Lição 6 – As mulheres no ministério de JESUS

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: O evangelho de Lucas

Lição 6 –  As mulheres no ministério de JESUS

Semana de  2 a 9 de maio

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Pois todos vós sois filhos de DEUS mediante a fé em CRISTO JESUS; […] não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em CRISTO JESUS” (Gal 3:26 a 28).

 

Introdução de sábado à tarde

O Criador fez de um jeito, mas satanás perverteu a criação para outro jeito. No Éden, homem e mulher estavam no mesmo nível, um não era mais importante que o outro. A mulher foi tirada da costela de Adão, isso quer dizer, de seu lado, ela não estava acima nem abaixo dele, e para enfatizar, ele também não estava acima nem abaixo dela. Um não deveria dominar sobre o outro. Pelo contrário, aí sim, cabe uma responsabilidade ao homem, de proteger e valorizar sua esposa, aquela que lhe foi dada como igual, idônea e parceira para a vida toda. E a esposa deve corresponder. Na normalidade, nas condições ideais que DEUS estabeleceu, um lar é simplesmente uma maravilha de lugar.

No mundo formou-se uma cultura do poder do mais forte. E Darwin foi um dos que achou que isso que é normal. Abandonou-se a cultura do intelecto de capacidade igual, se bem que de ótica diferente. Homem e mulher tem os mesmos dotes intelectuais, mas a forma de ver as coisas é diferente. É nessa diferença que está o sabor da vida, da criatividade, da inovação, do diálogo e do bom relacionamento. Que sabor pode ter a convivência de duas pessoas que tem a mesma lógica de pensamento?

Hoje, nesses tempos modernos, em muitos casos estamos voltando aos tempos de barbárie. Não poucos homens tem parceiras como objeto de satisfação sexual, elas como uma exclusividade deles, nunca o contrário. Acham-se no direito de dominar sobre a mulher, até ter mais outras a sua disposição, e se ela não o suportar mais, a espancam e muitas vezes matam. Esses não tem noção do quanto poderiam ser felizes cuidado da esposa do modo como DEUS estabeleceu, ainda lá no Éden. Para estes, a mulher é um objeto de uso para satisfação dos desejos dele, nunca dela. Como, em muitos casos, é difícil ser mulher nesse mundo de pecados! Uma mulher jovem tem sonhos de felicidade, isso é destruído por um homem incapaz de ajudar a realizar esses sonhos, e de também ser feliz com eles.

JESUS, que veio para salvar a humanidade, também veio para restabelecer o lar, pois Ele explicou como as coisas devem ser em relação ao casamento, e também veio para restabelecer o valor da mulher como Ele, Criador, havia definido na criação. JESUS disse que as mulheres eram filhas de Abraão. Isso significa que tinham o mesmo valor de herança que os homens, que elas mereciam o mesmo lugar no Céu que os homens e que JESUS as considerava tanto quanto aos homens. JESUS morreu tanto pelos homens como pelas mulheres.

Nós, homens na Igreja Adventista do Sétimo Dia devemos ser exemplos para o mundo moderno sobre como nos relacionarmos com as mulheres, seja a esposa, sejam outras, a mãe, irmãs e conhecidas. Nesse sentido, em primeiro lugar, devemos ter lares de ambiente feliz, filhos bem educados, esposa realizada como mulher, e, em especial, não termos nenhum divórcio e nem relacionamento sentimental com outras mulheres. Os homens em especial, mas as mulheres também, deveriam cultivar todos os dias o prazer da vida a dois, com DEUS presente como convidado, e assim terem relacionamentos sólidos e permanentes, sustentáveis por meio do amor que vem do alto. Esse é o exemplo que o mundo espera de nós.

 

  1. Primeiro dia: Mulheres que receberam o advento de JESUS

Interessante é notar que há diferença de papéis entre o que fazem os homens e o que fazem as mulheres. No caso, na época de JESUS, os homens, por exemplo, se tornavam pregadores, e as mulheres instrumentos de alicerce estrutural da obra. Parece que se pode ver um grande edifício construído, tendo as mulheres como a base segura de toda a estrutura, não os homens. Ou seja, em tudo o que funcionava naqueles tempos, eram as mulheres que providenciavam, geralmente em silêncio, o alimento, a hospedagem, o conforto, muitos tipos de apoios, e até a manutenção.

O estudo de hoje é a respeito de três mulheres. As duas primeiras, Isabel, mãe de João Batista, o precursor de JESUS CRISTO, e Maria, mãe do próprio verdadeiro Senhor do mundo e do Universo, Criador e Salvador. Isabel e Maria estavam grávidas, uma esperava um bebê de seu marido, a outra, carregava o rei do Universo, que vinha para salvar a humanidade da morte eterna. Os dois seriam mortos pela crueldade, um decapitado, o outo, crucificado. E a terceira mulher, muito idosa, era a profetiza, Ana, pelo que saibamos dela, uma única profecia relatada, o anúncio de que aquela criança que estava sendo apresentada no templo era o Salvador do mundo. Ela sabia o que estava dizendo.

Isabel, ao receber a visita de Maria, que a saudou em sua casa, sentiu o ESPÍRITO SANTO agitar a criança e influenciada, pronunciou palavras proféticas. Esse foi um dos momentos mais sublimes e emocionantes da história da humanidade, o encontro de duas mães com seus filhos no ventre. Uma, mãe do segundo Elias, que vinha para preparar o caminho para o outro filho, o próprio Salvador e Messias anunciado e esperado. Ela referiu-se a Maria como uma mulher bendita, assim como a seu filho, e disse que o menino era o seu Senhor. O texto de Isabel está em Lucas 1:41 a 45.

Maria seguiu falando o que os críticos intitularam como o cântico magnífico. Está relatado em Lucas 1:46 a 56. Ela referiu-se a Abraão e seus descendentes como recebedores da promessa de um descendente, do rei Salvador (Lucas 1:54 e 55).

Mais tarde, no oitavo dia, na apresentação de JESUS no templo, falaram Simeão e Ana, dois idosos verdadeiros servos de DEUS. Nada entenderam os sacerdotes e servos do templo a respeito do que ali se passava e quem era aquela criança. Atenção, se o ESPÍRITO SANTO não revela, pode acontecer de estarmos caminhando lado a lado com um anjo de DEUS, ou com o próprio Salvador do mundo, e não percebermos de quem se trata. Ana profetizou (Lucas 2: 36 a 38) quem era a criança pela revelação do ESPÍRITO SANTO. Outra coisa, podemos ouvir um anúncio profético e não perceber nada, se não estivermos preparados para aquele momento, assim como os líderes religiosos da época nada perceberam da profecia de Ana. Ela falou a respeito desse menino de poucos dias, que ele era vindo para redimir a todos que esperavam, pela profecia, a vinda do Redentor.

Pois bem, Isabel, Maria e Ana, foram mulheres que tinham conhecimento das Escrituras, e sabiam quem eram aqueles personagens. Conheciam o Antigo Testamento e tinham a fé do alto para crer, tendo segurança do que sabiam e do que ali se passava. Uma delas preparou o homem que abriria o caminho do Salvador. A outra ensinou o próprio Salvador em seus primeiros anos de vida e a terceira, fez a profecia de que aquele era realmente o Salvador. Se poucos creram, elas fizeram o seu trabalho, com humildade e fé, e foram bem sucedidas, pois tudo se cumpriu fielmente.

 

  1. Segunda: As mulheres e o ministério de cura de JESUS

Vamos refletir sobre a situação da viúva de Naim (Luc. 7:11 a 17). Na lição de hoje, também temos o caso da morte da filha de Jairo, mas este fica por conta de cada um.

Nos tempos antigos, ser mulher era difícil. A mulher tinha que ter um marido, e se ele fosse bom homem, a mulher estava salva das dificuldades. E toda mulher esposa devia ter filhos, caso contrário, outro problema para ela: era discriminada pela sociedade. E o pior podia acontecer, ficar viúva, e sem filhos, portanto, sem perspectiva de vida.

Foi o que aconteceu à viúva de Naim, que morava numa pequena vila. O relato é o seguinte: “Em dia subseqüente dirigia-se Jesus para uma cidade chamada Naim, e iam com ele seus discípulos e uma grande multidão. Ao aproximar-se ele da porta da cidade, eis que levavam para fora um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e vinha com ela muita gente da cidade. Logo que o Senhor a viu, compadeceu-se dela, e disse-lhe: Não chores. Chegando-se, tocou o esquife e, parando os que o conduziam, disse: Moço, eu te mando, levanta-te. Aquele que havia estado morto, sentou-se e começou a falar; e Jesus o entregou à mãe dele” (Lucas 7:11-15).

A viúva, cujo nome não ficou registrado, portanto, era por certo uma mulher pobre, devia estar não só desconsolada por ter de enterrar o filho, mas também por ficar completamente desamparada. Sua vida seria um pesadelo, envelhecendo e temendo pelo sustento. A situação podia ser resumida em duas palavras: “e agora?”

O cortejo saía da vila, uma mulher levando seu morto para ser descartado numa cova. E, por uma feliz coincidência, que bem podia ser uma providência, entrando, vinha JESUS acompanhado de uma quantidade de pessoas. Num cortejo, ia a morte, encabeçada por satanás, o destruidor; no outro, vinha a vida, encabeçada por JESUS, o Salvador. Quando os dois cortejos se encontraram, a vida derrotou a morte, JESUS compadecendo-se da viúva desolada, ordenou que o jovem revivesse, e o devolveu à sua mãe, para que cuidasse dela.

Isso é significativo, pois, lembra que JESUS venceu para devolver a vida aos mortais, para que vivam eternamente. É esse JESUS que está por voltar bem logo, com seu cortejo de anjos, vindo a esse mundo para chamar à vida todos os que morreram nessa esperança.

 

  1. Terça: Mulheres de gratidão e fé

Dois casos de gratidão hoje: Maria, a prostituta, e uma outra mulher, não identificada, que tinha fluxo de sangue há doze anos, ou seja, uma hemorragia permanente de menstruação. Chamam de sangramento uterino anormal.

Maria era uma prostituta. A mulher facilmente cai nessa situação. Duas são as causas mais recorrentes: o prazer de se relacionar em intimidade com homens, e a necessidade de buscar sustento, e não tendo opção, vende o corpo. Quem é o culpado de que mulheres se prostituem? Elas, sem dúvida, mas não se pode deixar de dar uma parcela de culpa, e por certo maior que o das prostitutas, aos homens que compram esses serviços. Principalmente se forem casados. Mulheres se prostituem porque homens querem o que elas oferecem. DEUS não planejou para que fosse assim.

Essa mulher, Maria, fora resgatada por JESUS, e deixou de se prostituir. Como grande número de prostitutas, que querem sair dessa vida, mas não conseguem, Maria também queria deixar disso, e foi JESUS quem a perdoou e a fez deixar da vida de desgraça. Isso gerou nela tamanha gratidão que não sabia bem como agradecer. Ela economizou, comprou o perfume mais caro disponível, e, sem perda de tempo, sem planejamento, aparecendo a oportunidade, somente impulsionada pelo poder da gratidão, entrou repentinamente numa casa em festa, dirigiu-se a JESUS, e lavou seus pés com esse perfume.

Era costume lavar os pés dos hóspedes. Mas Ela não estava na sua casa. Ela tratou de lavar os pés de JESUS de modo muito superior que o costume, mesmo tendo que entrar na casa de outra pessoa, com um caríssimo perfume em vez de água. Esse era o tamanho de sua gratidão.

Outro caso de luta feminina encontramos em Marcos 8:25 a 31 (ou Lucas 8:43 a 48). “Grande multidão O seguia comprimindo-o. 25. Aconteceu que certa mulher, que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia 26. e muito padecera à mão de muitos médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem contudo, nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior, 27. tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. 28. Porque dizia: se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. 29. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada de seu flagelo. 30. Jesus, reconhecendo imediatamente que dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: Quem me tocou nas vestes?” Marcos 5.25-31.

A mulher da hemorragia de 12 anos, já não suportava mais a situação. Buscou auxílio na medicina da época, bem precária (hoje os médicos curariam tal problema facilmente), e gastou seus recursos, e agora, na pobreza, e sem como continuar buscando socorro, soube de JESUS. Ele não cobrava, e, principalmente, resolvia. Muito tímida, desenvolveu tamanha fé que, tinha certeza, se conseguisse ao menos tocar em Sua veste, seria curada. E foi assim.

É de se imaginar como ela se sentiu após a cura, tão ansiosamente aguardada por mais de uma década. E como deve ter-se sentido quando JESUS indagou, quem o havia tocado, só na veste (como Ele havia descoberto?, isso devia ter pesando na consciência ela). Mas as palavras, “a tua fé te salvou” foram o complemento da cura, para sua imensa satisfação. Ouvir tais palavras positivas, numa situação desesperadora, logo após a cura, devia ser algo muito agradável.

 

  1. Quarta: Algumas mulheres que seguiram JESUS

Hoje temos o caso de Marta (Luc. 10:38 a 42). JESUS foi à casa de Marta, que morava com Maria e Lázaro, e ali fariam uma refeição, entre outras coisas. É óbvio que a refeição precisava ser preparada. Poderia ser algo como hoje chamamos aqui no Brasil de “junta panelas”, porém, talvez também a responsabilidade pela comida ficasse ao encargo apenas do pessoal da casa. E Marta estava muito ocupada com essa responsabilidade, porém, Maria deliciava-se em ouvir JESUS. A tal ponto estava absorta em Suas palavras que nem se deu conta de que precisava providenciar alimento para toda aquela gente, os apóstolos e mais algumas pessoas. Imagina para uma mulher, ter que preparar alimento para visitantes, e não dar certo! Isso seria e sempre foi, uma vergonha que elas não se perdoam.

Mas aqui faltou um elemento. JESUS era fazedor de milagres, sarava doenças, ressuscitava mortos, e também multiplicava alimentos, como pães e peixes, e era capaz de transformar água no mais saboroso suco de uva. Foi Ele que providenciou o maná aos antepassados de Marta e Maria, que dera pão e água a Elias, que fizera com que a farinha e o azeite da viúva não acabasse, e assim por diante. Assim também podia providenciar alimentos vivos, como na pescaria milagrosa. Se desejasse, poderia transformar pedras em pães. Diante desse currículo, porque se preocupar com alimento, se o pão da vida era bem mais importante. Certamente Ele providenciaria o alimento no momento certo, como fizera em outras oportunidades.

Porém, Marta, como todas aquelas pessoas, não tinha ainda aprendido o essencial de JESUS, que Ele era o Messias, e que era capaz de tudo, que era também o Criador de tudo, que fizera todas as coisas a partir de Sua palavra. Pode-se imaginar que, se Marta e todas pessoas ficassem absorvendo os ensinamentos de JESUS, em algum momento o alimento seria providenciado de maneira milagrosa. Nesse caso, pode-se ter certeza de que esse alimento seria de qualidade e sabor superior ao do que o melhor cozinheiro fosse capaz de providenciar.

Muitas mulheres aderiram a   JESUS, para o apoiar. Eram gratas pelo que fizera a elas, ou a alguma pessoa que conheciam, ou a qualquer pessoa. Muitas delas eram mulheres de posses, e garantiam a JESUS, que na verdade havia dado a elas tais posses, que a Ele não faltasse nada em Sua missão.

Como uma mulher é importante! Principalmente se tratando da esposa virtuosa. Por esses dias estou com a minha hospitalizada, para um procedimento o cirúrgico, que ela já fez e está em recuperação, indo bem, melhor que a média esperada. E ela se preocupa se não está faltando nada em casa, se estou dormindo bem, se os animais estão bem, e assim por diante. A mulher tem em seu íntimo o senso de cuidar dos outros. Assim foram aquelas mulheres que acompanhavam JESUS, para providenciar o que faltasse, ou que nada faltasse.

 

  1. Quinta: Persistem na oração, sacrificam-se na doação

Mais dois casos de estudo sobre mulheres na Bíblia, o da viúva com uma causa que o juiz nunca dava a sentença e o da viúva muito pobre que só possuía duas moedas, e deu elas como oferta, no templo. As duas ilustram a realidade da vida nesse planeta maldito, onde a propensão por exploração é intensa, e nos dias atuais, cada vez maior.

Por exemplo, outra vez vou ter que enfrentar uma operadora de telefonia e internet, que nos mandou uma conta acima do dobro contratado. É frequente aparecerem cobranças por serviços que não foram solicitados, caem na conta, e temos que ir atrás para resolver. Também vou ter que ir ao banco onde meu pai, de 88 anos, tem suas economias, pois estão descontando dele coisas que nunca pediu. Esse é o nosso mundo, cada dia assistimos notícias de corrupção. Parece que o Brasil tornou-se o centro dos corruptos e corruptores nesse mundo.

O ser humano é cruel, em especial com os indefesos, os idosos e as crianças. Estava assistindo hoje pela manhã idosos, em pleno tratamento, tendo seus convênios médicos interrompidos, e sendo obrigados a reclamar na justiça, para terem o direito de continuidade do tratamento. As pessoas estão sendo maltratadas pela sociedade, pelo governo, pelas instituições em geral. E isso logicamente está levando muitas pessoas a acreditarem somente em DEUS, como sua última esperança.

A viúva do caso de Lucas 18, procurava por justiça em uma causa da qual precisava julgamento. Ela por certo necessitava do resultado do julgamento. Mas o juiz, como diz o texto bíblico, era iníquo. Ele não se importava com a causa da viúva, pois, como naqueles tempos era a cultura, se tratava apenas de uma viúva. Mas a viúva era persistente, e tanto ia em busca da justiça que um dia o juiz cansou de ter de atende-la, e resolveu a questão. Foi de tanto ela insistir que o juiz chegou a conclusão, ela não pararia de o incomodar. Para se ver livre dela, julgou o caso e deu ganho de causa a sua questão. Esse juiz não queria ter trabalho com a mulher, mas teve muito mais, logo, teve que dar atenção a ela, para que não continuasse, como era o pensamento dele, ser importunado.

Aprendemos algumas lições desse caso. A viúva precisava do benefício do julgamento. Ela foi persistente, não desistia, como esperava o juiz. Assim devemos agir nós, em nossas perplexidades da vida, diante de DEUS. Ele não é como o juiz humano da viúva, Ele está atento, mas quer que aprendamos a ser perseverantes e que lutemos. Por isso, muitas vezes só atende no último instante, como foi o caso de Daniel e de seus companheiros. Os três companheiros, DEUS não os livrou da fornalha ardente, mas do calor do fogo. Daniel não foi liberto da cova dos leões, mas deles o atacarem, mesmo famintos. Portanto, em questões de fé, temos que manter a persistência e a esperança, até o último minuto, esperando e insistindo pela providência divina.

O caso da outra viúva pobre, há lições diferentes. Era costume da época pessoas com posses, sinalizarem que estavam ofertando, tocando um sininho. Outro costume eram os jejuns semanais em que essas pessoas caminhavam pelas ruas e praças, com fisionomia de famintos, para que parecessem muito devotos. Também davam esmolas em público, e tratavam de fazer com que outros vissem. Ou seja, a religiosidade precisava ser publicada, isso era motivo de orgulho. Quem se exibia apreciava a admiração do povo, e, por sua vez, o povo amava ver esses exibicionistas. Ou seja, todos estavam se enganando e sendo enganados.

Lembro do tempo em que era Vice Reitor da Universidade. Professores e alunos apreciavam admirar o trabalho que realizava. Era muito fácil ser admirado, os seres humanos em geral gostam de fazer isso. E também gostam de ser admirados, até, endeusados. Isso não é meu ponto fraco, mas é bem tentador.

Em contraste com esse comportamento exibicionista ou ostentação, a viúva pobre deu apenas duas desprezíveis (no conceito humano) moedas como oferta. Na realidade econômica do mundo, essa quantia não faria diferença para a manutenção do templo. Mas para DEUS, não é assim que as coisas são vistas. Não é o quanto damos, mas o porque estamos dando que DEUS nos avalia. A viúva só possuía essas moedas, os demais doadores davam apenas parte do que possuíam, ela doou tudo.

DEUS não espera que doemos tudo, mas valoriza quem faz isso. É uma demonstração de fé que poucos são capazes de enfrentar. Parece que os que tem menos são mais capazes de um gesto assim. Ela bem que poderia ter doado a metade do que possuía, mas deu tudo.

Quando doamos a DEUS, reconhecemos que Ele é o dono, e que tudo vem dEle. Também temos fé de que o que doamos não nos faltará, e que DEUS sempre providenciará o sustento.

Resumindo, o que podemos aprender dessas duas histórias bíblicas reais? Devemos ser persistentes e ter fé. A persistência aprendemos da viúva com problemas a resolver na justiça, a fé, aprendemos da viúva que doou tudo o que possuía.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

As mulheres vieram do último ato da criação de DEUS. O papel original delas na sociedade é a da formação de cidadãos de caráter reto. Para isso, a mãe deve contar com o marido, o homem do lar. DEUS fez os seres humanos homem e mulher para se complementarem. Depois do aparecimento do pecado, tanto o homem quanto a mulher, ganharam mais responsabilidades. À mulher cabe a tarefa de apoio logístico, sem o qual, nada funciona. E nesses tempos modernos, temos muitas mulheres realizando atividades que antes eram realizadas somente por homens, como por exemplo, os missionários em terras distantes. Há hoje muitas profissões seculares que as mulheres assumiram junto com os homens. Nesses tempos finais, sabemos da profecia de Joel e de Atos, em que mulheres, homens, crianças e idosos, todos se empenharão de igual modo no esforço pela conclusão da pregação da breve vinda de JESUS.

 

  • Quais os tópicos relevantes?

Foi evidentemente uma mulher que preparou o menino Filho de DEUS para que se tornasse o Salvador. Contou para isso com seu marido José, mas principalmente, com a orientação do ESPÍRITO SANTO, como qualquer mãe e pai pode dispor.

 

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Que as mulheres sempre foram desprezadas e exploradas ao longo da história. Nunca foi fácil ser mulher, mas JESUS e as Escrituras as valorizam sempre que a elas se referem. Assim é desde o dia em que a mulher foi criada, e em todos os momentos da história da humanidade. O principal papel delas sempre foi a qualificação de seres humanos para a liderança do povo de DEUS na Terra. Essa é uma missão social hoje bem pouco valorizada; vale bem mais, o trabalho profissional. Não dá status nem currículo na educação de crianças em nossa sociedade falida, nesse estado aviltado, exatamente por falta da consciência do papel de ser mãe educadora de cidadãos.

 

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Em primeiro lugar, valorizar a mulher em sua principal missão, dada por DEUS: ser mãe e formadora de bons cidadãos. Em segundo lugar, a sociedade precisa dar valor à mulher como companheira de um homem, um ser em igualdade de direitos, nem superior, nem inferior. Mas hoje as mulheres não são importantes como mães, apenas como força de trabalho, e no casamento, pouco vale a fidelidade e a busca da felicidade, em DEUS, a dois.

 

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“Já falamos da importância do trabalho e da missão da mãe, e não podemos passar por alto o dever e a responsabilidade do marido e pai na educação dos filhos. Seus esforços devem estar em harmonia com os da mãe temente a Deus. Ele deve manifestar seu amor e respeito por ela como sendo a mulher que escolheu e como mãe de seus filhos. …

Na maioria das famílias há filhos de idades variadas, alguns dos quais necessitam não apenas da atenção e sábia disciplina da mãe, mas também da resoluta, e ao mesmo tempo afetuosa influência do pai. …

Os pais devem associar-se aos filhos, compartilhando de seus pequenos problemas, ligando-os ao seu coração através de fortes laços de amor, e estabelecendo uma tal influência sobre sua mente em desenvolvimento, que seus conselhos serão considerados sagrados” (Refletindo a CRISTO, MM 1986, 166).

 

  1. Conclusão geral

Moças solteiras, cuidado! O sonho de ser feliz pode durar pouco. Estamos num mundo cruel, cheio de malícia. Vejam abaixo algumas orientações vidas do Criador, por meio de sua profetiza:

“O verdadeiro amor é uma planta que precisa ser cultivada. Que a mulher que deseja uma união pacífica e feliz, que quer escapar a futuras misérias e tristezas, indague, antes de entregar suas afeições: Tem meu pretendente mãe? Qual é a qualidade do caráter dela? Reconhece ele suas obrigações para com ela? Tem consideração para com os seus desejos e sua felicidade? Se ele não respeita nem honra a mãe, porventura manifestará respeito e amor, bondade e atenção para com a esposa? Passada a novidade do casamento, continuará a amar-me? Será paciente com os meus erros, ou crítico, despótico e ditatorial? A afeição verdadeira passará por alto muitos erros; o amor não os distinguirá” (Fundamentos da Educação Cristã, 105).

“Receba a jovem como companheiro vitalício tão-somente ao que possua traços de caráter puros e varonis, que seja diligente, honesto e tenha aspirações, que ame e tema a Deus” (A Ciência do Bom Viver, 359).

 

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!

 

 

estudado e escrito entre:    27/03 a 2/04/2015

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

1 comment for “Lição 6 – As mulheres no ministério de JESUS

  1. eugenio
    Maio 9, 2015 at 3:00 am

    juntos sejamos perseverantes ate que o senhor venha. amen!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *