Lição 10 – Seguindo JESUS na vida diária

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: O evangelho de Lucas

Lição 10 –  Seguindo JESUS na vida diária

Semana de 30 de maio a 6 de junho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Então, disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé” (Lucas 17:5).

 

Introdução de sábado à tarde

JESUS veio à Terra cumprir uma missão, salvar a humanidade. Como diz a lição de hoje, Ele não veio para fundar uma nova filosofia, nem uma linha de pensamento, nem um paradigma científico, ou coisa assim. Se o fizesse, seria superior a tudo o que os homens já tinham inventado, ou que iriam inventar. Na verdade, as ideias de JESUS, que estão registradas na Bíblia, são superiores a tudo, são permanentes, e o objetivo delas é o resgate das pessoas para a vida eterna, não um debate entre seres humanos.

JESUS, como também diz a lição, fundou aqui uma comunidade. Ele já havia criado um povo, uma nação, iniciada por meio de Abraão. Com Sua vinda, estabeleceu uma igreja, a igreja da Bíblia, e o nome dela, ao longo da história, não importa. O que importa é que a igreja de CRISTO siga os princípios que Ele ensinou, e que estão registrados na Bíblia. Isso inclui, por exemplo, a observância de todos os mandamentos; afinal, Ele nunca anulou qualquer deles.

O reino de DEUS não é um lugar onde tem polícia e sistema judiciário para prender pessoas desleais e corrigi-las em uma penitenciária (o nome já diz, fazer penitência naquele lugar, ou, sofrer castigo para aprender a obedecer às leis, coisa que na prática não funciona assim, ao menos aqui no Brasil). No reino de DEUS há alguns princípios pelos quais tudo funciona. Um desses princípios é a fidelidade a DEUS, ou, em outras palavras, à lei. A lei é o próprio DEUS, que é o amor, o princípio geral desse reino. Sendo DEUS a própria lei, isso quer dizer que Ele é absolutamente fiel a essa lei, requer que obedeçamos, assim como Ele mesmo pratica. Portanto, o reino de DEUS funciona na base da livre obediência, ou, em outras palavras, da fidelidade ou lealdade a DEUS.  Isso também se chama discipulado. Resumindo, obedecemos porque estamos convictos de que esse é o melhor caminho, bom para todos. Esse é o caminho do amor, e assim sendo, da felicidade e da vida eterna. Mas estaremos nesse caminho se formos fiéis ao amor e DEUS.

 

  1. Primeiro dia: Fugir do farisaísmo

Nos tempos de JESUS, e mesmo antes, o povo de DEUS se dividia em vários grupos. Dois deles eram os fariseus e os saduceus. Os fariseus eram o pessoal da direita, os saduceus, da esquerda, isto é, os conservadores e os liberais. Os fariseus, legalistas, ou seja, que davam excessiva ênfase na obediência à lei, chegavam a ensinar a salvação pela observância da lei de DEUS, embora admitissem a graça. O estudo de hoje visa nos resguardar contra atitudes parecidas com as dos fariseus daqueles tempos.

Vamos a alguns exemplos. Os fariseus eram zelosos em calcular o dízimo a devolver, porém, se descuidavam em relação a amar o próximo e suas necessidades. Era correta a atitude deles sobre o dízimo, portanto, deviam continuar nessa prática; porém, deveriam também ter o mesmo cuidado quanto ao relacionamento empático com as outras pessoas, e com DEUS.

Como é hoje? Já percebi na igreja, nesses últimos anos, uma ênfase na devolução do dízimo, com o intuito de receber bênçãos e obter ganhos financeiros. Há, por vezes, uma certa imitação das igrejas renovadas e das pentecostais, que relacionam bênçãos diretamente a ofertas e dízimos. É aquela história tão repetida na televisão, por várias igrejas: eu estava falido, mas fui a igreja, devolvi o dízimo, e DEUS me abençoou, agora estou bem. Eu estava doente, fiz a mesma coisa, e DEUS me curou. Era assim que pensavam os fariseus; era importante aquele que devolvia o dízimo. Mas devolvemos porque fomos abençoados, não negociamos bênçãos futuras. No futuro confiamos em DEUS. Há muitos casos de pessoas sinceras a DEUS, mas que passam por graves sofrimentos e apertos.

Por exemplo, eles gostavam de aparecer, de serem notados, a presença deles deveria ser percebida como de gente importante e famosa. Nas sinagogas eles tinham cadeiras reservadas, eram lugares nobres, as primeiras cadeiras. Gostavam de se saudar nas praças de maneira a chamar atenção dos demais. Tratavam-se com tal atitude que pareciam ser superiores às demais pessoas, os não fariseus. Portanto, no dizer de JESUS, se pareciam a sepulturas que só servem para guardar coisa podre, algo que uma vez já fora importante.

Hoje o importante é o currículo e o título acadêmico, o modelo do automóvel, a marca do vestuário, o tipo de amizade e sociedade que frequenta, o cargo que tem na igreja, o número de pessoas que batizou (nem sempre é tido por importante se eles continuam na igreja), o formalismo de nossos cultos. Das 5 horas semanais que passamos na igreja, 40 minutos no máximo são dedicados ao estudo (Escola Sabatina), duas horas, mais ou menos, para ouvir sermões (forma pouco eficiente de se ensinar, especialmente se o sermão for monótono e pouco preparado), se cada um durar 40 minutos, e uns 15 a 20 minutos para orar; o restante, ou seja, duas horas, para uma quantidade de coisas diversificadas. O mais importante, que é o estudo e a oração, nos toma, respectivamente, em torno de 13% e 0,7% do tempo em igreja. Algo está gravemente errado. E muitos de nossos sermões são superficiais, monótonos, cansativos e desconectados das necessidades dos membros.

Também valorizamos demais o batismo como expediente de salvação. Melhor dizendo, o alvo de batismo. Isso nos afasta do ESPÍRITO SANTO, pois várias vezes, não poucas, vi pessoas sendo exaltadas pela notoriedade de quantas pessoas trouxeram para o reino de DEUS, ou, aos pés de CRISTO. Parece que são as pessoas que salvam outras pessoas, pelo visto, não é o ESPÍRITO SANTO. E se colocamos alvos, os colocamos na perspectiva da capacidade dessas pessoas de alcançá-los, não pela perspectiva do poder do ESPÍRITO SANTO, que se temos, por enquanto está fraco.

Além disso, temos muitos presidentes e departamentais que dominam sobre os membros, chamados “leigos”, mas, sendo eles mesmos também “leigos”, por exemplo, em Administração, do que pouco ou mesmo nada entendem. Agem por meio de atitudes burocráticas autoritárias, querendo que os membros façam exatamente como imaginam ser o correto. Poderia dar diversos exemplos dessas atitudes, mas pouparei de fazê-lo, por motivos óbvios. A igreja necessita de uma forte sacudidura; ou a profecia da sacudidura estaria equivocada?

JESUS alertou sobre as honras e homenagens que os intérpretes e mestres da lei davam aos profetas antigos já mortos. Porém, não seguiam as orientações dos profetas que estavam vivos, em especial, JESUS, presente entre eles, pois tramavam matá-Lo.

E hoje? É diferente? Menciona-se o fato de Ellen G. White ter sido remetida para a Austrália, pelos líderes daquele tempo. Bom, isso já passou, todos eles estão mortos. Mas vale dizer hoje, que o respeito pela profetiza, entre nós, é bem reduzido. O que interessa, isso é valorizado, porém, por exemplo, suas orientações sobre a reforma da saúde, nem mesmo entre o ministério é seguido por todos, só por uma minoria. Parece mesmo que os membros (ou leigos) são incapazes de percebê-lo.

Também o que ela diz sobre a santificação do sábado, não é seguido pela maioria de nós. O culto de por do sol, por exemplo, é feito em horário posterior ao por do sol, e isso tornou-se normal.

E quanto a honestidade em tudo o que fazemos, também o que ela escreve tem pouco valor. Por exemplo, sei porque estava presente, e fui voto vencido, sobre a escolha de um ministro para ser departamental porque possuía uma grande coleção de vídeos, quase todos pirateados. E assim por diante, a palavra de profeta hoje também tem pouco valor, embora os exaltemos quase o tempo todo, especialmente para dizer: JESUS está voltando!

Um ponto desse texto da bíblia chama forte atenção. JESUS não seguiu uma prática de “canalha”, ou seja, disse a verdade ao fariseu, dentro de sua casa, mesmo tendo sido convidado por ele. Nós hoje seguimos uma ética muito estranha e incoerente, de nunca ofender certas pessoas que são especiais. Mas o que disseram os intérpretes da lei a JESUS, em meio a Seu pronunciamento? “Mestre! Dizendo estas cousas, também nos ofendes a nós outros” (Luc. 11:45). De fato, ali estavam presentes pessoas que, talvez hoje, nós não diríamos certas verdades, pois eram pessoas importantes na hierarquia espiritual. JESUS não seguiu a ética dos homens, falou, digamos, ‘na presença’, dos presentes, inclusive do fariseu que O convidara para comer em sua casa (Luc. 11:37). É típico de profetas dizer o que tem de ser dito, sem enrolar ou sem suavizar. Claro, isso não quer dizer que devamos ser grosseiros, mas sim que não devemos evitar de dizer, aos líderes, coisas em que erram e que não admitem ou não percebem o erro.

 

  1. Segunda: Temer a DEUS

A palavra temor, em português, pode ter mais de uma interpretação. Por exemplo, no estudo de hoje, JESUS orienta que devemos temer, no caso, ter medo, nos precaver, afastar, ter cuidado, preocupar-se, daquelas pessoas e espíritos (satanás e seus anjos maus) que podem mais que tirar a vida, podem também nos enganar para que percamos a vida eterna. Esses devemos temer. Não precisamos temer os assassinos, assaltantes e ladrões, enfim, as más pessoas que estão dispostas a tirar nossa vida, mas apenas a vida presente, não a vida eterna. Esse é um ponto relevante.

Outro ponto, mais relevante, é que devemos “temer a DEUS e dar-Lhe glória” (Apoc. 14:7), parte da primeira mensagem angélica, e também parte do que devemos proclamar e ensinar pelo mundo todo. Mas, por sua vez, esse temor a DEUS é radicalmente diferente do temor a satanás e seus agentes. O temor a DEUS é respeito, amor, apreço, consideração, deferência, sentimento que leva alguém a tratar outra pessoa com grande atenção, profunda deferência, consideração ou reverência, obediência, etc. Resumindo, tratar a DEUS como um Ser único no Universo, como Criador e Redentor, nosso Salvador, que nos ama eterna e infinitamente, a ponto de fazer o que fez JESUS, tornar-Se um de nós, sofrer e morrer por nós. Não há como explicar completamente o que é temor a DEUS, mas a explicação acima é pelo menos uma aproximação, talvez ainda bem grosseira.

Retornando ao que devemos temer, são as coisas que devemos evitar, fugir delas. Dentre outras, muitas outras, está a avareza. É o caso ilustrado pelo homem rico (isso não quer dizer que todos os ricos sejam assim, aliás, ser rico e ser também um bom crente é o desejo de DEUS a todos os seres humanos), que era avarento, e que obteve grande colheita. Ele então planejou derrubar seus celeiros e construir outros maiores, para guardar o excedente da colheita. Até aqui, tudo certo, não há nada errado em armazenar o que colheu. Então ele caiu na armadilha de satanás, que pode levar à perda da vida eterna. Ele disse que estava contente porque tinha tudo o que queria, podia viver festejando bebendo e comendo, podia viver folgadamente, sem preocupações, porque sabia dirigir sua vida, era capaz e não necessitava de ninguém (palavras parafraseadas e estendidas). É aí que estava a loucura do homem: amar a sua riqueza e achar que a sua vida dependia dela, não de DEUS. É aí que entram as palavras de Lucas 12:20: “louco, esta noite te pedirão a tua alma e o que tens preparado, para quem será?Ou seja, esta noite podem aparecer aqueles que matam o corpo mas também são capazes de tirar a vida eterna, e daí, o que se fará com aquelas riquezas? Nesse caso, para nada servirão.

Qual foi a atitude daquele homem? Ele estava na situação do pecado contra o ESPÍRITO SANTO. Ele deixou de depender de DEUS, não se importava mais com a necessidade do perdão, claro, também do arrependimento. Logo, desprezou a atividade do ESPÍRITO SANTO em sua vida, portanto, esse Ser divino nada poderia fazer para o salvar, morreria para sempre, caso isso acontecesse. É que DEUS, mesmo em Sua infinita capacidade e poder, respeita a liberdade de decisão que Ele mesmo nos concedeu.

Como agem aqueles que podem tirar a vida eterna? Eles nos levam a atitudes que impedem a ação do ESPÍRITO SANTO, assim, perdemos a vida eterna. Portanto, temamos com medo a tudo que nos afaste do ESPÍRITO SANTO, e temamos, com respeito, a DEUS, porque Ele merece nossa reverência, porque pode nos dar a vida eterna. O critério de temor é a vida ou a morte eterna.

 

  1. Terça: Esteja preparado e atento

No estudo de hoje se ilustra a necessidade de estar atento aos acontecimentos, e sempre preparados para os fatos previstos que acontecem. Repetindo, são duas coisas: uma é vigiar, outra é estar preparado para que a qualquer momento JESUS retorne. Esse “a qualquer momento” pode ocorrer de algumas maneiras, tais como, nossa morte, perda da memória e o fechamento da porta da graça.

O que aconteceu com as ilustrações de JESUS? Várias possibilidades. Mas resumindo, havia dois comportamentos possíveis: num, o servo líder estava vigilante e sempre bem preparado. Não sabia quando o patrão retornaria de uma viagem, mas se viesse a qualquer momento, ele o receberia devidamente. Naqueles tempos antigos não havia telefone, nem internet para comunicações rápidas, portanto, muitas coisas aconteciam sem previsão nem informação. Noutro comportamento, o servo líder estava despreocupado, imaginando que seu patrão voltasse não logo, nem a qualquer momento. Portanto, ele estava aproveitando para tratar mal seus subalternos, e resolveu se embebedar e festejar, divertindo-se. Isso quer dizer, hoje, tratar com indiferença os que poderiam de outra maneira ser alcançados e incluídos na comunidade do povo de DEUS.

Assim também o dono de uma casa, se soubesse a que horas viria o assaltante, se prepararia para impedir o assalto. Por isso procuramos fortalecer nossas casas para que os ladrões não possam entrar com facilidade. Temos chaves, alarmes, seguro, cachorros, etc., para dificultar assaltos, pois os ladrões não informam quando irão aparecer. A volta de JESUS tem a característica do aparecimento de um ladrão, não sabemos o dia e a hora, por isso a importância da vigília e da prontidão.

Nesses últimos tempos, temos muita informação e conhecimento. Temos o conjunto completo de profecias, especialmente as dos livros de Daniel e Apocalipse, que na verdade formam um único conjunto. Mas há outros livros proféticos na bíblia, e muitos capítulos ou versículos proféticos em livros considerados não proféticos, como o Gênesis. Temos os sinais se cumprindo, temos os estudos formais e informais que são feitos para aprofundamento. Por isso, temos mais luz que os outros cristãos tiveram em qualquer tempo da história. Somos privilegiados nisso, porém, ter todo esse conhecimento nos sobrepõe grande responsabilidade, a de compartilhar com outros o que sabemos, dando principalmente nosso testemunho de vida de autênticos cristãos. Aqui, nesse estudo, a diferença entre a morte eterna e a vida eterna está em vigiar e não vigiar.

 

  1. Quarta: Ser uma testemunha que dá frutos

DEUS, que conhece o futuro, não pode ser pego de surpresa. Quando o pecado se manifestou, naquele dia no Éden, no Céu não houve uma reunião de emergência, para ver o que fazer. Isso acontece frequentemente conosco: fatos ocorrem que não estavam previstos, e somos levados a buscar alternativas que não havíamos planejado. DEUS estava preparado para a ocorrência do pecado, muito tempo antes dele se manifestar.

O Criador já sabia que ocorreria o pecado. Infelizmente, satanás se rebelaria e levaria Adão e Eva a caírem em sua mentira. Mesmo estando isso na história futura, DEUS não deixou de criar esse casal, nem deixou de criar, muito tempo antes, Lúcifer. Não sabemos a razão dessa atitude de DEUS, mas talvez porque, se DEUS evitasse criar estes, outros viessem a pecar, noutro tempo. Uma coisa é certa, o pecado só se manifestará uma vez na história do Universo (Naum 1:9). Outra coisa também podemos ter certeza, o amor de DEUS, Sua lei, jamais seria conhecido em tal intensidade e profundidade não fosse o pecado. Portanto, no final das contas, o saldo do pecado, apesar do sofrimento e das mortes, é positivo. Não seria necessário que ele se manifestasse, pois antes dele, estava tudo muito bom, porém, já que se manifestou, DEUS, que já estava preparado, deu a volta por cima e Seu governo saiu fortalecido, Sua lei resultou justificada. Esse é um aspecto que me fascina no governo de DEUS. Ele conhece o futuro, e administra baseado nesse conhecimento. Um reino assim é absolutamente seguro, jamais poderá ser derrubado. Ainda mais com a lei que tem, a lei do amor.

Agora que já está bem demonstrado o amor de DEUS, por meio de JESUS CRISTO na cruz, e que nós temos esse conhecimento e essa experiência, o que nos compete, é testemunhar. É claro, testemunhar se tivermos uma experiência de vida com DEUS, pois é possível ser cristão mas não viver de acordo com isso. Temos que levar uma vida de submissão a DEUS, e ela será de crescente transformação, cada dia seremos melhores que no anterior. Podemos ter uma queda, mas ela será superada com vantagem.

Então, o que se espera do verdadeiro seguidor de CRISTO é que fale aos outros sobre esse plano de salvação que já existia antes da queda em pecado. É um plano maravilhoso, e é bom que se reafirme, custou caro a JESUS, como DEUS e como ser humano em que Se transformou. Devemos, em nosso testemunho, saber que as pessoas não receberão a mensagem de igual modo, muitas rejeitarão, outras receberão mas não persistirão, e assim por diante, como na parábola do semeador, que enfrentou quatro tipos de solo, e apenas um deles era bom para a semeadura e a produção (Luc. 8:4-15).

Também os interesses do mundo podem superar o interesse pela vida eterna. É o caso de muitos ricos, eles se apegam à sua vida de vantagens terrestres, que JESUS chegou a dizer que é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha que um rico entrar no reino de DEUS. A expressão “fundo de agulha” aqui quer dizer, o buraco estreito que havia no muro de Jerusalém, pelo qual pessoas podiam passar se viessem atrasadas para entrar pelos portões, que eram fechados a certa hora da tarde. Por ali pessoas passavam com alguma dificuldade, mas um camelo certamente não passaria(ver em Luc. 18:24-30).

Por fim, na parábola das dez minas, JESUS ensina que devemos ser persistentes e trabalhadores, pois assim, DEUS pode abençoar e multiplicar o esforço que fizermos (Luc. 19:11-27). Receber um dom, ou mais que um, e não exercitar esse dom, não levará que ele se fortaleça, nem que se torne um sucesso. Por exemplo, se alguém tem a facilidade da cura, isso é um dom, tem que buscar ajudar as pessoas curando-as, e se tornará cada vez mais poderoso em curar as pessoas. É o ESPPÍRITO SANTO que dará a essa pessoa o poder crescente de uso de seu dom, ou se seus dons.

Resumindo, devemos trabalhar com as ferramentas que DEUS nos deu para informar, com poder do ESPÍRITO SANTO, às pessoas, que existe esse maravilhoso plano de salvação bem como que JESUS está muito próximo de retornar, cumprindo uma parte importante desse plano.

 

  1. Quinta: Ser um líder que serve

DEUS, a Trindade, é o maior Ser de todos os seres, Ele é o Criador de tudo, o infinito em poder, onisciente e onipresente. E, até parece contraditório, ao menos sob o critério de liderança do mundo, Ele é também o maior servo. No reino do amor não há espaço para chefes, só para servos. DEUS, por exemplo, mantém todo o Universo, mantém a vida, e em JESUS, Se entregou por nós para nos salvar da morte eterna.

JESUS quando veio a esta Terra, veio para ser como DEUS no Universo, para ser servo. Aqui temos uma ambição herdada de satanás, a vontade de ser superior aos outros, de mandar nos outros, de dominar sobre outras pessoas. Era assim entre os discípulos. Disputavam entre si o primeiro lugar no reino de DEUS. Havia dois lugares, imaginavam, que eram privilegiados, um à direita (o mais privilegiado) e outro à esquerda, no trono de JESUS. Eles queriam esses lugares.

Foi então que JESUS lhes explicou que é assim que funciona nos reinos desse mundo. Mas no reino de DEUS não é assim, pelo contrário, lá, quem desejar ser o maior, tem que servir a todos. Vamos entender o significado dessa afirmação.

É fácil mandar sobre os outros. Nem é preciso autoridade para dominar sobre os outros, basta ter poder. Por exemplo, se estou armado, e uma arma significa poder, mas não significa que tem autoridade, como os ladrões não tem autoridade para invadir residências e roubar armados, posso exigir que as pessoas façam coisas ridículas, e elas farão. Assim é nesse mundo, e isso é fácil: para mandar nem precisa ter conhecimento de como se deve fazer o que se exige.

Porém, para servir, aí a história é diferente. É preciso competência. Por exemplo, se eu quiser servir a um médico, já não poderei, pois não estudei nem um mês sobre medicina, e ele estudou muitos anos. Se desejar servir um bombeiro, também será difícil, pois não entendo dessa profissão. E assim por diante. Posso servir outro professor, e da minha área de conhecimento. Tenho poucas alternativas para ajudar os outros em suas competências. Então, DEUS para servir a todos, é infinitamente inteligente e poderoso. Tem os atributos necessários para poder servir, isto é, ser grande, infinitamente grande. Por isso, se você quiser ser grande no reino de DEUS, capacite-se para servir, exerça seus dons, qualifique-se. Para isso que o ESPÍRITO SANTO nos foi concedido, nos capacitar para sermos capazes de servir, algo superior ao que se pratica nesse aviltado mundo. A lógica celeste é diferente de como se pensa aqui: lá a lei é o amor, ou, fazer o bem aos outros, e isso requer servir, não mandar.

Uma questão interessante: em um ambiente onde todos servem, não há como se desentenderem. Já pensou nisso? Nesse ambiente é impossível haver brigas, disputas, contendas, pois todos estão sempre dispostos a ajudar os outros, não a mandar sobre os outros. Assim que funciona o reino de DEUS.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

Seguir JESUS é muito bom e fácil, mas não nesse mundo. Aqui existe um inimigo que arregimentou todo um poderoso esquema contra quem é fiel a DEUS. Aqui é sacrifício mesmo, existe oposição, perseguição, pena de morte a quem opta por obedecer a vontade de DEUS e observar a Sua lei. Portanto, o foco dessa semana é “pertencer totalmente a JESUS, custe o que custar”.

  • Quais os tópicos relevantes?

Nosso coração e nossos pensamentos, dependendo onde pousam e se demoram, identificam a quem somos fiéis e a quem seguimos, se a JESUS, se ao mundo e seus atrativos.

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Quando optamos por pertencer ao reino de DEUS, também sentimos mais dois desejos incontidos: ser fiéis a JESUS e procurar influenciar outras pessoas a decidirem por Ele e serem encaminhadas para uma vida como JESUS teve.

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

“Vossos próprios caminhos, vossa própria vontade, vossos maus hábitos e práticas, devem ser abandonados, se quiserdes prosseguir no caminho do Senhor. Aquele que quer servir a CRISTO não pode acompanhar as opiniões do mundo ou satisfazer-lhe as normas” (O Maior Discurso de CRISTO, 139, grifos acrescentados).

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

Os que se tornaram novas criaturas em Cristo Jesus, produzirão os frutos do Espírito – “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio“. Gál. 5:22 e 23. … refletir-Lhe-ão o caráter e se purificarão, assim como Ele é puro. As coisas que outrora aborreciam, agora amam; e aquilo que outrora amavam, aborrecem agora. O orgulhoso e presunçoso torna-se manso e humilde de coração. O vanglorioso e arrogante torna-se circunspecto e moderado. O bêbado torna-se sóbrio e o viciado, puro. Os vãos costumes e modas do mundo são renunciados” (Caminho a CRISTO, p. 58, grifos acrescentados).

 

  1. Conclusão geral

“Deus exige santidade pessoal. Somente revelando o caráter de Cristo poderemos nós cooperar com Ele na salvação de pessoas” (Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 158, grifos acrescentados).

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!      

 

 

estudado e escrito entre  24  e  30/04/2015

revisado por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

1 comment for “Lição 10 – Seguindo JESUS na vida diária

  1. Roberto Faustino
    junho 6, 2015 at 6:20 am

    Professor… que Deus lhe abençoe e te ilumine sempre.
    O senhor não faz idéia como seu comentário tem me ajudado particularmente e ajudado a ajudar outros.
    Sei que trabalhoso fazer este trabalho… mas não desista… pois tenho certeza que tem ajudado a muito.
    Fique com Deus juntamente com sua família.
    Abraços

    Roberto Faustino
    Maringá – PR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *