Lição 13 – O reino de CRISTO e a lei

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2014

Tema geral do trimestre: CRISTO e Sua lei

Lição 13 – O reino de CRISTO e a lei

Semana de   21 a 28 de junho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br– Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Esta é a aliança que farei com a comunidade de Israel depois daqueles dias, declara o Senhor: ‘Porei a Minha lei no íntimo deles e a escreverei nos seus corações. Serei o DEUS deles, e eles serão Meu povo’” (Jer. 31:33, NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

Por um lado, qual é a vantagem sustentável, duradoura, do empenho por acumular grandes fortunas nesta Terra? Por outro lado, qual a vantagem em, como muitos dizem, aproveitar esta vida se drogando com álcool, chimarrão, cigarro, outras drogas, farras, bailes e todo tipo de diversão que o mundo disponibiliza?

Certa vez foi feita uma pesquisa científica. Não lembro mais dos detalhes. Mas deram a oportunidade a crianças de primeiro grau de escolherem, uma bola já, ou duas bolas dias mais tarde. A maioria escolheu uma bola já, uns poucos decidiram esperar para ganhar duas. Todos foram acompanhados pelos pesquisadores, e aqueles que escolheram por duas bolas foram mais bem sucedidos na vida profissional. Eles eram mais inteligentesnos pensamentos e mais sábios nas escolhas.

A escolha da vida eterna, mesmo com renúncias, é um ato de elevada inteligência e sabedoria. São pessoas que sabem o que querem, entendem facilmente que é mais importante estar bem durante a eternidade do que estar relativamente bem por poucos anos.

Nesta semana estudaremos a respeito da lei de DEUS durante a eternidade. São princípios de amor, portanto, se é o amor que constrói, como dizem, será o amor o princípio do governo celeste, para todo o futuro, assim como certamente já foi desde a eternidade passada.

 

  1. Primeiro dia: O reino de DEUS

A Adão DEUS deu o governo desse planeta. É evidente que DEUS era o rei superior, sobre todo o Universo, e podia dar essa autoridade que quem desejasse. Adão deveria ter o domínio aqui na medida em que se mantivesse fiel a DEUS, ou seja, fosse pessoa de confiança de DEUS. Mas o que aconteceu? No momento em que Adão desobedeceu, com Eva, a alguém que queria ser senhor deles, e que não era seu Criador, tornaram-se submissos a esse outro senhor. Ou seja, como o reino de DEUS tem por base a obediência natural, espontânea, livre, ao Criador, numa relação de amor, na medida em que tal obediência vem a ser direcionada a outro, este se torna o novo senhor, podendo exercer poder sobre quem o obedece. Isso significa também um ato de desligamento do primeiro Senhor, que foi DEUS, o Criador, evidentemente que é um ato de rebeldia.

Vamos pontuar um aspecto, a obediência. Ela é a base de qualquer reino, governo, empresa, ou organização. Sem obediência não existe organização que funcione bem, talvez nem funcione. E a obediência no governo de DEUS é regida pelo amor. Muito bem pensado, pois se trata de uma obediência que estabelece, sempre, duas posições. Quem tem o poder, ama quem é servo, e, por outro lado, quem é servo, ama quem tem o poder. Dessa maneira desaparece toda possibilidade de exploração por parte de quem tem o poder, e toda possibilidade de rebeldia por parte de quem deve obedecer. Isso é uma situação ótima, excelente, permite a felicidade, pois jamais ocorrerá desentendimento. Em termos simples, ao nosso alcance, assim é o reino de DEUS, todos se amam. Assim é a perfeição. A não exploração assim como a não rebeldia estarão impossibilitadas enquanto houver amor. Essa é a condição. Quando Eva e Adão desobedeceram, duvidaram da palavra de DEUS “certamente morrerás”, e tal dúvida é renúncia ao amor, afinal quem ama, jamais duvida. Foi certamente um momento de bobeira, isto é, de descuido, e são esses momentos que nos criam grandes problemas.

Pela rebeldia por falta de amor por parte de Adão e Eva, Lúcifer ou satanás tornou-se o chefe deste mundo, seu príncipe. Isso podemos deduzir de Jó 1:6 e 2:1. Após a desobediência do casal, quem passou a ter o poder neste mundo foi satanás. Porque isso aconteceu? Ora, DEUS havia dado autoridade e poder a Adão, mas ele se submeteu a satanás, por essa submissão, ele entregou, de graça, com enormes perdas, a um inimigo, que o submeteu e o escravizou.

Daquele dia em diante, um sistema de lutas se instalou nesse planeta, por maldição devido ao pecado. Os animais passaram a disputar entre si, veio a cadeia alimentar entre eles, e os seres humanos passaram a brigar a fazer guerra. Um dos maiores fascínios dos seres humanos é querer ganhar do outro, por isso o mundo está em plena Copa do Mundo de Futebol. Em tudo, aqui, tem que haver disputa, é a competição entre as empresas, é o desejo dos indivíduos de parecerem mais ricos em relação aos outros, as mulheres querem ser mais bonitas que as outras, criam-se campeonatos de disputas, originam-se brigas e guerras. No final, tudo resulta em destruição e morte, e muitas pessoas acham isso absolutamente normal, e isso se chama iniq                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        uidade. Atente para o seguinte: essas coisas, essas disputas, só fazem sentido onde ocorrem erros e falhas, e onde não há amor. Se não houver falha, não há como dois times de futebol disputarem a supremacia, se houver amor, não há lugar para a disputa e a competição. Por esse princípio elementar, há muito tempo, em nossa casa, não nos ligamos mais a qualquer tipo de competição, é algo provindo de satanás, resultado do pecado original.

Pois bem, foi na cruz que JESUS tomou de volta o poder sobre o planeta. Como foi isso? Exatamente no ponto onde Adão falhou, ou seja, desobedeceu, JESUS não falhou. Como dissemos no início dessa explicação, a base do governo de DEUS está na obediência ao amor. Lúcifer, no princípio de sua rebelião, colocou em dúvida a possibilidade ou mesmo a necessidade da obediência. Inclusive propagou a não necessidade da existência de lei. Ainda diz isso hoje, por intermédio de muitas igrejas, que afirmam a queda da lei, ou de partes dela. No entanto, JESUS, se fazendo igual ao homem, nas mesmas condições e sujeito às mesmas fraquezas, nunca desobedeceu à lei, afinal, Ele veio para demonstrar a obediência, assim Ele confirmou a lei e a importância de obedecê-la. Em outras palavras, Ele confirmou a lógica da importância, para a vida e para a felicidade, de se obedecer ao amor, isto é, de amarmo-nos uns aos outros e acima de tudo, amarmos a DEUS.

Houve momentos cruciais para JESUS garantir a sua vitória. Uma foi na cruz, ali Ele foi submetido à exaustão para renunciar, mas permaneceu fiel até o fim, até a                                                                                                                                                                                                                                        Sua morte. Outra foi nas tentações, que parecem ingênuas a primeira vista. Mas leia-se o livro “No deserto da tentação” ali explica a realidade das tentações.

JESUS não havia comido nada há 40 dias. Estava numa situação de extrema fome e fraqueza. Magro, pele e osso, desidratado, com a mente praticamente sem condições de raciocínio, e Ele sem condições de sequer se levantar, muito menos caminhar. Nessa situação, Ele estava no meio do deserto, longe de qualquer socorro ou apoio. Com a mente em frangalhos, raciocínio debilitado, ouve uma sugestão, de transformar as pedras em pão. Se Ele podia fazer isso, porque não fazer? Na última tentação, lhe foi proposta a devolução do poder sobre o planeta, coisa que Ele veio buscar aqui. Mas a condição era adorar o demônio. Essa seria uma proposta bem ingênua se JESUS estivesse em plena                                                                                                                                                                                                                                   saúde, mas não no estado extremo de limite entre a vida e a morte, em que se encontrava, Ele estava a minutos da morte. JESUS teve a lucidez de dizer que se devia adorar somente a DEUS, e ainda teve coragem de mandar satanás embora. Imediatamente os anjos vieram para fortalece-Lo, ou morreria ali mesmo. Ele foi tentado, no deserto, no limite da vida, e na cruz, da mesma forma. E venceu, por essas via tomando de satanás a autoridade para governar aqui. desde aquele dia, na cruz, satanás está condenado, falta só a execução. Quando retornar, o Salvador instalará um reino eterno aqui.

 

  1. Segunda: Cidadãos do reino

O autor da lição foi muito feliz ao escolher o conceito de dupla cidadania, que muitos países aceitam. Também já pensei em me valer desse direito, mas pensei, do que me adianta ter também a cidadania russa, se por certo nunca irei para lá? O fato é que, no assunto espiritual, não existe dupla cidadania. Nesse assunto só existem mesmo dois reinos, dirigidos cada um por seu respectivo rei, portanto, existem dois senhores, não mais que isso. E nós não podemos pertencer aos dois. “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um, e amar ao outro; ou se devotará a um e desprezará ao outro…” (Mat. 6:24).

Isso quer dizer o quê? Que nós não podemos ser bem sucedidos estando um pouco na igreja mas também um pouco no mundo, naquilo que DEUS proíbe aos santos. Não podemos sábado ser bonzinhos, e durante a semana brigar com a esposa, ou com o esposo, ou com os filhos. Não podemos sábado pregar o evangelho, dar estudos bíblicos, convidar pessoas para virem à igreja, mas durante a semana sermos maus exemplos de cidadãos, no emprego, na empresa, na sociedade. Não podemos estudar nossa lição da Escola Sabatina e também devotar nosso tempo ao futebol (estamos na copa), ou a outros atrativos que não são compatíveis com a cidadania celeste. Não podemos aceitar os escritos da Bíblia e do Espírito de Profecia, mas deixar de lado algumas partes, como as que profetizam a entrada da música barulhenta e batida, oriunda do vodu. Ou seja, não podemos ser adventistas e também praticar aquilo que JESUS condena, e que bem sabemos o que é. Se não soubermos, estamos na prática da iniquidade, ou seja, achando que alguns pecados não são maus que nem são pecado.

O inimigo, satanás, não se preocupa se fazemos algumas coisas que ele sugere, mas ao mesmo tempo nos aplicamos à igreja e a DEUS. Dessa maneira pertencemos a ele, não a DEUS. Se estamos parcialmente com DEUS, então pertencemos na verdade a satanás, mesmo que sejamos ancião, pastor ou presidente de campo. O que satanás deseja é que, como escravos dele, continuemos na igreja, dando mau testemunho a outros, para que eles, sendo superficiais, não questionando e falando mal dos que questionam, também se permitam ser influenciados e seguir o caminho da perdição, dentro da igreja. Assim será possível até a sacudidura, com ela, abandonam aigreja aqueles que tentam servir aos dois senhores, como que querendo aproveitar o mundo mas não querendo perder a vida eterna.

“Uma profissão de cristianismo sem a fé e as obras correspondentes, de nada aproveitará. Homem algum pode servir a dois senhores. Os filhos do maligno são servos de seu senhor; de quem se fazem servos para lhe obedecer, desses são servos, e não podem ser servos de Deus enquanto não renunciarem ao diabo e a todas as suas obras. Não pode ser inofensivo para os servos do celeste Rei, o empenharem-se nos prazeres e diversões em que se empenham os servos de Satanás, embora eles repitam muitas vezes que tais diversões são inocentes. Deus tem revelado santas e sagradas verdades para separar Seu povo dos ímpios e purificá-los para Si. Os adventistas do sétimo dia devem viver sua fé. Os que obedecem aos Dez Mandamentos, veem o estado do mundo e as coisas religiosas de um ponto de vista inteiramente diferente de como os veem os professos cristãos que são amantes dos prazeres, que se esquivam à cruz e vivem na transgressão do quarto mandamento” (Testemunhos seletos, v1, 155).

 

  1. Terça: Fé e lei

Tomemos o dia de estudos de hoje para elaborar uma síntese do plano da salvação da humanidade da morte pelo pecado. Faremos em partes.

ð  Adão e Eva foram criados, perfeitos, com vida eterna vinculada à obediência a DEUS.

ð  Eles eram perfeitamente felizes, e toda criação era também perfeita e eterna.

ð  Eles obedeciam aos mandamentos de DEUS, que naqueles tempos ainda não estava escrita em tábuas de pedra em dez itens, mas eram resumidos no amor, que não permite que se façam as coisas que mais tarde os Dez Mandamentos proibiram. O casal sabia do que podiam e do que não podiam fazer pela lógica do amor. Eles eram inocentes quanto ao mal, não tinham conhecimento dele, nem se davam conta de sua possibilidade de existência.

ð  Portanto, o casal estava em harmonia com a lei de DEUS, vivia ao lado dela, e evidentemente não eram condenados pela lei, pois não transgrediam.

ð  Vindo o pecado, Adão e Eva foram modificados por causa dele, assim como toda a criação. Alguns efeitos do pecado são: o sofrimento, a luta ou disputa e a morte

ð  Satanás tornou-se o governador do mundo, em lugar de Adão.

ð  Agora, em pecado, já o casal não estava mais em harmonia com a lei, mas debaixo dela, isto é, condenados à morte pela lei, que exigia um castigo, a morte.

ð  Nessa situação, passaram a depender da graça prometida por DEUS, lá no Eden mesmo, que JESUS cumpriu na cruz. Eles dependiam de perdão para outra vez terem condições de vida eterna.

ð  A lei, como já vimos, tem duas funções, proteger quem está em harmonia com ela e condenar quem a transgrediu, portanto, está em rebelião.

ð  A graça tem a função de perdoar quem se arrependeu, portanto, restaura a pessoa à situação de estado sem pecado.

ð  Vem ainda a transformação, ou santificação, que muda a pessoa outra vez para a perfeição.

ð  A fé, que, assim como a graça também é dom de DEUS a quem deseja ter, nos dá a condição de crer, isto é, ter como algo seguro confiar em JESUS, tendo a certeza de que Ele nos restaurará à perfeição.

ð  Tornados aos poucos perfeitos pela santificação gradativa enquanto vivemos aqui, e totalmente transformados no dia da segunda vinda, não mais teremos a natureza de pecadores, isto é, o gosto ou fraqueza pelo pecado, desejando-o, e tendo que lutar contra nossas próprias inclinações naturais. Então as nossas inclinações serão naturalmente pelo bem que vem do amor.

ð  Voltando JESUS, todos esses que foram perdoados, serão completamente transformados para a vida eterna.

ð  Assim sendo, a lei protege quem a obedece, se não tiver pecado, mas condena se já pecou alguma vez; por sua vez, a graça liberta da condenação da lei se a pessoa se tiver arrependido dos seus pecados.

ð  O que a lei não tem por objetivo fazer, a graça faz, o que a graça não tem por objetivo fazer, a lei faz.

Creio que se esse resumo for bem estudado, ele que simplifica a lição desse trimestre, poderemos todos entender como é simples a relação entre lei, graça e fé, sem mistério algum.

 

  1. Quarta: O reino eterno

Adão e Eva viveriam eternamente, se não pecassem, isto é, se não obedecessem ao inimigo. Depois da redenção, outra vez as criaturas serão eternas, e o pecado nunca mais se levantará. O reino será dado aos santos e será eterno (Dan. 7:27), as pessoas deste reino terão vida eterna (João 3:16), a morte não existirá, as primeiras coisas terão passado (Apoc. 21:4), e a angústia não se levantará duas vezes (Naum 1:9).

O que nos garante que nunca mais se repetirá esse drama do pecado é a Bíblia. Mas, como se pode entender a lógica que explica essa garantia? Em primeiro lugar, ninguém mais duvidará da lei de DEUS e do amor de DEUS. O Seu amor pôde se revelar num sentido como jamais anteriormente, isso foi possível, numa realidade que jamais algum ser criado imaginou. A ninguém passou pela cabeça que o próprio DEUS, em seu Filho, se tornasse humano e morresse pelos humanos, por amor a eles. Nem mesmo Lúcifer imaginou que DEUS providenciaria, sem ferir a lei, o perdão dos pecadores.

Em segundo lugar, ninguém mais ousará, nem aceitará a insinuação que DEUS é cruel e que não perdoa. Mesmo se se levantasse outra vez outro inimigo, não granjearia adeptos. Melhor dizer, jamais alguém se levantaria contra um amor tão intensamente demonstrado na vida de JESUS e na cruz. Aliás, bem pelo contrário, o tema principal, durante a eternidade, será estudar sobre o amor de DEUS.

Em terceiro lugar, jamais alguém ousaria remeter outra vez JESUS à cruz, à morte pelos pecadores, pois é exatamente isso que Ele faria se alguém pecasse outra vez. Por todos conhecerem em muito maior profundidade e amplitude o amor de DEUS, todos sabem que esse amor é invencível, que sempre se doa pelas criaturas. Todos saberão, para sempre, que atentar contra DEUS resulta no fim daquele que faz isso e não se arrepende, porque a separação do Criador é igual a um suicídio decidido pelo próprio desobediente. Todos saberão que obedecer a lei pura, justa e perfeita de DEUS é a melhor opção, é a opção perfeita.

Em quarto lugar, DEUS colocará outra vez a Sua lei nos corações dos salvos, assim como foi no tempo de Adão e Eva, antes de pecarem. A obediência será algo natural, que faz parte da natureza das pessoas.

Em quinto lugar, Lúcifer ou satanás, e seus anjos, e todos os maus elementos serão extintos para sempre, e jamais poderão atacar as criaturas que desejam ser fiéis ao Criador.

Em sexto lugar, todos obedecerão a DEUS, não por medo, mas porque O amam, e o ambiente da Nova Terra será leve e descontraído, prazeroso e sem traumas, sem medo e sem ansiedade pelo futuro.

Em sétimo lugar, todos os remidos se tornarão exemplos da grandiosidade do amor de DEUS por Suas criaturas, pessoas resgatadas do poder de satanás, que conhecem o outro lado em relação ao governo celeste, que conhecem como é cruel o reino do mal por causa da desobediência.

“Na execução final do juízo ver-se-á que nenhuma causa existe para o pecado. Quando o Juiz de toda a Terra perguntar a Satanás: “Por que te rebelaste contra Mim, e Me roubaste os súditos de Meu reino?”, o originador do mal não poderá apresentar resposta alguma. Toda boca se fechará e todas as hostes rebeldes estarão mudas. …

“O Universo todo terá sido testemunha da natureza e resultados do pecado. E seu completo extermínio, que no princípio teria acarretado o temor dos anjos, desonrando a Deus, reivindicará agora o Seu amor e estabelecerá a Sua honra perante a totalidade dos seres que se deleitam em fazer a Sua vontade, e em cujo coração está a lei divina. Jamais o mal se manifestará de novo. Diz a Palavra de Deus: “Não se levantará por duas vezes a angústia.” Naum 1:9. … Uma criação experimentada e provada nunca mais se desviará da fidelidade para com Aquele cujo caráter foi perante eles amplamente manifesto como expressão de amor insondável e infinita sabedoria” (O Grande Conflito, 503 e 504).

 

  1. Quinta: A lei no reino

O tremendo drama do pecado deverá passar. Essa é a promessa. JESUS já cumpriu com a pior parte, que foi viver aqui entre os pecadores e principalmente morrer por todos nós. Isso foi difícil. A parte boa, que é voltar outra vez para nos resgatar, para Ele não é nada difícil, pois o fará como DEUS, não como homem. Fazer isso é para Ele algo natural.

O último inimigo a ser vencido é a morte. Ou seja, a morte nos seres humanos, pois o Salvador já morreu a segunda morte, eterna, e dela Ele saiu vivo, ressuscitando. Depois de sermos resgatados, então entraremos no regime natural da lei de DEUS, como foi nos tempos de Adão e Eva, antes de pecarem. Era para eles tão natural guardarem os mandamentos que nem se davam conta deles existirem, e de fato, não estavam escritos em duas tábuas, nem precisava. Na Nova Terra a Lei estará nos corações, fará parte da natureza humana, ela se transformará em princípios de vida.

A lei de DEUS nunca muda porque Ele também não muda, Ele é perfeito. Será algo tremendamente agradável obedecer a lei, e nos sentiremos muito bem, pois é a lei do amor. Ali todos irão amar, uns aos outros, e todos irão amar a DEUS, e serão por Ele amados.

“A obediência às leis de Deus desenvolve no homem um belo caráter, em harmonia com tudo quanto é puro e santo e incontaminado. Na vida de um homem assim, patenteia-se a mensagem do evangelho de Cristo. Aceitando a misericórdia de Cristo e Sua cura do poder do pecado, ele é posto na devida relação para com Deus. Seu coração, purificado da vaidade e do egoísmo, enche-se do amor de Deus. Sua diária obediência à lei divina granjeia-lhe um caráter que lhe assegura a vida eterna no reino de Deus” (Filhos e filhas de DEUS, MM 1956, p. 42).

 

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

a)      Síntese dos principais pontos da lição

  • Qual o foco principal?

A lei de DEUS vem da eternidade, porque é o sumo de seu caráter, e DEUS também é eterno. Assim como DEUS não muda nunca, porque é perfeito, também a Sua lei, que é Ele mesmo, não pode mudar. Mas levantou-se, junto ao trono de DEUS, um pretendente das mesmas honras merecidas pela máxima autoridade do Universo, dizendo: “serei semelhante ao Altíssimo.” Como a lei de DEUS, Seu caráter, em essência é o amor, é lógico que o amor sempre aproxima, as criaturas se aproximam do Criador, o amam, e amam-se mutuamente. Logo, jamais haveria qualquer chance a satanás, se a lei não fosse questionada, e atacada, ao longo de toda a sua aventura de rebeldia. Estamos nos últimos dias dessa tragédia universal, que levou, por amor, JESUS CRISTO a morrer por nós.

 

  • Quais os tópicos relevantes?

O reino de DEUS sempre foi e será sempre dirigido pelo Seu amor.

Os cidadãos desse reino irão para sempre amar a DEUS e se amar mutuamente, e essa é a fórmula simples da felicidade e da vida eterna.

A lei de DEUS passará a estar nas mentes das pessoas, fazendo parte de seus caráteres, portanto as pessoas obedecerão a DEUS, não porque há uma lei externa que o recomende, mas porque esse será seu comportamento natural.

 

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

b)      Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Em especial, que atacar a lei de DEUS é o mesmo que atacar o Seu caráter, e duvidar de Seu amor, e isso equivale a renunciar a salvação pela graça de JESUS CRISTO, colhendo como resultado, a morte eterna.

 

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

c)       Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Parece evidente, que conhecendo tudo o que estudamos nesse trimestre, devemos obedecer a vontade de DEUS, que é boa para nós, e ensinar outros a fazerem o mesmo. Para isso, devemos ser testemunhas do quanto é positivo ser obediente a         DEUS, porque satanás está prometendo maravilhas (falsas) aos que aceitarem que houve mudança nos Dez Mandamentos.

 

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

d)     Comentário de Ellen G. White

“A lei de Deus é de caráter imutável, e por isso Cristo Se deu em sacrifício em favor do homem caído, e Adão perdeu o Éden, sendo posto à prova, com toda a sua posteridade.

“Se a lei de Deus tivesse sido mudada em um só preceito, após a expulsão de Satanás do Céu, ele teria, depois de sua queda, alcançado na Terra aquilo que não pôde alcançar no Céu antes de sua queda. Teria recebido tudo que desejasse. Sabemos que ele não recebeu. … A lei… permanece inalterável como o trono de Deus, e a salvação de cada pessoa é determinada pela obediência ou desobediência. … Jesus, pela lei do compassivo amor, tomou sobre Si os nossos pecados, sofreu nosso castigo, e bebeu a taça da ira de Deus, que cabia ao transgressor. … Carregou por nós a cruz da abnegação e sacrifício, para que tivéssemos vida – vida eterna. Não havemos de carregar a cruz de Jesus? (Para Conhecê-Lo (MM, 1965), p. 289).

 

e)      Conclusão geral

“A lei de Deus, pela sua própria natureza, é imutável. É uma revelação da vontade e caráter do Autor. Deus é amor, e Sua lei é amor. Seus dois grandes princípios são amor a Deus e amor ao homem. “O cumprimento da lei é o amor.” Rom. 13:10. O caráter de Deus é justiça e verdade; esta é a natureza de Sua lei. Diz o salmista: “Tua lei é a verdade”; “todos os Teus mandamentos são justiça.” Sal. 119:142 e 172. E o apóstolo Paulo declara: “A lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom.” Rom. 7:12. Tal lei, sendo expressão do pensamento e vontade de Deus, deve ser tão duradoura como o Seu Autor’ (O grande conflito, 467).

 

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p(Apoc. 15, 16) Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªpArmagedom Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!

 

 

estudado e escrito entre:  16/05 a 22/05/2014

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

1 comment for “Lição 13 – O reino de CRISTO e a lei

  1. Fevereiro 19, 2016 at 12:05 pm

    obrigado por essas dicas, o seu artigo é muito esclarecedor ,
    irei compartilhar pois acho que mais pessoas precisam ter acesse
    a esse site, muitissimo obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *