa pessoa pede que DEUS a ajude. Mas a pessoa não crê que DEUS existe. Como poderá ser ajudada?

Um colega meu, da Universidade, passou por uma situação assim, mas orou diferente. Ele é ateu. Num trecho de serra, sem acostamento, pista dupla, chuva forte, ficou, repentinamente sem o limpador do para-brisa, pois parou de funcionar. Orou assim: “DEUS, se Tu existes, me ajude agora.” Foi o que ele disse, e a chuva parou em instantes, poucos segundos depois. Quando nos contou, estava emocionado com a experiência, ou aliviado. Na hora ele pelo menos aceitou a possibilidade da existência de DEUS. Mas pedir algo a DEUS e não crer que Ele exista, nesse caso, quem não existe não fará alguma coisa.

Imaginemos outra situação. Há um caso de doença e são feitas orações. A doença é grave. As pessoas que estão orando não acreditam que DEUS tenha tanto poder para resolver uma questão tão difícil. Essas orações não serão atendidas.

Em caso de doenças, ou outras situações também, nem sempre DEUS atende por inúmeras razões, que se soubéssemos, concordaríamos. Ocorreu um caso de um menino, muito ativo na igreja com seus dons musicais. Aos 11 ou 12 anos, contraiu uma doença que não lembro qual, e o médico avisou que ele iria morrer. A mãe ficou desesperada e orou mais ou menos assim: que DEUS salvasse seu filho, caso contrário, ela sairia da igreja. Pois, DEUS atendeu essa oração, seu filho viveu miraculosamente, contra o prognóstico da medicina. Passaram-se uns 3 anos, e o menino tornou-se um drogado, envolveu-se com tráfico de drogas, usava armas de fogo, e mais um tempo, foi morto. Foi então que essa mãe entendeu que melhor seria se ele tivesse morrido na ocasião em que era fiel. Esse é um caso real, ao menos assim foi contado por um pastor. No tempo da doença, o menino estava firme na igreja, depois, quando finalmente foi morto, ele estava perdido, para sempre. A não ser que, na última hora, tenha se arrependido, mas não precisava ser assim tão dramático. Ninguém do bem estava ao seu lado nos últimos momentos de vida.

Outro caso hipotético poderia ser como a seguinte situação: Alguém está dando estudo bíblico e quem está recebendo os estudos, nunca se decide. Passam-se digamos, três anos e nada. Quem estuda com essa pessoa já está desanimando de orar, e pensa que DEUS não tem interesse nessa pessoa. Nesse caso, sua oração pouco irá fazer, ou talvez nada.

Certa vez, com minha esposa, dava estudos a uma família. Ninguém dali tomou a decisão do batismo. Por fim, bem desanimados, desistimos. Um ou dois anos depois, uma irmã de outra cidade nos disse que uma mulher se batizou lá, por causa daqueles estudos. Era a vizinha que, por puro acaso havia assistido dois estudos, e se mudou para a outra cidade. Lá procurou a igreja e continuou os estudos, e se batizou.

Não podemos ser como a onda do mar soprada pelo vento. Ora vamos contra a rocha, ora retrocedemos. Isto é, sempre na dúvida. Quando tudo vai bem, não temos dúvida quanto ao poder de DEUS, mas quando a situação se complica, não cremos que DEUS possa ou que queira nos ajudar. Nesse caso, a oração não será eficaz. Ainda mais, se a pessoa for cristã há tempo, se já tiver conhecimento.

Mesmo tendo fé, em certos casos, devemos sempre deixar que DEUS faça a Sua vontade, e noutros, devemos simplesmente pedir que Ele cumpra com Suas promessas. Pediremos segundo a vontade de DEUS quando for casos de doenças por exemplo, e pediremos que Ele cumpra com Sua promessa no caso de uma conversão.

 

  1. Quarta: O fundamento da oração Bíblica: Reivindicar as promessas de DEUS

Chegamos hoje ao último fundamento da oração bíblica. Os dois anteriores foram: Pedir a DEUS e crer em DEUS. O terceiro e último fundamento é reivindicar as promessas de DEUS. Pelo que a lição explica, significa ser grato a DEUS pela Sua providência antes mesmo dela ter sito atendida. Esse fundamento se baseia no pressuposto de que o pedido do primeiro fundamento esteja de acordo com a vontade de DEUS.

“…se pedirmos alguma cousa segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E se sabemos que Ele nos ouve quanto ao que Lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que Lhe temos feito” (I João 5:14 e 15).

Entendamos esse assunto do fundamento desde o início.

Em primeiro lugar, precisamos pedir algo a DEUS. Isso que pedirmos, deve estar de acordo com a Sua vontade. Daí tudo começa bem. É lógico que devemos pedir de acordo com a vontade de DEUS. Ele não atenderia algo que estivesse apenas de acordo com nossa vontade, ou com a de satanás. Ele sabe mais que todos, e a Sua vontade é absolutamente boa.

Continuemos nos fundamentos da oração, para que sejamos atendidos. Devemos crer em DEUS, ter fé, confiar, não duvidar. Também parece bastante evidente que DEUS não iria atender a uma oração que foi feita por alguém que nem acredita que Ele exista, ou que duvida que a atenderá, ou que duvida da capacidade de DEUS para resolver o problema.

Então, no terceiro fundamento, o que se nos pede é que reivindiquemos as promessas de DEUS. Esse reivindicar não é outra coisa senão agradecer pelo recebimento da promessa sendo que Ele ainda nem nos atendeu, ou seja, antes mesmo de nos ter atendido. Isso não é outra coisa senão uma demonstração de confiança de que Ele tomou a situação em Suas mãos e que vai fazer alguma coisa, conforme Sua sabedoria e Seu amor.

 

  1. Quinta: Suplicando pelo ESPÍRITO SANTO

A concessão do ESPÍRITO SANTO é uma das promessas que devemos pedir e que DEUS está mais que disposto a conceder. Mas há, frequentemente, um problema a ser superado: não estar pronto para receber o terceiro membro da Trindade. E isso ocorre quando ainda não nos arrependemos por inteiro e não nos entregamos completamente a JESUS.

Se existe um pressuposto que não necessitamos ler para saber, é o de que não iremos receber o dom do ESPÍRITO SANTO se não nos arrependermos. E tão pouco, se não nos entregarmos a JESUS CRISTO.

Porém, uma vez arrependidos e posicionados ao lado de JESUS, podemos pedir, aliás, devemos pedir o dom do ESPÍRITO SANTO, e nos será concedido.

“O que Deus requer? Perfeição; nada menos do que perfeição. Mas, se queremos ser perfeitos, não devemos confiar no próprio eu. Diariamente precisamos saber e compreender que o próprio eu não deve ser objeto de confiança. Devemos apegar-nos às promessas de Deus com firme fé. Precisamos pedir o Espírito Santo com pleno reconhecimento de nosso próprio desamparo. Então, quando o Espírito Santo operar, não daremos glória ao próprio eu. O Espírito Santo tomará graciosamente o coração à Sua guarda, trazendo-lhe os brilhantes raios do Sol da Justiça. Seremos guardados pelo poder de Deus, mediante a fé.

“Quando estivermos diariamente sob o controle do Espírito de Deus, seremos observadores dos mandamentos. Podemos demonstrar ao mundo que a obediência aos mandamentos de Deus traz sua recompensa, mesmo nesta vida, e eterna felicidade na vida futura. Não obstante nossa profissão de fé, o Senhor, que pesa nossas ações, vê somente uma imperfeita representação de Cristo. Ele tem declarado que tal estado de coisas não pode glorificá-Lo.

“É muito significativo confiar a guarda da alma a Deus. Significa que devemos viver e andar pela fé, não confiando no próprio eu nem o glorificando, mas olhando a Jesus, nosso Advogado, como o Autor e Consumador de nossa fé. O Espírito Santo realizará Sua obra no coração que é contrito, mas não pode atuar em alguém cheio de orgulho e pretensão. Este, em Seu entender, teria capacidade para corrigir a si mesmo. O eu se interpõe entre sua alma e o Espírito Santo. O Espírito Santo atuará se o eu não se interpuser” (E Recebereis Poder, MM 1999, 93).

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal (anterior foco, porém, com o cuidado de fazer uma ligação entre os assuntos diários, sempre que possível)

A oração da qual DEUS Se agrada, e que Ele atende, segundo a Sua sabedoria e vontade, é a feita com fé já acompanhada do agradecimento pela providência de DEUS, como se Ele já tivesse atendido, embora muitas vezes ainda não haja resposta.

 

  1. Aplicação contextual e problematização (aplicações possíveis dos assuntos aos cristãos na atualidade e identificação dos problemas que enfrentamos e indicativos de solução)

Um dos nossos problemas é que não sabemos como orar. O mundo produziu orações que não são bíblicas. Uma delas é a reza, repetições de frases idênticas inúmeras vezes, como se DEUS fosse fraco da mente, e não entendesse o que falamos. Na realidade, Ele já sabe o que iremos pedir, antes que o façamos. A reza certamente não agrada a DEUS.

Outro tipo de oração que não agrada a DEUS são as orações públicas longas e monótonas, que cansam as outras pessoas. Elas já nem prestam mais atenção, e quando a pessoa que faz esse tipo de oração inicia, já desanimam.

Orações sem fé, ou feitas às pressas de modo desleixado, palavras escolhidas sem raciocínio, automáticas, decoradas, etc., certamente não agradam a DEUS, e possivelmente não sejam atendidas.

 

  1. Informe profético vinculado com a lição

“O Boletim dos Cientistas Atômicos (BPA, na sigla em inglês) moveu o ponteiro do relógio Doomsday, que simboliza quão próximos estamos de uma hecatombe, de três minutos para dois minutos e meio antes da meia-noite – quanto mais perto dela, mais iminente está o fim do mundo, na avaliação dos pesquisadores.

“É o mais próximo que o relógio chegou da meia-noite desde 1953, quando o ponteiro foi movido para dois minutos por causa de testes de bomba de hidrogênio feitos pelos EUA e pela Rússia.

“Os comentários perturbadores sobre o uso e proliferação de armas nucleares feitos por Donald Trump, bem como a descrença no consenso científico sobre a mudança climática expressa por Trump, e por vários dos nomeados para o seu gabinete, afetaram a decisão da diretoria, assim como o surgimento de nacionalismo estridente em todo o mundo.” Fonte aqui.

 

“O Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e o Departamento para o diálogo inter-religioso e a cooperação do Conselho Mundial de Igrejas estão elaborando “um documento conjunto sobre a educação para a paz”, considerada “a urgência da matéria no contexto global de hoje”.

“A notícia foi dada esta terça-feira (31/01), num comunicado conjunto, difundido pela Sala de Imprensa da Santa Sé. As duas delegações estiveram reunidas estes dias na sede do dicastério vaticano.” Para ler mais, veja aqui.

As duas notícias, decorrem do estado do planeta atualmente. Por um lado, os ânimos se exaltam, com armas atômicas; por outro lado, buscam a chamada “paz e segurança.” O mundo vai como previsto profeticamente.

Por fim, viu o que aconteceu no Espírito Santo, quando a brigada militar fez uma greve que diziam não ser greve. Os delinquentes tomaram conta. Tente imaginar o caos que tomará conta do planeta depois do decreto dominical, quando DEUS permite que as nações e a economia global vá a falência. Dá para imaginar?

 

  1. Comentário de Ellen G. White

““Se atendemos ainda à iniquidade em nosso coração, se nos apegarmos a algum pecado consciente, o Senhor não nos ouvirá; mas a oração da alma penitente e contrita será sempre aceita. Depois de termos reparado todas as faltas de que temos consciência, poderemos crer que Deus atenderá às nossas petições. Nossos próprios méritos jamais nos recomendarão ao favor de Deus; é o mérito de Cristo que nos salvará, Seu sangue é que nos purificará; nós, porém, temos uma obra a fazer para cumprir as condições da aceitação” (Caminho a CRISTO, 95 e 96).

 

  1. Conclusão

“Há um vigia que está ao lado de todos aqueles que ocupam posições de confiança, pronto a reprovar e convencer do erro, ou para atender as orações pedindo auxílio. Vigia para ver se os homens que têm o privilégio de levar responsabilidades olharão a Deus em busca de auxílio, e se prevalecerão de toda a oportunidade para aperfeiçoar o caráter segundo a semelhança divina. Se se desviam da devida retidão, Deus Se afasta deles; se não se esforçam fervorosamente para compreender a vontade de Deus com relação a eles mesmos, não os pode ele abençoar, fazer prosperar ou suster” (Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 279).

 

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico

 

 

estudado e escrito entre   27/01 e 02/02/2017

corrigido por Jair Bezerra

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

3 comments for “Lição 10 – O ESPÍRITO SANTO, a Palavra e a oração

  1. Valéria da Silva Xavier
    Março 5, 2017 at 9:17 am

    Obrigada irmão , estes estudos são realmente maravilhosos.

  2. Luh
    Março 9, 2017 at 5:22 pm

    gosto muito do seu comentário
    que o Senhor abençoe

  3. Sueli melo
    Março 11, 2017 at 10:47 am

    Deus lhe abençoe pastor pelos comentários dá Lição e as profecias.
    Eu utilizo os comentários semanalmente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *