Lição 12 – A obra do ESPÍRITO SANTO

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Primeiro Trimestre de 2017

Tema geral do trimestre: O ESPÍRITO SANTO e a espiritualidade

Lição 12 – A obra do ESPÍRITO SANTO

Semana de 18 a 25 de março

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar:Que o DEUS da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nEle, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do ESPÍRITO SANTO” (Rom. 15:13, NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

Nesta semana, a última do trimestre, estudaremos o ESPÍRITO SANTO como professor, ou melhor, educador – esse que leva seus alunos (discípulos), de um estado pecaminoso a outro estado, de santidade.

O verso acima resume o assunto em quatro pontos:

  • O DEUS da esperança nos enche de toda alegria e paz. Isto quer dizer que a esperança nossa está em DEUS, ela vem dEle. Por ser Ele nossa esperança (suas promessas) nos alegramos quanto ao futuro prometido.
  • Por sua confiança nEle, ou seja, confiamos nesse DEUS. E como não confiar nEle, depois da história ter-se desenrolado e ter demonstrado a Sua natureza de santidade de puro amor por nós!
  • Para que vocês transbordem de esperança. Isto é, se confiamos em DEUS, de onde vem a esperança, Ele nos encherá dela para que, alegres e em paz, em meio a um mundo caótico, possamos olhar para um futuro eterno promissor.
  • Pelo poder do ESPÍRITO SANTO. Quer dizer, é Este que nos guiará pelos caminhos da vitória eterna, da santificação ou da transformação de vida.

A função do ESPÍRITO SANTO é ajudar-nos no dia a dia de nossa vida. Ele não decide por nós, jamais; porém, Ele nos orienta quanto ao que fazer, dizer, ler, evitar, nos envolver ou não nos envolver, distinguir o que é pecado e o que é lícito, e assim por diante. Ele está em nosso meio para convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo, porém, poucos aceitarão. Daí já não é culpa dEle, mas do mau uso do livre arbítrio que cada um recebeu.

 

  1. Primeiro dia: Convencer do pecado

“E, quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo” (João 16:8).

“E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?” (Mateus 7:3).

“Portanto, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo” (Romanos 2:1).

São esses os três versos do estudo de hoje. Eles nos ensinam algumas coisas importantes. Vamos primeiro listar o que nos ensinam.

  • É o ESPÍRITO SANTO quem convence as pessoas do pecado, mais ninguém.
  • Nós, seres humanos, costumamos reparar nos pecados dos outros. A pergunta é: por que reparamos no argueiro do nosso irmão, mas não percebemos a trave em nosso próprio olho? Argueiro é um minúsculo e quase imperceptível cisco. Trave é um pedaço de madeira, uma viga bem grande. Aqui diz que esse é um mau hábito, que não devemos praticar. Isso não quer dizer que devamos ser indiferentes aos problemas e pecados dos irmãos, mas o verso seguinte explica.
  • Seremos condenados naquilo que julgamos os outros, pois praticamos os mesmos tipos de pecados.

Interpretando os versos. Não somos nós que devemos ficar atentos aos pecados dos irmãos para condená-los, isso é função do ESPÍRITO SANTO. Não significa que devamos simplesmente desconhecer os erros que os outros cometem, não é isso. No caso, vendo algum erro, devemos pedir que o ESPÍRITO SANTO, se for Sua vontade, nos utilize como instrumento de cura. Talvez sejamos escolhidos para ajudar o irmão a superar o problema.

O que não devemos e não podemos fazer é julgar quem quer que seja. Julgamento é para DEUS, aliás, JESUS está nesse momento no lugar santíssimo do santuário celestial julgando. Portanto, não devemos dizer assim, esse irmão está perdido porque roubou. Não nos compete isso, é julgar e condenar. O que nos compete é ajudar a superar sua deficiência, isso sim.

Sendo dessa forma, devemos ter muito cuidado nas reuniões de comissão da igreja e da assembleia ao tratar de casos de falhas dos irmãos. Há muito amadorismo nesses momentos. É inadmissível a prática de reunião para tratar do caso de algum membro sem que ele esteja lá para se defender ou se explicar. Essa prática deveria desaparecer de nosso meio, dessa lição de hoje, daqui para frente. Nem nós individualmente, nem a comissão da igreja e nem a igreja podem julgar e condenar, só o ESPÍRITO SANTO. Somos apenas instrumentos para salvar.

Alguns trechos extraídos do Espírito de Profecia, em que partes foram negritadas, servem para reflexão e aprofundamento seguro sobre esse delicado assunto.

“Diz o divino Mestre: “Somente o Meu Espírito é capaz de ensinar e convencer do pecado. As aparências fazem na mente impressão apenas passageira. Eu incutirei a verdade na consciência, e os homens Me serão testemunhas, sustentando em todo o mundo as Minhas reivindicações sobre o tempo, o dinheiro e o intelecto do homem”” (Testemunhos Seletos, vol. 3, 159).

“Aquele a quem Cristo perdoa, faz Ele primeiro penitente, e é função do Espírito Santo convencer do pecado. Aquele cujo coração foi movido pela convicção comunicada pelo Espírito de Deus, vê que em si mesmo nenhum bem existe. Vê que tudo que já fez está misturado com o próprio eu e o pecado. Como o pobre publicano, fica a distância, não ousando erguer os olhos ao céu, e clamam: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” Luc. 18:13. Essas pessoas são abençoadas. Há perdão para o penitente, pois Cristo é “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. João 1:29” (O Maior Discurso de CRISTO, 8).

As Escrituras são o grande veículo na transformação do caráter. Cristo orou: “Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade.” João 17:17. Estudada e obedecida, a Palavra de Deus atua no coração, subjugando todo atributo não santificado. O Espírito Santo vem para convencer do pecado, e a fé que brota no coração opera por amor a Cristo, conformando-nos em corpo, alma e espírito à Sua própria imagem. Então Deus pode usar-nos para fazer Sua vontade” (Parábolas de Jesus, 97 e 100).

“O Espírito Santo deve ser o instrumento vivo para convencer do pecado. O agente divino apresenta ao orador os benefícios do sacrifício feito na cruz; e ao ser a verdade posta em contato com as almas presentes, ganha-as Cristo para Si mesmo e opera para lhes transformar a natureza. Ele está pronto para nos ajudar nas fraquezas, para nos ensinar, dirigir e inspirar com ideias de origem celestial” (E Recebereis Poder, MM 1999, 167).

“O Espírito Santo não age no coração humano para compelir-vos a vos entregardes a Cristo, para obrigar-vos a submeter vossa consciência, mas fulgura nos recessos da mente de modo a convencer do pecado e atrair-vos para a justiça. Se não confessardes a Cristo agora, chegará o tempo em que, dominados pelo senso das grandes coisas que perdestes, fareis confissão. Por que, porém, não confessar a Cristo agora, enquanto a voz da misericórdia vos convida?” (E Recebereis Poder, MM 1999, 300).

Resumindo o que lemos nesses trechos, podemos dizer que resta o seguinte:

  • Só o ESPÍRITO SANTO está aqui para convencer do pecado.
  • Ele nada impõe, mas atrai para a justiça, convencendo-nos que somos pecadores.
  • Ajuda-nos nas fraquezas por meio de ensinamentos, dirigindo nossa vida (não por imposição) e inspirando ideias de origem celestial.
  • Nós, assim, percebemos que valemos nada, não há em nós bem algum, carecemos do Salvador, e o ESPÍRITO nos ajuda a ir até Ele.
  • Somos transformados (isto é, mudança da natureza de pecado para a natureza santa) por meio da Bíblia, pelo que está escrito nela, se atentarmos para sua mensagem.
  • Então, finalmente, DEUS nos utilizará para fazer a Sua vontade. Esse utilizará não ocorrerá somente depois de sermos bastante transformados, mas, desde o início da caminhada com JESUS. É trabalhando para Ele que mais intensamente somos, nós mesmos, transformados.

Então, em síntese, o que aprendemos hoje? Que o ESPÍRITO SANTO é que trata da questão dos nossos pecados e que nós devemos apenas servir de instrumentos dEle para ajudar as pessoas a superarem suas deficiências. O que não nos compete fazer é julgar as pessoas, isto é, emitir parecer se elas se salvam assim ou se se perdem.

 

  1. Segunda: Necessidade de justiça

Hoje estudamos sobre a verdadeira justiça, a de DEUS. Ele classifica a justiça dos homens como trapos de imundícia, ou seja, na realidade não há justiça aqui, nem pode haver; impossível.

O que é a justiça dos homens e o que é a de DEUS? Vejamos a dos homens.

Os homens elaboram leis que devem ser obedecidas. Se, por exemplo, uma pessoa assalta um domicílio para roubar e acaba matando um casal, serão presos (se possível) e julgados. A pena varia de um país a outro. No Brasil ninguém fica preso por mais de 30 anos, e muitas vezes, nem isso. Há pena perpétua, há pena de morte, há trabalhos forçados, há solitária por semanas, meses e décadas, ou para sempre, há celas despojadas de quase tudo, há os riscos inerentes ao presidiário. Isso no mundo afora.

Digamos que o assaltante foi preso e levado a julgamento. Vamos supor que a pena seja perpétua, vai morrer no cárcere. Digamos ainda que possa receber uma visita por mês, durante duas horas. Não tem acesso a televisão nem celular. Alimento, só o da cadeia, que é bem simples, mas nutritivo. Se adoecer, terá assistência médica pública, sem prioridades. Em resumo, é isso, nesse caso.

Isso é justiça?

Agora analisemos outra situação, bem diferente.

Ocorreu um pecado original, e dele, os descendentes assumiram a natureza pecadora. Todos estão condenados a pena de morte, isso após sofrer toda a vida lutando pelo sustento.

Então vem o Filho de DEUS, segundo um plano pré-estabelecido, vive como ser humano entre nós, e é morto. Mas Sua morte é um tanto diferente, não é algo tão simples. Antes de ser morto, foi tentado em tudo o que nós também somos, mas em nada falhou. Ele nunca pecou. Foi morto por nós, para nos salvar da pena de morte à qual somos merecedores. Assim, quem deseja, e aceitar JESUS, pode outra vez viver eternamente, em perfeição.

Isso é justiça?

Que diferença há entre as duas justiças?

A primeira, a dos homens, não resolve nada. Somente piora a situação. Por essa justiça, aquele casal nunca mais ressuscita. Quem matou, ficando preso a vida toda, não muda nada nos atos que ele fez, apenas sofre por eles, mais nada. Nem ele tem mudada sua tendência de roubar e matar, fica tudo igual, ou pior.

A segunda justiça, a de DEUS, resolve a situação. A partir de um momento, tudo será recriado, não haverá mais pecado, não haverá mais o mal. Os mortos por causa do pecado, ressuscitarão e viverão eternamente (se tiverem em vida desejado o perdão, é evidente). Quem matou, ou roubou, pode receber perdão e também viver eternamente. Outro, JESUS, pagou por ele, e por todos nós.

Notou alguma diferença? A nossa justiça, aqui da Terra, serve para nada, trapo de imundícia. Isso, por mais elaboradas que sejam as leis e por mais rigorosa seja a fiscalização. Já na justiça divina, sem polícia, sem cadeia, sem condenação, quem aceitar JESUS, vai viver sob a lei do amor, que é perfeita, pela eternidade, feliz e bem realizado. A prática da vida celeste é a livre obediência, por que sabe que é perfeito e bom, pois a lei é o amor. JESUS, DEUS e o ESPÍRITO SANTO nos amam, o princípio da lei é o amor. Essa é a principal diferença.

Permitam mais uma pergunta. Algum juiz aqui na Terra é capaz de morrer por um criminoso, e ele, juiz, ressuscitar-se ainda e salvar a vida do criminoso, para que se torne homem de bem? Não, né! Então, que justiça é essa que temos aqui, que, por melhor que seja, o mundo vai de mal a pior? Quando, pela nossa justiça, resolveremos nossa situação caótica em que estamos entrando?

Precisamos da justiça divina, aquela que resolve para sempre.

 

  1. Terça: Convencer do Juízo

“E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado” (João 16:11).

Uma das importantes incumbências do ESPÍRITO SANTO é convencer o mundo do juízo. Esse verso, claramente não se refere ao juízo divino sobre as pessoas, por exemplo, ao que vem ocorrendo desde 1844. Refere-se ao julgamento de satanás. Para entender assim, basta ler o verso com calma, pois diz que se trata do juízo sobre o príncipe deste mundo. Ele foi julgado na cruz. A cruz foi um conjunto de eventos interligados. Nela, JESUS demonstrou Sua fidelidade aos mandamentos de DEUS, mas também nela, satanás demonstrou seu ódio contra JESUS e Seus seguidores. Em sua precipitação, ele acabou contribuindo de uma forma estranha com o cumprimento da profecia sobre a morte de JESUS, uma morte em favor do perdão às pessoas do mundo. Combatendo JESUS, ele mesmo se derrotou.

Quando JESUS, ao terceiro dia ressuscitou, derrotou a morte. Nesse ato, provou que não havia pecado antes de morrer, embora ainda carecesse da aprovação divina. Parece certo que JESUS nem teria ressuscitado se tivesse pecado. No livro de Apocalipse 5 e 6 está a descrição da solenidade, vista por João bem mais tarde, do recebimento de JESUS, como vencedor, digno de muitos louvores, de todo o Universo, e digno de abrir os sete selos do futuro da igreja que Ele agora poderia conduzir. Assim como Ele venceu, também a igreja vem vencendo e vencerá.

Pois bem, o assunto de hoje é centrado no julgamento e morte de JESUS, tudo injusto. Morreu por causa de nossos pecados, não dEle, pois não pecou. Ficou explícito ao Universo que satanás batalhava do lado errado, o lado dele mesmo. Lutava contra um homem fiel ao amor. Nessa batalha, que envolvia diretamente apenas dois personagens, JESUS e satanás, este saiu derrotado, e aquele foi declarado digno de abrir os selos, de conduzir seu povo até a Sua volta que é a abertura do sétimo selo.

É desse juízo que o ESPÍRITO SANTO está no mundo para convencer a todos. Ou seja, que existe um mau elemento, o demônio, derrotado, julgado e condenado, e que há duas escolhas: uma pelo vencedor, JESUS, outra, pelo derrotado, satanás. A pregação agora é para que o mundo faça a escolha certa, a que garante a vida eterna.

 

  1. Quarta: A certeza da salvação

O estudo de hoje não é aquilo que muitas igrejas dizem por aí: uma vez salvo, salvo para sempre. A certeza da salvação não é uma garantia de que esse ou aquele está salvo e que não se perde mais.

Essa é a certeza que podemos ter, quando estivermos no caminho da salvação, caminhando, digamos assim, com JESUS. Enquanto estivermos nesse caminho, de fato, estamos salvos, mas, só enquanto estivermos nesse caminho. Isso também não quer dizer que, estar nesse caminho, é o mesmo que não ter mais nenhuma tentação, nenhum pecado a deixar, nenhuma dificuldade. Essas coisas ruins estão sendo gradativamente vencidas, um problema após o outro. DEUS não exige de nós uma mudança radical em todos os sentidos, Ele, por meio do ESPÍRITO SANTO, vai nos santificando cada dia um pouco, numa medida que possamos suportar e vencer.

“A Certeza da Salvação Agora

“Pode dizer o pecador a perecer: “Sou um pecador perdido; mas Cristo veio buscar e salvar o que se havia perdido. Diz Ele: ‘Eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores.’ Mar. 2:17. Sou pecador, e Ele morreu na cruz do Calvário para me salvar. Nem um momento mais preciso ficar sem me salvar. Ele morreu, e ressurgiu para minha justificação, e me salvará agora. Aceito o perdão que prometeu.” – “Justificados Pela Fé”. (Um panfleto publicado em 1893), pág. 7. Reimpresso em Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 392.

“Aquele que se arrepende do seu pecado e aceita a dádiva da vida do Filho de Deus não pode ser vencido. Apossando-se pela fé da natureza divina, ele torna-se um filho de Deus. Ele ora, ele crê. Quando tentado e provado, reivindica o poder que Cristo morreu para dar, e vence por Sua graça. Todo pecador precisa compreender isto. Ele precisa arrepender-se do seu pecado, precisa crer no poder de Cristo e aceitar esse poder para salvá-lo e livrá-lo do pecado. Como devemos ser gratos pela dádiva do exemplo de Cristo!” (3 Mensagens Escolhidas, 356).

Em resumo, a certeza da salvação é ser influenciado pelo ESPÍRITO SANTO e aceitar Suas instruções. Esses casos, se permanecerem assim até o fim, estarão salvos, com certeza.

 

  1. Quinta: O ESPÍRITO SANTO e a esperança

Façamos uma abordagem prática. Como nos sentimos nesse mundo em que vivemos? Está tudo bem por aqui?

Apenas uma rápida e pequena lista da inconveniência de se viver por aqui.

  • A qualquer momento podemos descobrir uma doença grave, em nós, num amigo, numa pessoa íntima, etc.
  • Por acidente ou pela violência, podemos perder alguma pessoa íntima.
  • Podemos ser assaltados, roubados ou abusados.
  • Mulheres, crianças e idosos nesse mundo sofrem mais ameaças.
  • Há imoralidade, violência, falsidade e insegurança.
  • Muita mentira em quase tudo.

Se alguém não é afetado pelos males desse mundo, e se sente bem, e não vê necessidade de alguma mudança radical, é egoísta. Pelo fato de estar bem com ele, sabendo que uma multidão está sofrendo, não quer dizer que se omita. Hoje ouvi no noticiário que mais de 200 milhões de crianças e adolescentes sofrem em zonas de conflito. Isso é razoável?

Diante do cenário acima, bem resumido, temos a esperança de grande mudança no rumo do mundo. Veja bem o que diz em Romanos 5:4 e 5 e ainda no capítulo 15:13. A tribulação que temos que enfrentar aqui produz em nós perseverança, isto é, nos mantemos fiéis a DEUS, embora as dificuldades, e essa fidelidade, assim, é fortalecida. O enfrentamento das tribulações com DEUS, com perseverança, produz experiência, entendemos cada vez melhor a situação e as tendências proféticas se cumprindo. No conjunto disso tudo, aumenta em nós a esperança.

O que é esperança? É a certeza de que vai mudar para melhor, conforme prometido por DEUS. Há a promessa da salvação, da vida eterna, da perfeição, etc. Nossa esperança é de que essas promessas proféticas se cumpram, que DEUS seja fiel e realize o que prometeu. Tudo vai, não só melhorar, vai ficar perfeito, sem algo para modificar. Ou seja, sabemos que iremos sair desse mundo ameaçador e inconveniente para ir a um lugar, já preparado, em que não teremos preocupação de absolutamente nada. Essa é a nossa esperança. E podemos ter certeza disso pelo que DEUS já fez no passado, especialmente pelo que JESUS CRISTO fez por nós na cruz. Ali Ele demonstrou o Seu amor por nós, e o amor é o fundamento da esperança. Em outras palavras, pelo fato de nos amar, pelo fato também do amor ser o princípio inicial de tudo no governo de DEUS, não há como duvidar de que as profecias não se cumpram até o último ponto que Ele prometeu. A esperança é, em última instância, baseada no amor. DEUS é amor.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Tema transversal (anterior foco, porém, com o cuidado de fazer uma ligação entre os assuntos diários, sempre que possível)

O ESPÍRITO SANTO, também chamado ESPÍRITO de DEUS, ou ESPÍRITO de JESUS, foi nos dado como um dom, que faz por nós tudo o que for necessário para que sejamos salvos. Resumindo, o ESPÍRITO SANTO nos leva a ter um melhor relacionamento com JESUS, nosso Salvador.

 

  1. Aplicação contextual e problematização (aplicações possíveis dos assuntos aos cristãos na atualidade e identificação dos problemas que enfrentamos e indicativos de solução)

A salvação de qualquer ser humano é obra divina, especialmente do ESPÍRITO SANTO. Mas há um porém: nós devemos exercer corretamente o direito que temos ao livre arbítrio. Cabe-nos concordar em ser salvos. Por vezes, esse é o único problema, que levará muitos à perdição. Nem todos os que se perdem cometeram o pecado contra o ESPÍRITO SANTO. Porém, todos os que se perdem, será porque não deram valor à salvação.

 

  1. Informe profético vinculado com a lição

São tantas as notícias sobre fatos relacionados aos tempos do fim que devemos selecionar apenas uma ou outra. Uma notícia estarrecedora está relacionada com a crescente imoralidade nesses dias finais. A França resolveu autorizar filmes com sexo explícito para menores. Aliás, como se funcionasse algo proibido, mas que entra livremente nos lares e ninguém observa o que as crianças assistem na televisão ou pela internet, onde tem de tudo. Leia mais, vale a pena saber, até para cuidar de nossos adolescentes e jovens, e de nós mesmos, aqui.

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“Há muitos hoje em dia tão ignorantes da obra do Espírito Santo sobre o coração quanto o eram os crentes de Éfeso; não há entretanto verdade mais claramente ensinada na Palavra de Deus. Profetas e apóstolos têm-se demorado sobre este tema. Cristo mesmo chama nossa atenção para o crescimento do mundo vegetal, como uma ilustração da operação de Seu Espírito no suster a vida espiritual. A seiva da vinha, subindo da raiz, é difundida para os ramos, promovendo o crescimento e produzindo flores e frutos. Assim o poder vitalizante do Espírito Santo, que emana do Salvador, permeia a alma, renova os motivos e afeições e leva os próprios pensamentos à obediência da vontade de Deus, capacitando o que recebe a produzir os preciosos frutos de obras santas” (Atos dos Apóstolos, 284).

 

  1. Conclusão

“”Vós tendes a Palavra do Deus vivo, e pedindo, podereis possuir o dom do Espírito Santo para tornar essa Palavra um poder para os que creem e obedecem. A obra do Espírito Santo é guiar em toda a verdade. Quando dependerdes, de espírito, alma e coração, da palavra do Deus vivo, os condutos de comunicação estarão desobstruídos. O estudo profundo e sincero da Palavra, sob a guia do Espírito Santo, proporcionar-vos-á o fresco maná, e o mesmo Espírito tornará seu uso eficaz. O esforço feito pelos jovens a fim de disciplinar a mente em busca de elevados e santos ideais, será recompensado. Os que se esforçam perseverantemente neste sentido, aplicando a mente à tarefa de compreender a Palavra de Deus, acham-se habilitados a ser colaboradores de Deus” (Conselhos Sobre Educação, 149-150).

 

 

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico        

 

 

estudado e escrito entre    10  e 16/02/2017

corrigido por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

 

6 comments for “Lição 12 – A obra do ESPÍRITO SANTO

  1. Março 4, 2017 at 1:44 am

    Deus seja pela licao e voz abencoe

  2. Março 4, 2017 at 1:49 am

    Deus seja louvado pela licao e voz abencoe voz deia mais ideias

  3. João Nadoti Neto
    Março 17, 2017 at 11:52 am

    Bom Dia! Sr. Sikberto.
    Tenho certeza que o Senhor é inspirado pelo Espírito Santo, a visão que Ele lhe proporciona com comentários precisos e com uma espiritualidade e humildade, é que faz a diferença em vossos escrito que Deus lhe ilu mini ao Senhor é sua família. obrigado pelos comentários. Amém

  4. Eliane Inácio de Paula Passos
    Março 20, 2017 at 11:22 am

    Bom dia!
    Sr. Sikberto, faz mais de 10 anos que faço as lições da E.S. e estudo ós seus comentários, onde aprendo muito. Seus comentários são melhores do que dos pastores. Isso demonstra a diferença de uma pessoa que tem comunhão com Deus , pois o Santo Espírito inspira nas palavras certas e precisas.
    Agradeço a Deus por existir uma pessoa que dedica seus tempo as pesquisas e não guarda para si, passa adiante.
    Que o Senhor continue te iluminando.
    Obrigada por sua dedicação.🙏

  5. Reinaldo de Deus
    Março 24, 2017 at 8:29 am

    Parabéns pelos comentários da lição da escola sabatina. Que nosso bondoso Deus continue te usando.

  6. Março 24, 2017 at 9:35 pm

    Realmente o conhecimento do Irmão Sikberto é maravilhoso, é que ele cava muito fundo para transmirtir esse conhecimento para nós. é isso que nós temos que fazer nao ficar com migalhas mas buscar mais conhecimento que existe na palavra de Deus através do Espirito Santo. Que Deus continue abençoando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *