Lição 11 – Vivendo pela fé

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Primeiro Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: Provérbios

Lição 11 – Vivendo pela fé

Semana de  7 a 14 de março

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Quem teme ao homem cai em armadilhas, mas quem confia no Senhor está seguro (Prov. 29:25, NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

O que nos dá segurança em nossas escolhas? Como ter certeza nas decisões entre o certo e o errado? Em decisões delicadas, como evitar cometer erro grave?

Pois, como diz o verso da semana, “quem teme ao homem cai em armadilhas…”. Só quem confia no Senhor está seguro. Isso quer dizer que confiar em outros seres humanos, que são pecadores como nós, que também cometem falhas, nos levam a trilhar caminhos inseguros. Se uma pessoa tem probabilidade de falhar numa determinada decisão, e a outra também, o risco de cometer um erro aumenta. Se a outra pessoa tem conhecimento divino sobre aquele assunto, o risco de errar será menor. Se nos relacionamos com pessoas que mantém comunhão com DEUS, teremos companhia mais consistente, e erraremos menos. O importante aqui é que nos relacionemos com pessoas que conhecem a DEUS, sendo que nós também O devemos conhecer. Somos seres sociais, e devemos formar uma sociedade de pessoas santas.

“Os membros não demonstram ter o relacionamento vivo com Deus que deveriam, para poderem conquistar pessoas das trevas para a luz. Tornai boa a árvore, e os resultados serão bons frutos. A atuação do Espírito de Deus no coração é essencial para uma vida devota. Ele precisa ser recebido no coração daqueles que aceitam a verdade, e criar neles um coração puro, para que possam guardar os Seus mandamentos e ser praticantes de Sua Palavra” (Cuidado de DEUS, MM 1995, 335).

 

  1. Primeiro dia: Guardar a lei

Resumindo, o que os versos de Prov. 28:4, 7 e 9 estão dizendo? Que aqueles que não respeitam a lei de DEUS, aliaram-se com o inimigo, mas quem obedece, esse é sábio, e quem se recusa a ouvir a lei, até as suas orações são detestáveis. O que isso quer dizer? É bem simples entender. Em essência, a obediência à lei de DEUS resume-se a amar (I João 5:3). Ora, quem ama, certamente deve ser classificado como sábio, pois obedece a DEUS, e faz o bem aos seus semelhantes. A lei de DEUS leva a todos os que a obedecem a serem bons uns aos outros. Mas quem não ouve a lei, isto é, não obedece, alia-se com o inimigo, com os maus, e pratica a maldade; portanto, como as orações de alguém assim poderiam ser ouvidas?

Aí vem algumas questões: como alguém que não obedece a DEUS, isto é, que não ama, pode ser capaz de discernir entre o bem e o mal? O critério para essa distinção é a lei! Ser sábio é o mesmo que obedecer a lei. Foi assim que JESUS viveu: obedeceu o tempo todo, e por isso foi vencedor, tomou as decisões corretas sempre que era desafiado pelo inimigo e seus agentes.

“Deus a ninguém compele a amá-Lo e obedecer à Sua lei. Manifestou inexprimível amor ao homem no plano da redenção. Derramou os tesouros da Sua sabedoria e deu o mais precioso dom do Céu, para que fôssemos constrangidos a amá-Lo e a nos pôr em harmonia com Sua vontade. Se rejeitarmos tal amor, e não quisermos que governe sobre nós, estaremos forjando nossa própria ruína, e sofreremos perda eterna, afinal” (Conselhos Sobre Mordomia, 127).

 

  1. Segunda: Buscar o Senhor

Hoje deveremos fazer a relação entre a obediência à lei, isto é, à DEUS, e a comunhão com DEUS, isto é, andar com Ele. A lei vem de DEUS, é o resumo de Seu caráter. É a essência do que DEUS quer de nós. Tudo se resume no amor. Ele nos ama e quer que O amemos; quer também que todos se amem.

E o que faz a lei de DEUS? Já aprendemos sobre isso em lições anteriores. A lei tem dois objetivos: o primeiro é evitar que pequemos. Nisso a lei orienta sobre o que fazer, ou seja, como obedecer a DEUS. O segundo objetivo é condenar à morte quem desobedeceu e ao mesmo tempo, encaminhar ao Salvador para que procure socorro e retorne à vida.

Portanto, a lei mantém salvos os obedientes e condena os desobedientes, porém acena para eles com a oportunidade de se socorrerem com o Salvador. Assim está tudo devidamente integrado. E deve ser assim, pois DEUS, que é puro amor, e a lei que também é a fórmula do amor, não poderia simplesmente condenar sem alguma oportunidade; afinal, o amor sempre oferece essa oportunidade.

Até aqui foi uma recapitulação. No estudo de hoje focamos sobre andar com DEUS. Obedecendo a DEUS estaremos buscando-O, e fazendo a Sua vontade, entendendo como é essa vontade, e nos habilitando a uma vida de comunhão com o Criador. Tendo desobedecido, a lei nos condena, digamos, provisoriamente, pois ela mesma (ver Prov. 28:5) nos encaminha ao Salvador. Buscando o Senhor, o Salvador, estaremos nos enquadrando no ministério da reconciliação, como diz 2 Cor. 5:19: “…DEUS estava em CRISTO, reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.”

Então, resumindo, a obediência à lei é o mesmo que fazer a vontade de DEUS, que sempre se origina no amor, para que sejamos bem sucedidos em tudo, e que alcancemos a vida eterna e sejamos sempre felizes. Isso é buscar o Senhor e compreender o que Ele quer de nós.

 

  1. Terça: Palavras para o rico

Uma orientação para todas as pessoas, especialmente para aquelas que desejam adquirir bens e enriquecer. Não há nada errado em trabalhar e se dar bem na vida, ficar rico. Não precisamos fazer voto de pobreza, e sim, devemos ser fiéis a DEUS. Imagina a bênção que seria para a igreja se a maioria de nós fôssemos muito ricos e fiéis! Pense, por exemplo, se tivéssemos irmãos donos de empresas como a Petrobras, como a Microsoft, etc., e esses irmãos fossem verdadeiros cristãos. Abraão foi um caso assim, mas há muitos outros casos na Bíblia. A igreja seria uma potência espiritual, muito embora DEUS não necessite do capital secular para concluir a Sua obra. Porém, Ele certamente faria bom uso do que tivéssemos para devolver.

A orientação acima referida é não desejar as coisas do mundo, em lugar delas, devemos amar a DEUS, conforme I João 2:15-17, versículos em sintonia com os escritos em Provérbios. Quando amamos a DEUS, e conseguimos ter riquezas disponíveis no mundo, embora devamos evitar as opções negativas do mundo, então estamos enriquecendo segundo o plano de DEUS. O nosso Criador por certo deseja que todos tenhamos bens, muitos bens. É só ler sobre como DEUS queria abençoar, e abençoava, Abraão, Isaque, Jacó, Davi, Salomão, etc. Para enriquecer não devemos explorar os pobres, como fazem alguns advogados conforme se pôde ver numa denúncia. Eles ficavam com parte maior que lhes cabia ao encaminhar aposentadoria de gente pobre. Em vez de explorar, devemos dar aos pobres (Deut. 24:10-22), conforme eles necessitam, e principalmente orientá-los para que saiam da pobreza.

Para enriquecer devemos esquecer das loterias e jogos. É preciso trabalhar muito, mas não tanto que venha a prejudicar a vida espiritual e a familiar, nem nossa saúde. Podemos sim, trabalhar com inteligência. Por exemplo, Bill Gates tem uma empresa que produz software, e uma vez produzido um bom programa de computador, é só replicar e ir vendendo enquanto aparecerem interessados. Isso assim gera muito dinheiro, e não é uma coisa errada, é trabalhar com a mente e com a inteligência. Nossos jovens adventistas deveriam muito mais interessar-se na produção mental de soluções para a sociedade que no trabalho braçal, hoje pouco valorizado. Sim, é bom não esquecer da saúde, não só ficar sentado atrás de um computador. Não esquecer de manter a saúde por meio de exercícios.

 

  1. Quarta: Manual para os pobres

Os pobres são pessoas fragilizadas. Facilmente se acham em situação de necessidade, carecendo da ajuda de alguém. Ficando doentes, muitas vezes não conseguem pagar o tratamento. No casamento da filha ou do filho, não tem dinheiro para uma festa bonita. O automóvel que usam, por ser velho e mal mantido, a qualquer momento falha, ou pode causar um acidente. Certa família de pessoas pobres estava até se divertindo por causa de uma dificuldade imensa que passaram num passeio de carro a parentes, em outra cidade. O carro era velho, e na volta, à noite, deixou de funcionar. Foi uma dificuldade até que acharam um mecânico que se dispusesse, quase de graça, a fazer um conserto provisório (que se tornaria definitivo até que estragasse outra vez), para que voltassem. Retornaram no outro dia, à tarde. Eles contavam a saga, e até se divertiam, como se isso fosse normal. Enfim, é normal para eles: uma vida dura à qual já se acostumaram.

Na lição de hoje encontramos algumas orientações aos pobres. Em primeiro lugar, segundo Prov. 29:13, eles, como os ricos, todos vieram de DEUS, por meio de Adão e Eva, ou mais tarde, por meio de algum dos três casais descendentes de Noé e sua esposa. Portanto, todos somos irmãos, e a riqueza não faz diferença quanto a nossa origem. E se somos todos irmãos, então é como diz em Prov. 28:3, quem é pobre não deve explorar outro pobre. Aliás, biblicamente falando, ninguém pode explorar outro ser humano, seja rico ou seja pobre. E sim, devemos todos ser íntegros, servos dedicados aos nossos semelhantes. Essa é a orientação de Prov. 28:6.

Os pobres não têm recursos suficientes para adquirir o necessário para uma vida normal. Eles recebem entre um dólar e dois dólares por dia, por pessoa. Com isso precisam viver. E ser miserável é não ter recursos nem mesmo para aquisição de alimento. Passa fome ou precisa viver de favor de outros. Há no mundo em torno de 850 milhões de pobres e miseráveis somados, sendo que mais ou menos a metade disso são miseráveis. A ONU, na Assembleia do Milênio, havia estipulado no ano 2000 um prazo para até 2015 erradicar a miséria do mundo. Na prática, ela continuou aumentando, e os ricos ficaram ainda mais ricos. Na verdade, somos um planeta de pessoas quase pobres. Em média, se a renda fosse dividida equitativamente a todos os habitantes da Terra, cada um receberia em torno de 27 dólares por dia, ou, um salário mensal equivalente a 2.240 reais por mês, incluindo as crianças (PIB mundial de 71,9 trilhões de dólares em 2013). Todos estariam acima da linha da pobreza, mas não haveria super ricos para fazer investimentos. Por exemplo, uma família de 4 pessoas, receberia por mês mais de 8 mil reais; dá para viver bem. Mas em relação ao poder atual dos bem ricos, isso é pouco dinheiro, assim como em relação a pobreza, até é muito dinheiro. O mundo não é justo para com os seus habitantes, há insuficiente riqueza por aqui para todos, muito mais, se ela é repartida de forma injusta. JESUS já alertou que “os pobres sempre os tendes convosco” (João 12:8), ou seja, até o fim haveria gente sofrendo por falta de recursos. Pois, se existem os pobres, devem ser acudidos, nunca explorados, nem pelos ricos, nem por outros pobres.

 

  1. Quinta: Amar a verdade

Por que muitos se perderão? Qual a razão da maioria das pessoas perder a vida eterna, e não ser salva? Conforme 2 Tess 2:10, se perdem porque “não acolheram o amor da verdade para serem salvos.” Isto quer dizer, simplesmente não se interessaram em serem salvos. Por certo o amor às coisas do presente século foi maior.

Vamos a um exemplo. Talvez estejamos amando mais algumas coisas que até são lícitas, em que não há pecado algum que as tenhamos. Talvez estejamos amando mais a nossa casa que a DEUS, ou os maridos amem mais a sua esposa que a DEUS, como fez Adão diante do fruto que Eva lhe oferecia. Talvez estejam os pais amando mais os filhos que a DEUS.

E o que tem de problemático nisso? Quando colocamos outros focos em lugar de DEUS, ocorrem pelo menos duas consequências. A primeira é que, DEUS ficando em segundo plano em relação ao nosso amor, até mesmo aqueles que amamos mais que Ele, com o tempo, estaremos amando menos do que se amássemos mais a DEUS. Em outras palavras, amando a DEUS acima de todas as coisas, estaremos também amando as pessoas, mais que se não amássemos tanto a DEUS. Ou seja, o amor a DEUS faz com que esse amor aos outros seja mais poderoso em todas as situações.

Em segundo lugar, amar a DEUS significa comunhão com Ele, aprendizagem, experiência, aquisição de sabedoria. Isso leva a termos uma vida superior, mais coerente com os bons princípios, e nisso estaremos levando vantagem espiritual.

Também a lição hoje se refere a punição, que eventualmente se torna necessária. Por vezes é preciso chamar a atenção da pessoa de maneira mais contundente, ou ela continuará se perdendo. Melhor é que nós façamos uma punição do que ela mesma, no futuro, se envolva em algo que a punirá de maneira mais intensa. Por exemplo, tive um colega que era fumante. Fumava muito, por décadas. Era aconselhado a deixar, mas levou tempo para tomar a decisão. Um dia ele de fato deixou de fumar. Porém, cinco anos depois, contraiu câncer de pulmão, e faleceu. Faltou uma punição em tempo, ou ele tomar a decisão em tempo. Faltou quem sabe uma punição mais forte da parte da esposa ou dos filhos. Quando ele mesmo se acarretou sua punição, foi tarde.

Nossos filhos, quem os tiver, ou os netos, que são tenros, e muito expostos a provações desse mundo tenebroso, por vezes precisam de punição, para conhecerem os limites. Aumenta o número de pais que não sabem impor limites. Tivemos uma única filha, e não usávamos a vara, a não ser duas vezes na vida dela, e isso só como ameaça. Porém, tivemos muita conversa e também os cultos domésticos. Dialogávamos sobre os assuntos importantes, e ela foi aprendendo e ganhando capacidade de por si mesma tomar as decisões adequadas. A tal ponto chegou a confiança dela nos pais, que perguntava a nós sobre muitos assuntos, pedindo instruções. Simplesmente seguimos as orientações de Ellen G. White, e isso deu certo. Hoje ela é uma mulher casada, excelente profissional e bem centrada.

Nós, adventistas, não temos desculpa em assunto algum, de errar. Temos todas as orientações, temos o ESPÍRITO SANTO, podemos orar, temos milhares de pastores e outros profissionais que podem dar bons conselhos, temos boas publicações, e muitas coisas mais. Aqueles de nós que se perderem, é porque “não acolheram o amor da verdade”, isto é, aprenderam sobre a verdade, mas não a puseram em prática.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

O foco principal desta semana é DEUS em sabedoria e inteligência. Ele estabeleceu um código legal que vem dessa capacidade, e esse código tem por principal objetivo a vida em perfeição dos seres criados. Isso quer dizer que as criaturas viverão eternamente, e sempre felizes, e jamais se preocuparão com o mal.

Diferente, por exemplo, do Brasil, onde as leis em grande parte fazem com que o crime compense, especialmente na formação dos menores de idade, favorecendo que sejam infratores, e não se preocupem com princípios de vida. DEUS é o todo capaz e o completamente interessado em que estejamos sempre bem.

  • Quais os tópicos relevantes?

Portanto, conforme acima, seguir a lei de DEUS é escolher o caminho da perfeição, da felicidade e da vida eterna. Isso é ser sábio, como DEUS é sábio. Isso é alinhamento (ou comunhão) com o plano de vida de DEUS. Ele é perfeito e nos propõe a perfeição.

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Que DEUS e a Sua lei são perfeitos. Ora, poderia existir algo superior ao amor? Como é bom ser amado e amar os outros! Como o ambiente em que todos se amam é agradável! Será que alguém poderia inventar algo melhor, superior ao amor? É possível?

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Se DEUS é tão bom, se o amor é bom como DEUS, por que não obedecê-Lo? Se a obediência a DEUS dá vida perfeita e feliz, por que não estar com Ele e fazer a Sua vontade?

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“Os Dez Mandamentos procedem do Deus do Céu, cujo coração é cheio de amor, que é infinito em sabedoria, que jamais erra. … A bênção seguirá os que obedecem à lei do Senhor, e a ministram. … A felicidade e a tranquilidade dos pais e dos filhos nesta vida, e seu máximo bem, serão produzidos por andar nos caminhos de Seus preceitos; pois assim fazendo estão em harmonia com o Deus do Céu” (Nossa Alta Vocação, MM 1962, 260).

 

  1. Conclusão geral

A Bíblia contém as instruções diretas de DEUS, por meio dos profetas escritores, para que tenhamos vida eterna em perfeita felicidade. DEUS é bom e é capaz de garantir a perfeição a todos, para sempre.

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p(Apoc. 15, 16) Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªpArmagedom Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!

 

 

estudado e escrito entre  29/01 e 05/02/2015

revisado por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

 

2 comments for “Lição 11 – Vivendo pela fé

  1. Alex
    Março 10, 2015 at 10:45 pm

    Obrigado Sikberto pelos seus comentários da Lição. Venho lendo já a alguns anos como complemento da lição. Já o conheci pessoalmente aqui em Lages – SC.
    Seria bom se você viesse novamente para cá. Um grande abraço e que o Senhor te Abençoe e lhe dê muita sabedoria para continuar com os comentários e outros assuntos.

    • Sikberto Marks
      Abril 28, 2015 at 9:21 pm

      POis, Alex, lembro de ter ido lá com vocês. Mas agora parei com as viagens, cansei muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *