Lição 11 – Entristecendo e resistindo ao ESPÍRITO

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Primeiro Trimestre de 2017

Tema geral do trimestre: O ESPÍRITO SANTO e a espiritualidade

Lição 11 – Entristecendo e resistindo ao ESPÍRITO

Semana de 11 a 18 de março

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar:Não entristeçam o ESPÍRITO SANTO de DEUS, com O qual vocês foram selados para o dia da redenção” (Efésios 4:30 NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

Essa semana promete. Pecado contra o ESPÍRITO SANTO é tema que assusta. Perdi a conta da quantidade de pessoas (mas não foram muitas) que estavam preocupadas se já não cometeram o pecado contra o ESPÍRITO SANTO. Pois bem, só o fato dessa preocupação é uma prova de que ainda não chegaram a esse ponto.

O verso diz que devemos cuidar para não entristecer o ESPÍRITO SANTO. Ele fica triste quando não pode, por resistência nossa, nos transformar, nem nos levar ao desejo do perdão.

Vamos imaginar uma situação semelhante. Imagine uma pessoa de sua família se afogando num lago. Imagine que você não saiba nadar e não tem mais ninguém por perto. Mas você tem uma corda com uma boia salva-vidas presa na ponta. Você joga a boia e ela cai bem ao lado da pessoa. É só segurar a boia, e você puxa para fora. Mas, aí vem a perplexidade: seu familiar não quer pegar a boia, e recusa terminantemente a fazer isso. Você grita, apela, pede, fala e tudo o mais, mas a pessoa simplesmente vai se afogando, aos poucos. Essa atitude de perder seu familiar dessa maneira estúpida, evidentemente deixa você apavorado, perplexo, assombrado, assustado, atemorizado, aterrorizado, e sei lá o que mais. É ver o amigo chegado morrer e não poder fazer nada pelo fato dele não querer, sendo tão fácil salvar a vida dele.

Pois o ESPÍRITO SANTO pode facilmente nos salvar da morte eterna. Mas se nós não desejarmos, Ele, que pode fazer tudo, fica desautorizado à ação. Só pode ficar contemplando a gradativa morte da pessoa, e mais nada. Isso é que deixa o ESPÍRITO triste, pois fomos selados para a redenção, isto é, já temos a garantia de CRISTO, mas se não queremos, paciência e tristeza.

 

  1. Primeiro dia: Resistindo ao ESPÍRITO SANTO

Como foi a queda de Lúcifer, a ponto de não mais ter salvação para ele? Ou seja, a ponto de não mais haver possibilidade de retorno? Como correu a situação de Saul, ungido do Senhor, a ponto de não mais ser aceito por DEUS? Como foi o caso de Caim, a ponto de fugir de DEUS?

Todos esses personagens tiveram algo em comum: resistiram os apelos do ESPÍRITO SANTO. Lúcifer resistiu aos apelos diretos de JESUS CRISTO, que falava com ele, mas nada comoveu o seu coração para retornar.

O que há em certas pessoas, ou até anjos, que as leva ao ponto de não retorno?

É o orgulho, que se pode traduzir como vergonha em retroceder. Há a centralização no “eu”, gerando uma determinação de não aceitar erro ou derrota, e vai em frente, errando cada vez mais, até que não consegue mais ouvir e aceitar os conselhos divinos. Isso é resistir ao ESPÍRITO SANTO.

Quando não aceita mais esses conselhos, aí cometeu o pecado contra o ESPÍRITO SANTO. Mas calma, resistir ao ESPÍRITO SANTO algumas vezes, ainda não é esse tipo de pecado. Mas agindo assim, está no caminho. “A mais comum manifestação do pecado contra o Espírito Santo, é o desprezar persistentemente o convite do Céu para se arrepender. Todo passo na rejeição de Cristo é um passo no sentido de rejeitar a salvação, e para o pecado contra o Espírito Santo” (O Desejado de Todas as Nações, 324). “Ninguém precisa considerar o pecado contra o Espírito Santo como coisa misteriosa e indefinível. O pecado contra o Espírito Santo é o pecado de persistente recusa de atender aos convites para arrependimento” (E Recebereis Poder, MM, 1999, 35).

O pecado contra o ESPÍRITO SANTO é um endurecimento tal do coração que a pessoa não quer mais, em hipótese alguma, ser influenciada por alguma maneira a fim de mudar sua determinação. Se o pastor for lá, não vai conseguir nada; se DEUS for lá, como anjo de luz, da mesma forma. Ninguém nesse Universo consegue abrir esse coração fechado pela própria pessoa. Impossível! “Apesar de [Coré e seu grupo] terem tido a prova mais convincente do desagrado de Deus pela sua conduta, na destruição dos homens que os haviam enganado, ousaram atribuir Seus [de JESUS] juízos a Satanás, declarando que, pelo poder do maligno, Moisés e Arão tinham ocasionado a morte de homens bons e santos. Foi este ato que selou a condenação deles. Haviam cometido o pecado contra o Espírito Santo, pecado este em virtude do qual o coração do homem eficazmente se endurece contra a influência da graça divina. “Se qualquer disser uma palavra contra o Filho do homem”, disse Cristo, “ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado.” Mat. 12:32. Estas palavras foram proferidas por nosso Salvador quando as obras cheias de graça que realizara pelo poder de Deus, foram atribuídas pelos judeus a Belzebu. É mediante a operação do Espírito Santo que Deus Se comunica com o homem; e aqueles que deliberadamente rejeitam esta operação como satânica, interceptaram o conduto que estabelece comunicação entre a alma e o Céu” (Patriarcas e Profetas, 405, grifo acrescentado).

“Mais uma citação de EGW sobre esse tipo de pecado: “Que constitui o pecado contra o Espírito Santo? – Está em voluntariamente atribuir a Satanás a obra do Espírito Santo. Por exemplo: Suponhamos que alguém seja testemunha de uma nova manifestação especial do Espírito de Deus. Possui prova convincente de que o fato está em harmonia com as Escrituras, e o Espírito testemunha com o seu espírito que é de Deus. Depois, entretanto, a pessoa cai em tentação; orgulho, convencimento, ou qualquer outro mau traço, a dominam; e, ao rejeitar todas as provas de seu divino caráter, declara que tudo o que antes reconhecera como sendo o poder do Espírito Santo era apenas o de Satanás” (E Recebereis Poder, MM 1999, 37).

Esse tipo de pecado vai sendo construído aos poucos, gradativamente, resistindo hoje, amanhã, e assim por diante, aos apelos do ESPÍRITO SANTO quanto a um pecado muitas vezes nem tão ofensivo (na classificação humana). Bem típico é o que ocorre aqui no Sul do Brasil. Muitos membros tomam chimarrão. Isso não é pecado contra o ESPÍRITO SANTO, mas, quantas pregações de líderes já foram feitas nesse sentido! A cada uma dessas pregações, em que a pessoa decide continuar tomando o tal chimarrão, que vicia e tem outros problemas mais, a pessoa vai resistindo ao ESPÍRITO SANTO. Lá pelas tantas, essa pessoa não se importa mais com tais apelos, eles passam em branco, sem fazer efeito. Ela ainda não cometeu o tal pecado fatal, mas avança nesse caminho. Um dia desses ela vai chegar ao ponto de não retorno. Resistir os apelos do ESPÍRITO SANTO foi algo que aconteceu com o faraó do Egito. “Cada nova evidência do poder de Deus a que o monarca egípcio resistia, levava-o a desafiar mais determinada e persistentemente a Deus. … Este caso é uma clara ilustração do pecado contra o Espírito Santo. “Aquilo que o homem semear, isso também ceifará.” Gál. 6:7. Gradualmente o Senhor retirou Seu Espírito. Removendo dele Seu poder refreador, entregou o rei nas mãos do pior de todos os tiranos: o próprio eu” (Vidas Que Falam, 1971, 89).

Somos livres, podemos escolher o bem ou o mal, o belo ou o feio, a vida ou a morte, seguir o “eu acho”, seguir o “eu gosto” ou seguir a Bíblia (está escrito) e assim por diante. Podemos seguir nossos gostos ou a vontade de DEUS, cada um escolhe. Nem no tempo em que Lúcifer caía, nem no caso da queda de Adão e Eva e nem em outra ocasião qualquer DEUS impôs Sua boa vontade para nos salvar. Veja bem, seria a vontade dEle pelo nosso bem, mas se esse não for nosso desejo, Ele não age por nós. Cada um escolhe o seu futuro, e no caso, se for pela vida, o ESPÍRITO SANTO atuará nessa pessoa para leva-la à vitória, mas se for pela morte, ela seguirá só, até sua derrota eterna.

 

  1. Segunda: Entristecendo o ESPÍRITO SANTO: parte 1

Diz o verso de Efésios 4:30 que não devemos entristecer o ESPÍRITO SANTO. Como isso pode acontecer? Toda resistência ao ESPÍRITO SANTO também gera tristeza nEle, como já vimos. Quando ignoramos Suas orientações, apelos, dicas, O entristecemos. Quando rejeitamos a Ele, como pessoa, O entristecemos mais ainda. Rejeitar é negar Sua existência, ou também, dizer que Ele não é divino. É algo como fazer o ESPÍRITO SANTO de bobo. Ele nos procura para nos ajudar a alcançar a vida eterna, o que não é pouco, mas nós simplesmente O ignoramos ou até O rejeitamos. “Desejaria que todos os meus irmãos e irmãs se lembrassem de que é coisa séria entristecer o Espírito Santo, e de que este é entristecido quando o instrumento humano procura dirigir-se a si mesmo, e se recusa a entrar no serviço do Senhor porque a cruz é muito pesada ou muito grande o desprendimento” (Conselhos Sobre Saúde, 561).

Vamos a alguns exemplos de coisas que fazemos, e que entristecem o ESPÍRITO SANTO. É uma pequena lista objetiva, que se pensarmos um pouco mais, se tornaria bem grande.

         Descuidar sistematicamente da saúde do corpo;

         Por outro lado, exagerar nos exercícios do corpo para bombá-lo e se exibir na praia ou em outros lugares, alguns até tomando anabolizantes;

         Usar de falsidade, manipulação ou de recursos obscuros para tratar com os outros;

         Buscar promoções no trabalho ou outros lugares por meios ilícitos;

         Ser avisado de algo que precisa mudar na vida, como por exemplo, não falar mal das pessoas, mas deixar por isso mesmo;

         Ouvir um sermão sobre mundanismo na igreja e não se importar;

         Fazer sermão sobre mundanismo, mas não dizer o que é mundanismo, de modo que ninguém entende o que a pessoa queria dizer;

         Vestir-se de modo inadequado, seja na igreja, seja em qualquer outro lugar, já conhecendo os princípios orientadores;

         Não seguir o “está escrito” nas o “eu acho” ou o “eu gosto assim” ou o “eu quero assim”;

         Levar um estilo de vida não condizente com a fé;

         Ser tolerante com a invasão de mundanismo no lar e na igreja;

         Levar outros ao mesmo caminho, da liberalidade nas questões da fé;

         Tomar a ideia de outro como se fosse sua (muito comum);

         Falar gracinhas e baixaria (não quer dizer que não possamos ter humor e alegria, devemos ter essas coisas);

         Provocar brigas e dissensões, onde quer que seja;

         Comportar-se mal dentro da igreja, falando alto, rindo, fazendo barulho;

         Furtar e roubar;

         Concentrar atenção em si.

Como dissemos, essa é apenas uma lista que serve para exemplo, mas ela poderá ser bem grande. Fica aí para que o assunto não se torne tão abstrato.

 

  1. Terça: Entristecendo o ESPÍRITO SANTO: parte 2

O que preconiza no trecho bíblico de Efésios 4:25-5:2 é, em síntese, uma mudança de atitude no falar e no proceder, sendo benignos e perdoadores. Temos que falar sempre a verdade com amor, ou seja, há maneiras de se dizer o que o outro não quer ouvir. Devemos também obter nosso sustento com trabalho honesto e com esforço, isso nos resultará em bênçãos tais que poderemos ajudar a necessitados com o que obtivemos. Em nosso relacionamento com os demais, ser bondosos e tolerantes bem como dispostos a ouvir o outro lado e considerar o que todos dizem. Não devemos formar juízo imediato, tendo apenas uma versão.

Certa vez, um ancião, convocou, por exemplo, a comissão dos anciãos, e depois, o pastor a comissão da igreja. Nem um nem outro foi falar com a pessoa, com a vítima, a que estava sendo julgada. Aliás, na primeira convocação não havia pauta. Na segunda, a vítima nem foi notificada, embora fizesse parte da comissão. Tais atitudes, na igreja, entristecem o ESPÍRITO SANTO. Arbitrariedades na igreja a enfraquecem e criam fofocas, calúnias, mal entendidos, preconceitos, animosidades, prejuízos à imagem de pessoas, mágoas e divisões desnecessárias.

Paulo preocupa-se em que os cristãos se esforcem por manter a unidade na igreja. Isto requer um bom e sábio relacionamento em paz uns com os outros. Requer especialmente sabedoria espiritual da parte dos líderes da igreja, e não que sigam o “eu acho”.

“A unidade no lar, a unidade na igreja, revelam mais a maneira e a graça de Cristo do que sermões e argumentos. … Está a verdade, a verdade avançada que recebemos, produzindo em nosso coração os frutos da paciência, da fé, da esperança e caridade, e deixando assim sua salvadora influência no espírito humano, revelando que somos varas da Videira verdadeira porque produzimos viçosos cachos?” (Evangelismo, 342-343).

 

  1. Quarta: Apagando o ESPÍRITO SANTO

Que lição mais preocupante. Ela nos está levando cada vez mais perto do pecado contra o ESPÍRITO SANTO. É de se estudar bem para evitar esse caminho, que aliás, muitos estão, perigosamente, trilhando. Apagar o ESPÍRITO é, conforme I Tessalonicenses 5:19 a 21, conforme a lição. Nos versos 19 e 20 diz: “Não apagueis o ESPÍRITO. Não desprezeis profecias.” Parecem ser afirmações, a primeira vista, sem vínculo uma com a outra. Mas, como o escritor da lição e os revisores viram conexão, seguiremos por essa via, porque o vínculo existe. Ela dá, no caso, a entender que pode-se apagar o ESPÍRITO desprezando as profecias. E faz sentido, pois o ESPÍRITO SANTO nos ensina as profecias, esclarece, ilumina, etc., para que as entendamos, e, se contudo, nós não aceitarmos as profecias, aos poucos, parece lógico, nos desviaremos do caminho da salvação. Logo, por essa prática, estaremos desprezando também o ESPÍRITO SANTO. O tempo vai passando, e o ESPÍRITO SANTO, em nossa vida, Ele que é comparado a luz, ao fogo, à lâmpada, vai apagando em nós. Isso é o mesmo que dizer que Ele estaria morrendo em nós (sabemos que o ESPÍRITO SANTO não morre, mas nesse caso, deixa de atuar), e perdemos Sua influência. Assim, evidentemente, estaremos no perigoso caminho que conduz ao pecado contra o ESPÍRITO SANTO.

Ellen G. White orienta noutro sentido, que tenhamos mais comunhão e unidade entre  nós. É unidos que poderemos estudar as profecias, entendê-las melhor e crescer no poder do ESPÍRITO SANTO.

“Notai a oração de Cristo: “Para que todos sejam um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste.” João 17:21. A unidade da igreja é a prova convincente de que Deus enviou Jesus ao mundo para o salvar; um argumento que os ímpios não poderão controverter. É por isso que Satanás se esforça continuamente por prevenir esta união e harmonia entre os crentes, a fim de os descrentes, observando essa apostasia, essa dissensão e essa contenda que reina entre os cristãos professos, aborrecerem a religião e serem confirmados na sua impenitência. Deus é desonrado pelos que, professando a verdade, alimentam entre si divergências e discórdias. Satanás é o grande acusador dos irmãos, e todos os que assim procedem se acham alistados ao seu serviço” (2 Testemunhos Seletos, 263).

 

  1. Quinta: A blasfêmia contra o ESPÍRITO SANTO

Hoje chegamos ao ponto onde nunca deveremos chegar: o pecado contra o ESPÍRITO SANTO. É o pecado sem retorno, que, quando se cai nele, nunca mais é perdoado, se está perdido para sempre.

Mas, cautela, não se comete o pecado contra o ESPÍRITO SANTO de um momento para outro, e daí, feito, perdido eternamente. Jamais acontece assim; leva um tempo, é um processo gradativo, do qual dá para retornar se não tiver chegado ao ponto extremo. Antes de ser um pecado, é uma blasfêmia. Tem a ver com rejeição ou resistência ao trabalho do ESPÍRITO SANTO, isso por um tempo. Na trajetória em direção a esse pecado ou blasfêmia, o ESPÍRITO SANTO age muito intensamente para evitar que a pessoa chegue a ponto extremo. Ela terá que resistir muito.

Resumindo, o que é afinal esse tipo de situação, na qual, quando se chega ao ponto de ruptura, ou o limite, jamais dali se retorna?

Simples de explicar e de entender. Muito simples e claro.

JESUS realiza uma obra salvadora por nós. Essa obra envolve o perdão de nossos pecados, parte essencial para sermos salvos. O perdão é necessário para que sejamos limpos de nossos pecados. Não há como se salvar com pecados, só sem eles.

É evidente, só vai haver perdão se nosso desejo for de abandonar nossos pecados. É aí que entra o ESPÍRITO SANTO. Ele trabalha, todos os dias, pela nossa santificação, isto é, pela nossa separação dos pecados que nos controlam.

Se pecar leva a separar de DEUS, santificar leva a separar dos pecados.

Mas devemos querer, isso só nós podemos fazer, deixar os tais pecados. Se não for de nossa vontade deixá-los, o ESPÍRITO SANTO irá nos alertar ou notificar, por diversos meios (por exemplo, por sermões, leituras, vídeos, sonhos, conversas, etc.) para que queiramos que Ele nos transforme com relação aquele pecado. Porém, se a resistência durar muito tempo, nós é que vamos endurecendo nosso coração, e nos tornamos, digamos assim, imunes aos apelos do ESPÍRITO SANTO. Nesse ponto, ou já cometemos esse pecado, isto é, já blasfemamos contra Ele (zombamos dEle, nos colocamos no lugar dEle, decidimos ao contrário da salvação, etc.), ou estamos muito próximos dessa situação fatal. Quanto mais próximos do ponto fatal, menor é o desejo do perdão para aquele ou aqueles pecados.

E quando é que chegamos ao ponto fatal? Quando perdemos completamente a noção da necessidade de perdão para aquele pecado, ou pecados. Endurecemos a tal ponto nossa mente que jamais mudaremos de ideia.

Então veja bem a que conclusão impressionante chegamos. Não é DEUS, não é JESUS e não é o ESPÍRITO SANTO que não querem perdoar. É a pessoa que não quer, em definitivo, o perdão, não acha necessário, e se tornou fria e indiferente nesse sentido. Logo, a impossibilidade do perdão não está na parte de quem perdoa, mas de quem necessita do perdão. Não quer e pronto; endureceu-se tanto que nunca mais vai querer. Se acontecer o milagre dela um dia querer outra vez o perdão, tudo resolvido, mas, a desgraça e o problema é que tem que voltar a querer perdão de algo que ela acha desnecessário.

Logo, resumindo, a pessoa não acha aquele pecado algo que necessite ser perdoado, e não quer mudar em relação a isso. Logo, fazer o quê?

Não existe a possibilidade de alguém fazer alguma coisa que não possa ser perdoado. Porque não é esse ou aquele pecado que não pode ser perdoado, não é isso. É algum pecado qualquer; pode ser até pequena coisa segundo nossa classificação, porém, essa pequena coisa a pessoa simplesmente não admite deixar de praticar. Por isso, ao longo do tempo, ela a si mesma se impressiona como aquele pecado sendo apenas algo inocente. Mesmo sabendo ser pecado, tendo sido avisada por muitas maneiras, em todas as ocasiões ela disse que não quer ou que não necessita do perdão. Com muitos desses ‘nãos’ ela se torna resistente aos apelos, e já não se importa mais com eles. “Ninguém precisa considerar o pecado contra o Espírito Santo como coisa misteriosa e indefinível. O pecado contra o Espírito Santo é o pecado de persistente recusa de atender aos convites para arrependimento” (E Recebereis Poder, MM, 1999, 35).

Exemplos de casos de pecado ou blasfêmia contra o ESPÍRITO SANTO.

Caim; todos os antediluvianos nos dias de Noé, menos ele e sua família; Ninrode; grande parte dos israelitas que morreram no deserto; o rei Saul; Ananias e Safira; aqueles que condenaram JESUS à cruz e os que zombaram dEle, perseguidores da igreja ao longo dos tempos, etc. Todos esses resistiram aos apelos do ESPÍRITO SANTO.

Nos dias de hoje, muitos pecadinhos, considerados insignificantes, mas dos quais a pessoa não se arrepende, e ao longo do tempo se agrada cada vez mais deles, levarão essas pessoas a não mais querer perdão. “A mais comum manifestação do pecado contra o Espírito Santo [mas não a única], é o desprezar persistentemente o convite do Céu para se arrepender. Todo passo na rejeição de Cristo é um passo no sentido de rejeitar a salvação, e para o pecado contra o Espírito Santo” (Maravilhosa Graça, MM 1974, 213).

Há ainda outros casos para esse tipo de situação. Pessoas que, conhecendo a verdade, assim mesmo combatem a igreja e a prejudicam. Pessoas que prejudicam a salvação de outras pessoas, por diversas maneiras. As que levam pessoas à perdição, mesmo sendo da igreja de CRISTO, por mau exemplo ou por ensinamentos flagrantemente errados. Os liberais que permitem a igreja a ser mundanizada, e assim muitos se perdem e se perderão. Aqueles que nem acreditam mais no ESPÍRITO SANTO como um Ser divino. E assim vai, as possibilidades de combater, de negar, de resistir o ESPÍRITO SANTO são vastas. Mas nenhum ser humano cairá na situação fatal sem antes ser bem alertada. Ela precisa rejeitar apelos por um bom tempo, até que endureça sua mente e não queira mais se submeter à mudança necessária, efetuada pelo ESPÍRITO SANTO.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal (anterior foco, porém, com o cuidado de fazer uma ligação entre os assuntos diários, sempre que possível)

Se uma pessoa tem medo de ter cometido o pecado contra o ESPÍRITO SANTO, é porque não cometeu. Se ela se preocupa com isso, ainda está tudo bem. Quando uma pessoa comete esse tipo de pecado, ou melhor, quando ela cria, ao longo de algum tempo, uma desconsideração para com a importância do perdão, ela perde o medo de se perder. Aos poucos sente-se à vontade com seus pecados. Não sente desejo algum de perdão. Rechaça apelos, admoestações e conselhos. Torna-se autodeterminada quanto à condução de seu futuro. Não precisa de ninguém, nem dos irmãos, nem da igreja e nem do ESPÍRITO SANTO. Vai se perdendo e, no entanto, se sente mais e mais garantida, confiante em si mesma, de que suas decisões estão corretas. Isso pode levar a uma situação extrema em que, descobrindo-se perdida, mesmo assim, por orgulho (como foi com Lúcifer, ainda no Céu), não volta mais atrás e não quer auxílio algum.

 

  1. Aplicação contextual e problematização (aplicações possíveis dos assuntos aos cristãos na atualidade e identificação dos problemas que enfrentamos e indicativos de solução)

Satanás tem milhares, ou melhor, milhões de atrativos para nos enredar no caminho para a situação fatal. Em geral são as chamadas pequenas coisas, que não damos importância, mas que, mesmo assim, são pecados. O salário de qualquer pecado, sendo um só e sendo algo insignificante, é a morte. O inimigo sabe disso e é por esses pecados que vai enlaçando as pessoas, fazendo com que elas resistam em deixar esses insignificantes pecados.

 

  1. Informe profético vinculado com a lição

“A cada hora quase três denúncias de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes foram registradas no país ao longo de 2014 pelo Disque 100, serviço gratuito de denúncia por telefone do governo federal. Esta segunda-feira (18/05/2015) marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. No ano passado, 24.575 queixas desses crimes foram recebidas pelo serviço de denúncia, sendo 19.165 referentes a abuso sexual e 5.410 de exploração sexual. Foi uma média de 67 notificações por dia, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.” Para ler mais, clique aqui.

Faz parte de contexto maior relacionado ao tempo do fim, em que Sodoma e Gomorra seriam replicados mundo afora.

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“Quando os apelos do Espírito Santo atingirem ao coração, nossa única segurança está em a eles responder sem tardar. Quando vier o chamado: “Vai trabalhar hoje na Minha vinha”, não recuseis o convite. “Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração.” Heb. 4:7. É perigoso postergar a obediência. Podeis nunca mais ouvir o convite” (Parábolas de JESUS, 281).

 

  1. Conclusão

“Nadabe e Abiú nunca teriam cometido aquele pecado fatal, se não se houvessem primeiramente em parte intoxicado pelo livre uso do vinho. Compreendiam que o mais cuidadoso e solene preparo era necessário antes de se apresentarem no santuário, onde era manifestada a presença divina; pela intemperança, porém, perderam a idoneidade para o seu santo ofício. A mente se lhes tornou confusa e embotadas as percepções morais, de modo que não podiam discernir a diferença entre o sagrado e o comum” (Patriarcas e Profetas, 361 e 362).

 

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico        

 

 

estudado e escrito entre  03  a  09/02/2017

corrigido por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

1 comment for “Lição 11 – Entristecendo e resistindo ao ESPÍRITO

  1. Aloncio
    Março 16, 2017 at 10:19 am

    Bom dia !!maranata..

    Preciso de uma ajudinha , o irmao pode esclarecer galatas 3 : 1 a 29 e galatas 4:1a 31
    preciso levar 2 feira dia 20/ 03 para a escola para esclarecer uma dulvida de um novo irmão na fé desde ja agradeço a ajuda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *