Lição 7 – A crise continua

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Quarto Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: Jeremias

Lição 7 – A crise continua

Semana de 7 a 14 de novembro

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “O que se gloriar, glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na Terra; porque destas coisas Me agrado, diz o Senhor” (Jer. 9:24).

 

Introdução de sábado à tarde

Duas considerações importantes: o que teria acontecido se os judeus tivessem obedecido às admoestações do profeta? E também, que aprendizado a partir do que aconteceu com eles podemos aprender a refletir para nós, em nossos dias?

Em primeiro lugar, para a primeira pergunta, Nabucodonosor não os teria invadido. Ele invadiu três vezes. As duas primeiras invasões são como que advertências de DEUS para que eles dessem uma volta de 180 graus, de sua idolatria para a verdadeira adoração. A terceira invasão é que resultou na destruição da capital Jerusalém, dos palácios reais, das grandes construções, das habitações, do muro e, principalmente e lamentavelmente, do templo de Jerusalém. Tiveram muitas advertências durante o reinado dos filhos de Josias, mas que caíram no vazio, sem resultado prático.

A segunda pergunta se responde assim: Muito logo JESUS volta! Temos uma gigantesca obra por fazer. Tal como eles, que se entregaram à idolatria, nós, povo de DEUS desses dias finais, ao menos muitos de nós, nos entregamos a modas e práticas inaceitáveis a DEUS. Por isso somos uma igreja morna. Para que a enorme mornidão seja banida, precisamos nos voltar a DEUS e obedecer Suas instruções vindas pela Bíblia e pelo Espírito de Profecia. Porém, como já sabemos, o trigo só será separado do joio com a forte sacudidura que virá após o decreto dominical. Esse decreto será para nós o que foi para os judeus a invasão de Nabucodonosor. Ele separará os superficiais dos verdadeiros crentes.

 

  1. Primeiro dia: Razões para se gloriar

Não havia mais razão alguma para alguém se gloriar. Porém o povo de Judá se gloriava no que fazia, pensando cada um que tudo estava absolutamente correto. Eles se imaginavam fortes e protegidos pelo templo do Senhor e pela arca do conserto. Imaginavam-se, como povo de DEUS, serem impunes, e que nunca nada de ruim lhes aconteceria. Seus reis eram descendentes de Davi, por isso, pertenciam a DEUS. Imaginavam que poderiam fazer o que desejassem; nunca veriam a desgraça nacional, tal como já acontecera a Israel.

O que eles faziam, que os levou à ruína? Seus corações eram duros; não obedeciam a lei de DEUS. Armavam ciladas para seus semelhantes. Eram falsos e mentirosos. Zombavam uns dos outros, e principalmente dos profetas, portanto, até de DEUS. Em sua prática de falsidade, se recusavam conhecer a DEUS. Eram adúlteros. Praticavam a iniquidade.

Em resumo, esse é o quadro. Jeremias sofria ao ver a tendência em direção ao iminente fracasso da nação. Um país inteiro estava prestes a desaparecer. O profeta sabia do que havia acontecido ao país do norte, Israel. Essa nação não existia mais, E também foi povo de DEUS. O profeta também sabia de outras nações que deixaram de existir por causa das guerras. O desaparecimento de uma nação, naqueles tempos antigos, era algo um tanto comum. Um poder superior atacava outra nação inferior, matavam todos os homens, tomavam as mulheres e as crianças, faziam o que desejassem com eles, tornando-os escravos. Também era prática naqueles tempos pilhar todas as riquezas de povos e cidades vencidos, assim enriquecendo o poder opressor. Era comum que poderes seculares invadissem territórios de outros povos para se apoderar do que haviam construído e se beneficiar da mão de obra barata como escravos. Então, não era de assustar, a tendência para o povo judeu?

“Dentro de breves anos, o rei de Babilônia seria usado como instrumento da ira de Deus sobre o impenitente Judá. Uma e outra vez Jerusalém seria atacada e invadida pelos exércitos sitiantes de Nabucodonosor. Grupo após grupo – de início uns poucos apenas, porém mais tarde milhares e dezenas de milhares – seriam levados cativos para a terra de Sinear para ali viverem em forçado exílio. Jeoaquim, Joaquim, Zedequias – todos esses reis judeus se tornariam por seu turno vassalos do governador de Babilônia, e todos por sua vez se rebelariam. Castigos cada vez mais severos seriam infligidos à nação rebelde, até que afinal toda a terra se tornasse uma desolação; Jerusalém seria devastada e queimada com fogo, o templo que Salomão construíra seria destruído, e o reino de Judá cairia, jamais voltando a ocupar sua anterior posição entre as nações da Terra” (Profetas e Reis, 422 e 423).

 

  1. Segunda: Criaturas ou o Criador

Hoje abordaremos sobre o quanto a idolatria é ridícula. Acompanhe a descrição a seguir. Algumas pessoas, seres humanos falíveis, se dirigem a um bosque e com uma motosserra derrubam uma árvore. Levam o tronco até sua casa e cortam-no em partes, conforme um projeto. Dessas partes os hábeis artesãos, com seus instrumentos de trabalho, produzem estátuas, à imagem de um ser humano. Pintam essas imagens, de tal maneira que até fica bem bonito. Então vendem as imagens a quem pagar o preço. Essas imagens são adoradas pelas pessoas que as adquiriram, como se fossem deuses.

Vamos refletir. As tais imagens foram confeccionadas por seres humanos. Portanto elas são criaturas inertes, sem vida, sem capacidade de fazer alguma coisa, nem mesmo caminham. Aí que vem a pergunta: como pode alguém ser tão estúpido de ‘comprar’ uma imagem fabricada por outro ser humano, e adorar a tal coisa? Sim, como pode o criador (o ser humano) adorar sua criatura (a imagem)? Como pode o superior adorar o inferior? A história que acima foi descrita é real, isso aconteceu mesmo, e ainda acontece. Ela está descrita em Isaías 44:14 a 20. Se você quiser rir de algo ridículo, leia esse trecho de Isaías.

Mas temos uma pergunta bem radical: pior do que fazem os pagãos, como pode se dar isso, que o povo de DEUS que conhece a verdade, que conhece o DEUS vivo, que tem a Bíblia, que sabe sobre a criação do Universo por esse DEUS, que tem conhecimento das promessas de restauração da perfeição, que também sabe sobre o sacrifício de JESUS na cruz, sim, como pessoas assim conseguem rejeitar o DEUS verdadeiro trocando-O por ídolos ridículos como acima se descreveu?

E nós, povo de DEUS dos tempos atuais, temos algum problema com ídolos? Bem, provavelmente não sofremos a tentação de adorar algum ídolo de madeira, ou de qualquer outro material. Quanto a isso temos capacidade de distinção. Porém, servimos, muitas vezes, muitos de nós, outros tipos de ídolos mais sutis. A questão não é se nos curvamos ou ajoelhamos perante alguma coisa, mas, em que confiamos. Por exemplo, muitos confiam nesse ou naquele partido político, mais que em DEUS. Aliás, de minha parte, não acho nada interessante confiar em qualquer deles. Muitos de nós confiam em artistas de todo tipo. Outros se entregam a perder boa parte de seu tempo em lutas de MMA, etc., novelas, internet e seus vastos atrativos. Outros, confiam no dinheiro. Também há os que adoram títulos, honrarias, medalhas, distinções. E os automóveis, nunca são idolatrados? E o luxo nas casas? Muitas dessas coisas até são lícitas, porém, se tornam motivo de adoração na medida em que passam a ter mais importância que o DEUS Criador.

A grande questão, em nossos dias é: em que ou em quem colocamos nossas esperanças e a nossa confiança? Em DEUS ou em alguma coisa idealizada por seres humanos?

 

  1. Terça: Um chamado ao arrependimento

Há duas coisas principais que devemos fazer: nos arrepender e abandonar os pecados. Há mais coisas para fazer, mas essas duas são as principais. Devemos, por exemplo, andar em comunhão com DEUS, ajudar outros a encontrarem a verdade, incentivar outros a se manterem na igreja, etc.

DEUS disse ao povo, por meio de Jeremias, que se o povo se arrependesse de seus pecados, Ele não traria os males que havia anunciado (Jer. 26:1 a 6). Portanto, as pessoas deveriam se arrepender e não mais praticar os pecados. Há pecados acariciados, eles tornam-se nossos companheiros de vida, passam a fazer parte de nossa rotina. Esses, principalmente, é que devemos abandonar. É difícil abandonar tais pecados, pois passamos a gostar deles, tornaram-se íntimos a nós.

O que DEUS quer de nós é que demos um bom testemunho como cristãos. Daremos um testemunho. Tempos atrás tínhamos uma loja. Como cristãos adventistas, jamais sonegávamos, nem sequer um centavo. Quando minha esposa voltava de viagem, em ônibus, de Santa Catarina, como de costume foram barrados no posto fiscal para averiguação da mercadoria, e por lapso lá ficaram as respectivas notas fiscais. Como tudo era comprado com nota correta (nunca utilizamos a tal meia nota), ao chegar em Ijuí, havendo ela constatado que estava sem as notas, os demais comerciantes comentaram: “é a única que faz tudo correto, e ainda acontece isso.” As pessoas percebem como agimos, e comparam com nossa profissão de fé. Portanto, devemos reconhecer nossa tendência ao pecado, e desejar que o ESPÍRITO SANTO nos transforme em pessoas novas, à semelhança de nosso Senhor JESUS CRISTO.

 

  1. Quarta: O chamado para a morte

Um dilema para DEUS: Ele não pode, nem deveria continuar abençoando um povo rebelde e desobediente, que não atende as mensagens de Seus profetas. Se DEUS fizesse isso, estaria incentivando a rebeldia e também a vinculação com o demônio, pois, afinal, mesmo estando com o inimigo, receberiam, ainda assim, os favores de DEUS. Seria completa incoerência da parte do Criador. Com isso satanás só levaria vantagem! Por mais que DEUS ame suas criaturas e deseje fazer-lhes bem, há um limite para que abençoe essas criaturas; esse limite é quando deixam de obedecer a Sua excelente boa vontade.

Aquele povo de Jerusalém era obstinado. Povo terrível. Não dá para entender o comportamento deles. Depois de tudo o que DEUS fez a eles, desde a saída do Egito, ao longo da história deles, se voltarem a ídolos mortos que eles mesmos construíram, isso já é demais. Mas como explicar tamanha rebeldia? Parece até que estão querendo confrontar o DEUS verdadeiro porque Ele não sabe conduzi-los. Parece que estão ofendidos com DEUS, por algum mal que lhes tenha feito. Parece que DEUS tem grande culpa diante deles. Fato é que a atitude daquele povo é inexplicável e injustificável. Assim como muitos de nós, em nossos dias.

O que fizeram com Jeremias? Por ter profetizado contra Jerusalém, mensagem vinda de DEUS, queriam prendê-lo, levar perante o tribunal e condená-lo à morte. Era acusado como traidor por ter proclamado uma profecia de DEUS. Como não podiam prender DEUS, lá em Seu trono, intentavam então prender Seu representante. Pois fizeram o mesmo com JESUS, mais tarde, prendendo-O, julgando-O e matando-O. Mais uma vez a pergunta: como se explica tamanha revolta contra DEUS? Que ódio é esse que o tempo todo se volta contra quem os criou e quem os quer redimir da desgraça do pecado? Quanta incoerência!

Jeremias, que muitas vezes se queixava a DEUS, que sofria injustamente, dessa vez teve coragem. Ele enfrentou aqueles rebeldes de cabeça erguida. Ele reafirmou a mensagem de DEUS, não suavizou sequer numa só palavra, e lhes desafiou, dizendo que fizessem com ele o que achassem melhor. Isso por certo assustou aqueles maus homens. Jeremias fez um alerta, que se o matassem derramariam sangue inocente sobre a cidade, e isso teria consequências terríveis. Ele os notificou que sua mensagem vinha de DEUS, portanto, se ele não falasse, seria o condenado, e falando, mas eles não atentando, eles seriam os responsáveis pelas consequências. Eles se assustaram com estas palavras, mas não se arrependeram.

 

  1. Quinta: A fuga de Jeremias

O estado de ânimo entre os judeus ficava cada vez mais quente. O ódio contra o profeta Jeremias só aumentava, e ele não parava de trazer novas ordens da parte de DEUS. Ou seja, DEUS não parava de enviar admoestações por meio de Jeremias. Quanto mais o profeta falava, mais irritava os inimigos dele e de DEUS. O pior de tudo é que os inimigos de Jeremias pensavam estar no bom caminho, mesmo estando em flagrante erro. Isso é um tremendo alerta para os nossos dias. Jamais podemos esquecer que são possíveis três posições dentro da igreja (duas delas, erradas): o liberalismo (errado), o fanatismo (errado) e o equilíbrio (correto). Nem precisa muita atenção para perceber que o liberalismo é a posição que mais se alastra, mas também o fanatismo vem crescendo assustadoramente. Os equilibrados parecem que estão até desaparecendo. Por um lado, nosso povo vem enfraquecendo por falta de conhecimento; por outro lado, outra parte do povo vem sendo endurecida por atitudes extremistas na aplicação do conhecimento. Isso deve ser esperado num tempo em que estamos nos aproximando do decreto dominical e do alto clamor. A igreja se prepara para ser perseguida da maneira mais severa, por pessoas de dentro dela mesma.

Mas naqueles dias aconteceu algo quase inacreditável. O profeta Jeremias acusado de profetizar contra a capital Jerusalém, e que por isso era réu de morte, foi socorrido pelos príncipes do povo. A eles o povo em geral se aliou (não todas as pessoas), incluindo muitos dos anciãos, os mais experientes do povo. Tiveram bom senso. Raciocinaram com fundamento, e relembraram a história do passado. Perceberam como no passado, no caso do rei Ezequias e o profeta Miqueias, o rei ouviu a mensagem de DEUS e acabou se revertendo o cenário profético anunciado por Miqueias. Então, por que não ouvir Jeremias, e quem sabe evitar a destruição de Jerusalém? Não seria o caso de avaliar melhor o que Jeremias estava dizendo, e debater, orar, pedir mais instruções, ter bom senso e conduzir a situação de maneira mais equilibrada? Porém, as pessoas estavam divididas. De um lado, posicionaram-se ao lado de Jeremias o povo, os anciãos e os príncipes, e conseguiram salvar sua vida. Mas de outro lado estavam outros profetas, todos eles falsos, e os sacerdotes. A posição dos falsos profetas não deve gerar perplexidade em nós, pois, sendo falsos, jamais se poderia esperar outra coisa deles. Porém, dos sacerdotes, aqueles encarregados de todo cerimonial que anunciava a vinda de JESUS, que eram descendentes de Arão, que foram escolhidos por DEUS para aquele ofício, devido a sua responsabilidade, causa tremenda estranheza que nutrissem tanto ódio contra o homem de DEUS. Esses que deveriam ensinar por meio dos rituais e por meio da palavra o caminho certo para estarem ao lado de DEUS, foram os mais duros contra os profetas de DEUS, em várias ocasiões. Eles levaram a nação a uma tragédia. Não nos referimos apenas ao desastre da destruição de Jerusalém, mas principalmente a rejeição de JESUS CRISTO como o Messias, até os dias de hoje. Haveria algo pior a acontecer à nação de DEUS em sua história que a de rejeitar seu Salvador?

O povo estava dividido. Parte apoiava Jeremias, mas havia outra parte que estava do lado dos sacerdotes e dos falsos profetas. Além de Jeremias, outro profeta, menos conhecido, também profetizava praticamente reafirmando o que Jeremias dizia. Esse era Urias, filho de Semaías, de Quiriate-Jearim. Ele também foi perseguido e fugiu para o Egito. Mas o rei Jeoaquim mandou que o buscassem e o mataram. Esse foi um sinal a Jeremias, o profeta principal, do que lhe deveria acontecer se insistisse com as profecias de DEUS. Um homem valente e correto salvou Jeremias: foi Aicão, filho de Safã. Ele deu um jeito de proteger Jeremias para que a parte do povo que se mantinha rebelde não o alcançasse e o matasse. Não fosse esse homem e o profeta seria morto. Na verdade era DEUS protegendo Seu profeta, embora tivesse permitido a morte de Urias. Que tempos difíceis para ser servo de DEUS foram aqueles! Aliás, como os nossos dias.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

O foco dessa semana poderia ser o ódio dos líderes judaicos contra Jeremias, e por sua vez, contra DEUS, que eles, no entanto, juravam seguir. Mas não é assim que devemos encarar este estudo. Por trás do ódio mortal, há outro motivo maior que devemos distinguir: o amor de DEUS. Aquele povo era talvez o mais revoltado contra DEUS em todos os tempos até aqueles dias. No entanto, DEUS mandava mensagens e mais mensagens para trazê-los de volta ao domínio da razão. Portanto, o mais importante que podemos visualizar nesta semana é que “conheçamos a DEUS, Seu amor, Sua vontade para conosco.” Especialmente nesses últimos dias em que a ambiguidade se torna cada vez mais complexa dentro da igreja, e no mundo em geral. O mais seguro é que tenhamos comunhão cada vez mais íntima com nosso DEUS, uma experiência viva e real todos os dias, sempre fundamentados na Bíblia, e com muita oração. Por certo assim não seremos enganados por falsos líderes, falsos profetas e falsos ídolos desses últimos dias.

  • Quais os tópicos relevantes?

Jeremias é um exemplo de fidelidade a DEUS. Ele demonstrou ser uma pessoa real, humana, com fraquezas, com lutas, medos, por vezes depressivo, mas nunca abandonou, como Jonas, a sua missão. Chegou a reclamar de DEUS, a dizer que o havia enganado, como se a missão fosse bem mais difícil do que DEUS lhe havia dito, mas manteve-se firme até o fim de seus dias. Ele nos deixou um exemplo de como nos portar nesses últimos dias, em que a situação no mundo e na igreja será talvez ainda mais perplexa que naqueles dias, afinal, estamos indo para a última batalha.

 

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Especialmente que, nessa luta entre o bem e o mal, satanás está intensamente empenhado em enfraquecer a igreja verdadeira. Ele trabalha com todos, desde a liderança superior até todos os membros. Se puder enganar os escolhidos, ele enganará. Portanto, cuidado!

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Como dissemos acima, mais comunhão com nosso Senhor JESUS CRISTO, todos os dias, com oração, comunhão entre os irmãos e JESUS, e firme convicção de mudar tudo o que descobrir que esteja errado.

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

Como foi nos dias de Cristo, assim se dá agora; os fariseus não conhecem sua necessidade espiritual. A eles se dirige a mensagem: “como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego e nu; aconselho-te que de Mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e vestidos brancos para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez.” Apoc. 3:17 e 18. Fé e amor são o ouro provado no fogo. Mas no caso de muitos se obscureceu o brilho do ouro, e perdeu-se o tesouro precioso. A justiça de Cristo é para eles um vestido sem uso, uma fonte intacta. A esses é dito: “Tenho, porém, contra ti que deixaste a tua primeira caridade. Lembra-te pois de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti verei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.” Apoc. 2:4 e 5. (O Desejado de Todas as Nações, 280, grifos acrescentados)

 

  1. Conclusão geral

“A experiência de Jacó durante aquela noite de luta e angústia, representa a prova pela qual o povo de Deus deverá passar precisamente antes da segunda vinda de Cristo. O profeta Jeremias, em santa visão, olhando para este tempo, disse: “Ouvimos uma voz de tremor, de temor mas não de paz. … Por que se têm tornado macilentos todos os rostos? Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante! e é tempo de angústia para Jacó; ele porém será livrado dela.” Jer. 30:5-7” (Patriarcas e Profetas, 201).

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico        

 

 

estudado e escrito entre  2 e 8/10/2015

corrigido por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

5 comments for “Lição 7 – A crise continua

  1. novembro 10, 2015 at 10:58 am

    Parabens pelos comentarios da licao sobre jeremias.

  2. waldir boeker
    novembro 12, 2015 at 6:59 am

    BOM DIA,DARIA PARA ENVIAR TODAS AS SEMANAS O RESUMO DA LIÇAO DA ESCOLA SABATINA,MUITO OBRIGADO,SOU DA IGREJA CENTRAL DE ITABORAI, EM TEMPO, LHE AGRADEÇO- LHE,POIS GOSTO MUITO DAS SUAS LITERATURA,O SR, E HOMEM DE DEUS,FELIZ DIA PARA O SR, E FAMILIA.

  3. jonas de barros eler
    novembro 12, 2015 at 2:20 pm

    Muito oportuno e extraordinarios os comentarios do irmão Marks.

  4. Augusto lourinho
    novembro 14, 2015 at 4:34 am

    Defacto a liçao desse semana quer nos levar a depositar a total confiança em Deus…

  5. Janeiro 27, 2016 at 5:34 pm

    em breve teremos que viver pela fe, pois o anticristo nao demora se levantara, e o que faremos nos devemos estar firmes no senhor.

Deixe uma resposta para waldir boeker Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *