Lição 9 – O jugo de Jeremias

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Quarto Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: Jeremias

Lição 9 – O jugo de Jeremias

Semana de 21 a 28 de novembro

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Introdução de sábado à tarde

Esta semana estudaremos sobre o sofrimento de Jeremias. Ele pagou caro por ser fiel a DEUS. Mas de uma coisa temos certeza: quanto maior o sofrimento nesta Terra, maior também será a alegria e a felicidade ao entrarmos na Nova Terra. Não é de se pedir para sofrer, por esse motivo; no entanto, quem estiver sofrendo, terá esse diferencial. O diferencial será tanto maior quanto mais tenha sofrido na vida nesta Terra amaldiçoada. Pelo menos isso serve de consolo e motivação.

Jeremias enfrentou falsos profetas. O povo e as autoridades preferiram dar ouvidos aos falsos profetas. Esses questionavam Jeremias, até o desafiavam prevendo um futuro promissor, enquanto que Jeremias previa um desastre. Aliás, Jeremias não previu nada, DEUS que enviava as profecias futuras por meio dele.

Devemos ter cuidado. As pessoas vão atrás do que gostam, não do que DEUS gosta. Dias atrás uma adolescente foi ensinada sobre costumes do mundo, que trazia para dentro da igreja, mas que deveria evitar. Ela respondeu assim: “mas eu gosto!” E ficou resolvido. Estamos numa crescente escala de pessoas que se perdem dentro da igreja, e levam junto outras pessoas. Quanto o liberalismo se fortalece, satanás vê as portas abertas para agir livremente. Naqueles tempos antigos as pessoas queriam ouvir mensagens suaves e positivas. Assim como hoje. As pessoas não querem ouvir mensagens em que se fale da necessidade de mudança, querem que se lhes diga que estão vivendo como DEUS deseja, embora vivam como é o desejo de satanás.

“Ao aproximar-se a tempestade, uma classe numerosa que tem professado fé na mensagem do terceiro anjo, mas não tem sido santificada pela obediência à verdade, abandona sua posição, passando para as fileiras do adversário. Unindo-se ao mundo e participando de seu espírito, chegaram a ver as coisas quase sob a mesma luz; e, em vindo a prova, estão prontos a escolher o lado fácil, popular. Homens de talento e maneiras agradáveis, que se haviam já regozijado na verdade, empregam sua capacidade em enganar e transviar as almas. Tornam-se os piores inimigos de seus antigos irmãos” (O Grande Conflito, pág. 608).

 

  1. Primeiro dia: Uma vida solitária

Bom é estudar sobre o profeta Jeremias. Ele foi perseguido pelo seu próprio povo. Não se deveria perseguir jamais uma pessoa que faz o mal ao povo de DEUS. Muito maior ainda é o argumento de não perseguir quem faz o bem ao povo de DEUS, inclusive que traz alertas a esse povo. E muito mais ainda, quando essas advertências são como ultimatuns para evitar tragédias catastróficas. Mas Jeremias, justo ele que tinha a palavra de advertência que evitaria o fim trágico de Judá, foi perseguido.

Isso é um alerta a nós, em duplo sentido. Num sentido, devemos ter grande cuidado de não nos tornarmos perseguidores de nossos irmãos, por volta do decreto dominical. Noutro sentido, devemos nos preparar para sermos perseguidos por nossos irmãos na fé. Isso vai acontecer. Nesse caso, será melhor ser perseguido do que perseguir irmãos da igreja.

“Ao aproximar-se a tempestade, uma classe numerosa que tem professado fé na mensagem do terceiro anjo, mas não tem sido santificada pela obediência à verdade, abandona sua posição, passando para as fileiras do adversário. Unindo-se ao mundo e participando de seu espírito, chegaram a ver as coisas quase sob a mesma luz; e, em vindo a prova, estão prontos a escolher o lado fácil, popular. Homens de talento e maneiras agradáveis, que se haviam já regozijado na verdade, empregam sua capacidade em enganar e transviar as almas. Tornam-se os piores inimigos de seus antigos irmãos. Quando os observadores do sábado forem levados perante os tribunais para responder por sua fé, estes apóstatas serão os mais ativos agentes de Satanás para representá-los falsamente e os acusar e, por meio de falsos boatos e insinuações, incitar os governantes contra eles” (O grande conflito, 608).

As ameaças vindas por meio de Jeremias foram muito duras. Por exemplo, após a destruição não haveria quem sepultasse os mortos estendidos ao chão. Ali não haveria mais casamentos, nem momentos de felicidade. A espada e a fome consumiriam, não haveria mais paz.

Ao contrário da ordem dada a Oseias, que deveria se casar com uma prostituta, para ilustrar a relação do povo de DEUS, povo este que mais parecia uma prostituta, pois se prostituiu com outros deuses. Adorar outros deuses, ou idolatrar, para DEUS é prostituição espiritual. Por que DEUS considera assim a idolatria? Porque a adoração se trata de uma relação de fidelidade. Assim como uma mulher é fiel a seu marido e o marido é fiel à sua esposa, formando uma relação de intimidade, é o mesmo como o que ocorre entre uma pessoa e DEUS. No caso da adoração, se uma pessoa que já se havia entregue a DEUS, O deixar de lado, para adorar outros deuses, isso significa que essa pessoa rompeu sua ligação íntima com DEUS para se entregar a outros deuses, confia nesses outros deuses, ama-os e se relaciona com eles (embora eles não se relacionem com seus adoradores). O pior de tudo é que esses outros deuses, ainda por cima, são falsos e totalmente incapazes. Logo, DEUS classifica adequadamente essa nova relação de uma esposa cujo marido a ama, como uma entrega a outros homens, tornando-se ela uma prostituta. Ela saiu de casa, deixou seu marido que fazia tudo por ela, deixou os filhos, foi embora e passou a amar quem só deseja explorar sua ingenuidade e sensualidade.

Jeremias não deveria se casar. Essa é uma ordem bem radical. O normal é os jovens buscarem casamento, para fazer alguém feliz, e que essa pessoa nos faça feliz. Mas esse direito não foi dado a Jeremias. Isso chega a ser trágico e triste.

Digamos que as pessoas de determinado país não mais casassem. Qual seria o futuro? Nesse caso, numa geração, não haveria mais aquela nação. Todos morreriam. O pior de tudo é que no final da história de uma nação assim, só haveria idosos. As dificuldades seriam enormes. Quem cuidaria dos muitos idosos? Quem financiaria seus últimos dias? Não haveria futuro, e o pouco tempo que restasse a tal nação passaria por dias cada vez mais tristes.

Isso é o que a proibição de Jeremias se casar significava. Em lugar das pessoas não se casarem, viriam os babilônios e criariam o mesmo efeito. A nação desapareceria, não haveria mais capital nem rei, não haveria mais templo do Senhor, nem culto, nem adoração.

Em lugar da felicidade dos filhos, só restaria o luto, e um montão de pessoas mortas, estendidas pelo chão, sem que houvesse alguém para chorar, para lamentar e para sepultar. Que situação que Jeremias deveria ilustrar com sua própria vida!

 

  1. Segunda: O jugo de Jeremias

Nos primeiros dias do rei Zedequias, o último rei de Judá, DEUS enviou uma ordem a Jeremias, Seu profeta. Era para fabricar um jugo, ou canzil, algo como um pedaço de madeira forte trabalhado para ser utilizado sobre os animais para que lavrem a terra sob a ordem de um ser humano. Hoje se chama a canga. Pelo visto, Jeremias deve ter fabricado seis desses jugos, pois deveria enviar, por meio dos representantes que estavam na ocasião em Jerusalém, aos respectivos reis de Edom, Moabe, Amom, Tiro e Sidom. Judá e esses povos deveriam se submeter ao rei de Babilônia, inimigo deles. Não deveriam lutar contra a invasão de Babilônia. Ressalte-se que, até ao tempo do rei Zedequias, já houve duas invasões. Essas duas foram uma espécie de sinal, alerta, advertência, para o pior que poderia vir. DEUS estava querendo evitar o pior, queria que se submetessem a Babilônia, como um castigo mais brando, sem que a cidade de Jerusalém, o templo e os muros fossem destruídos. Mas como o rei, os demais líderes e o povo não corresponderam ao que DEUS pedia, o pior veio na terceira invasão, à qual eles resistiram, sobrevindo a destruição da cidade de Jerusalém, destruição do muro e do templo, saque da cidade, das casas e do templo, etc. Ou seja, por um tempo que seria de 70 anos, não haveria a nação de Judá, e também, nunca mais teriam um rei e uma situação politicamente independente. Por outro lado, se obedecessem à mensagem de DEUS, eles não seriam destruídos e o rei de Babilônia os pouparia. Era o rei Zedequias que devia decidir o que fazer. Ele errou na decisão.

A situação em Jerusalém era confusa. Politicamente não se entendiam. Zedequias até que tinha algumas intenções de dar ouvidos a Jeremias, mas temia os seus grandes conselheiros, que queriam rebelar-se contra Babilônia. Esse último rei, filho de Josias, ao contrário de seu pai, era fraco e inseguro. Titubeava entre dois pensamentos, o de servir ao rei de Babilônia e o de rebelar-se contra ele. Os grandes das outras nações também queriam libertar-se de Babilônia. Mas DEUS deixou bem claro que, por causa de seus pecados recorrentes, agora havia chegado a hora do castigo, e este se tornara inevitável. O Rei do Universo deixou bem claro que é Ele que dirige todas as coisas nesta Terra. Ele é o dono de tudo, pois, afinal, foi Ele que criou todas essas coisas que aqui existem. Portanto, Ele decide e faz o que deseja. E quem mais no Universo seria capaz de querer que os fatos fossem diferentes dos que DEUS determinara? DEUS domina sobre as nações da Terra. Ele estava dizendo que agora Babilônia, por bem ou por mal, os dominaria por uns tempos, mas depois desse tempo, 70 anos, também esse poder político receberia seu castigo, seria destroçado por outro império que já existia e se tornaria muito forte.

DEUS mandou um recado a Zedequias, um último recado. “Vai dizer a Zedequias, rei de Judá, que o Senhor lhe comunica o seguinte: Darei esta cidade ao rei de Babilónia e este a queimará. E tu não escaparás; serás capturado, trazido à presença dele, que pronunciará a sua sentença contra ti — a tua deportação para Babilônia. Mas ouve bem isto, ó Zedequias, rei de Judá: Deus te diz que não serás morto na batalha, durante a refrega; morrerás antes sossegadamente, no meio do teu povo, que queimará incenso em memória de ti, tal como fizeram para os teus antepassados. Chorar-te-ão e dirão: “Aí de nós, que nos morreu o rei!” Foi isto mesmo que eu decretei, diz o Senhor” (Jer. 34: 2 a 5).

DEUS controla e domina sobre as nações. Ele, por vezes permite que os homens façam a sua própria vontade, utilizem seu livre-arbítrio. Em outras ocasiões, com todo direito que Lhe confere o status de Criador, Mantenedor e Rei do Universo, interfere nos negócios das nações ou dos indivíduos. Geralmente Ele interfere quando a situação está precedendo algum grande problema, que deve ser evitado.

 

  1. Terça: Guerra dos profetas

No quarto ano do reinado de Zedequias houve um conflito entre profetas. De um lado estava Jeremias, dizendo que deveriam submeter-se à Babilônia, e assim seriam poupados da destruição, e de outro lado estava o falso profeta Hananias. Esse dizia que DEUS quebraria o jugo de Babilônia, e em dois anos trariam de volta os vasos sagrados e outros utensílios que Nabucodonosor havia levado para a sua capital.

Jeremias disse fortemente “amém!”, que assim fosse, mas lembrou que no passado outros profetas já haviam predito invasões por parte de povos estrangeiros e isso havia acontecido. Foi o caso dos profetas Oseias, Habacuque, Sofonias e outros. Esse foi um forte argumento de Jeremias. Ou seja, dessa vez a história apenas estava se repetindo, e se dessem ouvidos àquela proclamação de paz falsa, estariam no mínimo correndo alto risco de um desastre nacional. Pois a profecia de Jeremias, no fundo, não era ruim; afinal, submetendo-se a Babilônia, pelo menos seriam poupados do desastre. Porém, se não se submetessem, não seriam poupados, e a nação desapareceria por uns tempos.

A ação dos falsos profetas sempre criou problemas à igreja. O povo vai se corrompendo. Falsos profetas quase sempre foram liberais, permitiam o que DEUS rejeitava ou não aceitava. Por exemplo, naqueles tempos as pessoas chegaram a introduzir estátuas no templo do Senhor, onde Ele deveria ser adorado, não as estátuas. Hoje, em nossos dias, as pessoas vem introduzindo coisas estranhas nos templos, e isso não é considerado pelos líderes da igreja. Como se nada de mal estivesse acontecendo. Mais uma vez lembro da música barulhenta, batida e que mexe com as emoções mas não com a razão. Mais uma vez é de se lembrar das muitas modas que as pessoas trazem para dentro da igreja. Enfim, estando tão próximos da sacudidura, seria de pensar sobre a identidade da igreja, que vai se perdendo.

O que acontecia naqueles tempos? Veja só esse dramático relato: “E disse-me: Filho do homem, vês tu o que eles estão fazendo? As grandes abominações que a casa de Israel faz aqui, para que me afaste do meu santuário? Mas ainda tornarás a ver maiores abominações. E levou-me à porta do átrio; então olhei, e eis que havia um buraco na parede. E disse-me: Filho do homem, cava agora naquela parede. E cavei na parede, e eis que havia uma porta. Então me disse: Entra, e vê as malignas abominações que eles fazem aqui. E entrei, e olhei, e eis que toda a forma de répteis, e animais abomináveis, e de todos os ídolos da casa de Israel, estavam pintados na parede em todo o redor. E estavam em pé diante deles setenta homens dos anciãos da casa de Israel, e Jaazanias, filho de Safã, em pé, no meio deles, e cada um tinha na mão o seu incensário; e subia uma espessa nuvem de incenso. Então me disse: Viste, filho do homem, o que os anciãos da casa de Israel fazem nas trevas, cada um nas suas câmaras pintadas de imagens? Pois dizem: O Senhor não nos vê; o Senhor abandonou a terra” (Ez 8:5-12).

Pois bem, estátuas não estamos colocando em nossas igrejas, porém, o barulho está lá, levando à adoração de satanás, dentro de nossas igrejas. Isso requer uma atitude de nossa parte, ou, quem o faz, será um dia desses sacudido para fora. Se essa questão da música é uma profecia de Ellen G. White, então, por certo, como aconteceu com Jeremias, não será levada a sério, como na realidade está acontecendo. As pessoas vão pelo que gostam, não pelo que DEUS requer. O desastre (sacudidura) virá, não para eliminar a igreja, mas para purificá-la. Israel chegou ao cúmulo de colocar dentro do Templo imagens pagãs as quais eram adoradas à luz do dia. O castigo era inevitável e terrível. Os judeus voltaram do exílio babilônico definitivamente curados da idolatria. E nós? Perderemos muitos para satanás, pois, sabemos bem, muitos serão sacudidos, infelizmente.

 

  1. Quarta: O jugo de ferro

O estudo de hoje é continuidade do de ontem. Jeremias apareceu diante do rei, dos sacerdotes, dos príncipes e de enviados de outros reis da região, curiosamente com uma canga sobre os ombros, como se ele fosse um boi preparado para lavrar a terra. De longe isso chamou a atenção de todos. Jeremias era um profeta de notícias ruins, o motivo já sabemos. Eles não gostavam dele, porque só profetizava assuntos negativos para a nação. Mas profetizava isso porque DEUS mandava. Na estupidez deles, moviam seu ódio contra o profeta, assim como tempos depois, se postaram contra JESUS. Assim como hoje, muitos, na igreja, odeiam Ellen G. White, a profetiza dos dias atuais, já falecida. Porém seus escritos são para nós. É rejeitada em vários aspectos, como é o caso da música na igreja. E quem ouse ensinar tais profecias, enfrentará severa oposição dentro da igreja, como foi com Jeremias. Também assim como foi no tempo de Jeremias, será hoje. Lá, a destruição provocada por Babilônia, que poderia ter sido evitada se dessem atenção ao profeta, foi radical. Hoje, a sacudidura, será também radical. Poucos sabem o quanto tenho me preocupado com esse assunto, e também, o quanto tenho enfrentado oposição.

Jeremias foi embora, depois de advertir sobre os falsos profetas (vide no estudo de ontem) e DEUS mandou que ele fabricasse, dessa vez, cangas de ferro. Isso significava que os falsos profetas, especialmente Hananias, não conseguiriam quebrá-las. Mas significava bem mais. DEUS estava dizendo que rejeitaram a primeira mensagem de Jeremias, que não obedeceriam, que ouviriam e seguiriam Hananias, o falso profeta. Portanto, a destruição e a futura opressão por parte de Babilônia seriam bem pior.

Eles, em vez de serem sujeitos a jugo de madeira, seriam sujeitos a jugo de ferro. O ferro pesa bem mais que a madeira, e é muito mais forte. Eles não conseguiriam se livrar. O ferro, depende do tipo, pesa 7,8 toneladas por metro cúbico. A madeira varia muito conforme o tipo, mas pesa entre 0,5 ton. a 1 ton. por metro cúbico. Ou seja, o ferro pesa, mais ou menos, entre 7 a 15 vezes mais que a madeira. É nessa relação que está a mensagem da canga de ferro em vez de madeira. Eles sofreriam bem mais sob o jugo de Babilônia.

Se eles se submetessem a Babilônia, como DEUS havia determinado, o inimigo certamente não viria sobre eles como veio, porque se rebelaram, fazendo aliança com o Egito. Nabucodonosor veio com tudo. Destruiu tudo, até o templo do Senhor. Em vez de canga de madeira, Nabucodonosor tornou-se canga de ferro.

Aquele falso profeta, conforme a palavra de Jeremias, morreu naquele mesmo ano. E Jeremias foi protegido por DEUS, e pelo rei de Babilônia. Embora totalmente desprestigiado pelo seu próprio povo, como foi com JESUS, tornou-se um vitorioso, permanecendo fiel ao lado de DEUS. Tenhamos cuidado nos dias de hoje. Muito cuidado, pois em outro nível a história se repete. Reafirmamos, Babilônia está invadindo a igreja. Muitas coisas estranhas entram na igreja, e em vários casos, de forma oficial, noutros, por iniciativa de membros. Que eu e você nos mantenhamos firmes ao lado do que está escrito e do que DEUS aprova. Devemos buscar o conhecimento de DEUS na Bíblia e no Espírito de Profecia, e praticar esse conhecimento, todos os dias.

 

  1. Quinta: Confiando em mentiras

Hananias foi um falso profeta e Jeremias o verdadeiro. Jeremias foi chamado por DEUS, mas Hananias se fez profeta por conta própria, nunca foi chamado. Jeremias recebia instruções de DEUS, Hananias inventava suas profecias. As profecias de Jeremias eram ruins para o futuro da nação, se ela não se arrependesse, mas as falsas profecias de Hananias eram ótimas. Em quem a nação acreditou? No falso profeta.

Há uma forte tendência, isso desde que o pecado se manifestou no mundo, de acreditar no mais fácil e promissor, mesmo sendo falso. Embora haja fortes evidências de falsidade, as pessoas querem só ouvir notícias boas. Como nos tempos de Jeremias, hoje também é assim. Especialmente na igreja, as pessoas seguem os líderes que permitem uma vida liberal, meio cristã, meio mundana. Aquele ancião ou pastor que segue uma linha mais voltada a fazer a vontade de DEUS, e que portanto, requer atitudes mais fortes de mudança no estilo de vida, não é bem aceito. São poucas as pessoas que querem, de fato, seguir a DEUS. Em nossos dias, de liberalismo em tudo, ou, de outro lado, de fanatismo por parte de alguns, as pessoas em geral querem ser liberais, ou seja, aproximar-se do estilo de vida do mundo. E viver esse estilo dentro da igreja.

Os membros de mais tempo de igreja, ou os mais graduados e experientes vem a servir de paradigma aos outros membros mais novos. “Por meio daqueles que têm uma forma de piedade, mas não lhe conhecem o poder, podemos ganhar muitos que de outra maneira nos causariam grande mal. Os mais amantes dos prazeres do que amantes de Deus, serão os nossos mais eficientes auxiliares. Os que pertencem a essa classe, se forem mais aptos e inteligentes, servirão de chamariz para atrair outros para as nossas ciladas. Muitos não lhes temerão a influência, porque professam a mesma fé. Levá-los-emos então a concluir que as reivindicações de Cristo são menos estritas do que uma vez creram, e que pela conformação com o mundo exercerão maior influência sobre os mundanos. Assim se separarão de Cristo; então não terão forças para resistir ao nosso poder, e dentro de pouco tempo estarão prontos para ridicularizar o seu antigo zelo e devoção” (Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 474, grifos acrescentados).

Faltam em nossos dias, líderes realmente consagrados e comprometidos com a verdade e sua implementação na igreja. “Hoje os ministros de Cristo deveriam ter o mesmo testemunho que a igreja de Corinto deu dos trabalhos de Paulo. Mas conquanto neste tempo haja muitos pregadores, há grande escassez de pastores santos e capazes – homens cheios do amor que havia no coração de Cristo. O orgulho, a confiança própria, o amor do mundo, o criticismo, o rancor, a inveja são os frutos que apresentam muitos que professam a religião de Cristo. Sua vida, em evidente contraste com a vida do Salvador, não raro dá mau testemunho do caráter da obra ministerial sob a qual se converteram” (Atos dos Apóstolos, 328).

Por isso, nesses dias decisivos para a obra, porque são os dias finais, devemos representar bem nosso Salvador. “Cristo pousa para ser retratado em cada discípulo. A todos predestinou Deus para serem ‘conformes à imagem de Seu Filho’. Rom. 8.29. Em cada um se tem de manifestar ao mundo o longânimo amor de Cristo, Sua santidade, mansidão, misericórdia e verdade. … Cristo não Se manifestará, enquanto a vitória não for completa, e Ele vir ‘o trabalho de Sua alma’. Isaías 53.11” (O Desejado de Todas as Nações, págs. 826-828. Ênfases acrescentadas).

 

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

O foco desta semana é a luta solitária de um profeta, aprovado por DEUS, mas rejeitado pela nação inteira. A sua luta era pelo bem da nação, no entanto, a opção da liderança foi sempre em direção da tragédia. Eles não ouviram a voz de DEUS. Foram rebeldes, mantiveram a cultura de rebeldia que formaram no Egito e trouxeram desde aqueles tempos. Essa cultura foi também a que os levou a matarem JESUS na cruz, e que os levou a não serem mais povo de DEUS, substituídos pela igreja instituída pelo Salvador.

Hoje, curiosamente, muitos líderes defendem o mesmo ponto de vista, de respeito à cultura do local onde a igreja está inserida. Porém, a única cultura que deveríamos aceitar e buscar assimilar é a celestial, aquela que “está escrita”, que JESUS e os profetas viveram, não qualquer uma daqui da Terra.

  • Quais os tópicos relevantes?

Dois pontos se destacam nessa semana: a persistência de um profeta valoroso, em ficar firme ao lado de DEUS, embora suas perplexidades; e a dureza da liderança de Judá, em não atender as mensagens do profeta. Embora Nabucodonosor já viesse duas vezes invadir a nação, embora por isso devesse ficar evidente que poderia vir pela terceira vez, e então destruir tudo, não atenderam. Embora o rei de Babilônia já tivesse demonstrado diversas vezes seu poder, derrotando outras nações, não perceberam que ele não viria pela terceira vez para dar mais uma advertência de que poderia destruí-los futuramente. O prazo terminou, e o que era profecia assustadora, tornou-se a dura e cruel realidade.

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Ser rebelde, ou teimoso, no caminho errado, é o mesmo que caminhar em direção ao desastre. Foi o que os judeus fizeram. Antes deles, já a nação de Israel, das tribos do norte, já haviam feito. Embora os fortes precedentes, embora a história da nação também o tenha demonstrado, preferiram manter-se no caminho da teimosia. Eles preferiram seguir líderes que se pautavam em si mesmos e em seus interesses; preferiram seguir falsos profetas e preferiram manter-se numa posição contrária a todas as evidências e advertências. Deu no que deu; como dizem: perderam tudo. Perderam inclusive a posição de povo de DEUS. Daria para perder mais?

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Hoje é tempo de advertência. Hoje é tempo de cura. Não estamos em dias folgados. Estamos em dias que precedem a grande controvérsia. São dias e tempos como foram os que precederam a invasão destruidora em Jerusalém, e que acabou na destruição do templo. Portanto, hoje é tempo de nos voltarmos a DEUS e buscarmos sua orientação, e principalmente de fazer a Sua vontade, não a nossa ou a de qualquer outro ser humano. Já sabemos, a IASD não será substituída por outra igreja. Essa é a igreja verdadeira. Se é assim, então, quem se mantiver rebelde, teimoso, esse será excluído da igreja, não pela sua comissão e assembleia, mas por DEUS, via sacudidura. Essa é a grande advertência profética para os dias de hoje. Babilônia vem, e quem não estiver firme, sairá para ficar com ela.

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“A obra de Deus deve ser levada avante com poder. Precisamos do batismo do Espírito Santo. Precisamos compreender que Deus acrescentará às fileiras de Seu povo homens de habilidade e influência que hão de desempenhar sua parte em advertir o mundo. Nem todos no mundo são iníquos e pecaminosos. Deus tem muitos milhares que não dobraram os joelhos a Baal. Há nas igrejas caídas homens e mulheres tementes a Deus. Se assim não fosse, não seríamos incumbidos de proclamar a mensagem: “Caiu! Caiu a grande Babilônia.

“Eles têm de expelir o erro segundo a regra que Deus deu em Sua Palavra, não segundo suas próprias ideias e impulsos. Não se devem usar meios ásperos, não se faça nenhuma obra injusta, precipitada, impulsiva. Os esforços feitos para purificar a igreja da contaminação moral devem ser feitos ao modo de Deus. Não deve haver nenhuma parcialidade, nem hipocrisia. Não deve haver favoritos, cujos pecados sejam considerados como menos pecaminosos que os de outros. Oh, quanto necessitamos todos do batismo do Espírito Santo! Então procederemos sempre no espírito de Cristo, com bondade, compaixão e simpatia, mostrando amor pelo pecador ao mesmo tempo que aborrecemos o pecado com ódio perfeito” (Evangelismo, 369).

 

  1. Conclusão geral

“Quando a religião de Cristo for mais desprezada, quando Sua lei mais desprezada for, então deve nosso zelo ser mais ardoroso e nosso ânimo e firmeza mais inabaláveis. Permanecer em defesa da verdade e justiça quando a maioria nos abandona, ferir as batalhas do Senhor quando são poucos os campeões – essa será nossa prova. Naquele tempo devemos tirar calor da frieza dos outros, coragem de sua covardia, e lealdade de sua traição” (Testemunhos Seletos, vol. 2, 31).

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Atenção irmãos e irmãs. Tempos atrás, um site nos EUA traduzia meus comentários para o inglês. De uns tempos para cá não o encontrei mais. Já nem lembro o nome desse site. Os EUA são o país em segundo lugar onde esses comentários são mais lidos em português, dos mais de 100 países do mundo de onde acessam. Se aparecer um voluntário, ou mais de um (para dividir a tarefa) a fim de traduzir para o inglês, aí poderia  postar em meu site, ficaria agradecido. Se alguém já faz isso e publica, agradeceria saber, para publicar o endereço. Da outra vez, surgiram vários para traduzir para o espanhol, mas também um irmão que já fazia isso, e publica em seu site, se manifestou, e ficou resolvida a tradução para esse idioma. Quero adicionar que, quem deseja, pode publicar esse comentário em seu site, sem problema, ou se preferir, publicar o link meu, tanto faz.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico        

 

 

estudado e escrito entre   15  e  22/10/2015

corrigido por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 

 

 

 

9 comments for “Lição 9 – O jugo de Jeremias

  1. novembro 10, 2015 at 8:34 am

    Gostaria de receber os comentários semanalmente.
    Deus o abençoe e muito abrigada.

  2. Peregrino Mucaji
    novembro 15, 2015 at 3:53 pm

    Obrigado pelo esforço que tem feito para que estes comentários cheguem cada dia às nossas mãos.

    A lição nº 9 não tem verso áureo.

    Deus te abençoe

  3. Fernando Macedo
    novembro 20, 2015 at 3:55 pm

    Boa tarde Irmão e desde já feliz Sábado, gostaria de estar recebendo a lição da escola sabatina toda sexta-feira, caso seja possível.
    Muito obrigado que a paz do Senhor seja com todos nós.

  4. valeria xavier
    novembro 23, 2015 at 11:22 am

    nossa, que estudo maravilhoso . Que possamos sempre estar conectados num só proposito , aprender mais sobre a palavra do rei jesus .A ele toda honra e toda gloria sempre . Obrigada por estas explicações

  5. Luiz Csbral
    novembro 27, 2015 at 8:03 am

    Professor Sixberto
    Bom dia e feliz Sábado
    Os seus comentários tem nos ajudado muito, como professor de unidade de ação tem sido uma grande luz para o nosso entendimento.
    Que Deus continue te usando e iluminando a sua mente e a nossa para aprendermos mais.

    Luiz Cabral
    IASD Barra / Salvador – Bahia

  6. Anacleto Monteiro
    novembro 27, 2015 at 7:36 pm

    O Senhor vos bendiga pela vossa servidão.

  7. Andre kambili
    novembro 28, 2015 at 5:23 am

    Obrigado pelo belo comentários, preciso que semanalmente cai comentários no meu Email.feliz sábado todos.

  8. Hudson Oliveira de senna
    novembro 28, 2015 at 10:48 am

    Obg pastor por nós colaborar com os esclarecimentos, e nos ajudando nos Estados da lição,

  9. Hudson Oliveira de senna
    novembro 28, 2015 at 10:48 am

    Obg pastor por nós colaborar com os esclarecimentos, e nos ajudando nos Estados da lição,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *