Lição 9 – Palavras de verdade

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Primeiro Trimestre de 2015

Tema geral do trimestre: Provérbios

Lição 9 – Palavras de verdade

Semana de  21 a 28 de fevereiro

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Porventura, não te escrevi excelentes coisas acerca de conselhos e conhecimentos, para mostrar-te a certeza das palavras da verdade, a fim de que possas responder claramente aos que te enviarem?” (Prov. 22:20, 21).

 

Introdução de sábado à tarde

Nós, seres racionais, criados à imagem e semelhança de DEUS, somos de todos os seres criados nessa Terra, os que mais necessitam ser ensinados e desenvolvidos. Quase precisamos aprender tudo. Um pato, por exemplo, nasce, vai para o lago, e sai nadando. Nós nos afogamos se não aprendermos. E assim vai. No entanto, somos capazes de aprender infinitamente mais que qualquer outro ser desse planeta. Pelas capacidades que DEUS nos deu, de principalmente aprendermos com a natureza que Ele mesmo criou, somos capazes de desenvolver, como desenvolvemos, sofisticados sistemas de comunicação e transmissão de informações como hoje conhecemos.

E há um fato que é sobremaneira impressionante: aumenta no mundo a colaboração de inteligência e conhecimento para grandes realizações. Por exemplo, para a exploração espacial, um país sem a colaboração de cientistas de outros países não consegue realizar um bom trabalho. Assim é também na medicina, na administração, na economia, etc. E disso, resulta uma grande lição, que estudaremos nessa semana: em todas as culturas podemos encontrar verdades e instruções sobre como nos devemos comportar. Isso é admissível, pois, afinal, somos todos descendentes de dois pais, que vieram por meio de um único DEUS.

Portanto, existem algumas premissas, verdades, princípios, que são universais, que valem para o mundo tudo. Uma dessas verdades é a semana com o sábado, que existe do mesmo modo, em todo o mundo, em todas as culturas, desde os tempos mais remotos possíveis. E a semana não tem origem em algum fenômeno planetário, nem do sol, nem da lua, nem das estrelas, e sim, vem somente da determinação de DEUS, no sexto dia da criação, que estabeleceu o sétimo dia de uma série de seis, o tempo da criação. O que se perdeu, é que DEUS nesse dia descansou, abençoou e santificou o sétimo dia daquela semana, e de todas as que se seguiram, e pediu que fizéssemos o mesmo.

 

  1. Primeiro dia: O conhecimento da verdade

Hoje estamos estudando as recomendações de Provérbios 22: 17 a 21, que trata sobre o que devemos nos aplicar para aprender, como devemos usar isso que aprendemos, e quais as repercussões nobres do aprendizado. Vamos resumir, em outras palavras, o que dizem esses versículos.

Em primeiro lugar, devemos nos aplicar com dedicação para aprender sobre a verdade, isto é, sobre a Bíblia, a Palavra de DEUS. Afinal, é na verdade que encontramos a explicação de nossa situação nesse mundo, e da alternativa futura proposta por DEUS. Ao estudarmos a verdade, devemos buscar entender bem, já que o assunto é vital para o nosso futuro, e o de muitas outras pessoas.

Num segundo momento, devemos buscar viver o que aprendemos, isto é, aplicar o conhecimento em nossa vida. É nesse momento que se dá o mais forte impacto do conhecimento da verdade em nossa vida, mudando o que não está bem, e reforçando o que já está correto. Em outros termos, ocorre um processo de transformação radical em nossos costumes e hábitos. Por exemplo, quem mentia, não mente mais, quem tratava mal as pessoas, não age mais assim, e muitas outras coisas mais.

Depois disso, e só depois, então podemos testemunhar a outros. Afinal, os outros devem perceber que a nossa vida, com DEUS, é bem diferente da vida das pessoas do mundo, e é muito superior, com resultados interessantes. Nós não devemos ser cidadãos mundanos melhores que a maioria; devemos ser diferente, e nisso, devemos ser melhores, superiores e especiais, como filhos e filhas de rei.

O estudo da verdade deve nos tornar sábios para viver e partilhar com os outros o conhecimento da verdade confirmado pela vivência da verdade.

“Irmãos e irmãs, a vós que há muito presumis conhecer a verdade, pergunto individualmente: Está a vossa prática em conformidade com a luz, os privilégios e oportunidades que o Céu vos deparou? Pergunta importante é esta. O Sol da Justiça nasceu para a igreja, e a obrigação da igreja é resplandecer. A toda alma assiste o privilégio de progredir. Os que estão unidos a Cristo crescerão na graça e no conhecimento do Filho de Deus, até alcançar a estatura completa de homens e mulheres. Se todos quantos professam crer a verdade houvessem aproveitado bem as suas aptidões e oportunidades de aprender e praticar, ter-se-iam tornado fortes em Cristo. Não importa a sua ocupação – lavradores, mecânicos, professores ou pastores – se se tivessem consagrado inteiramente a Deus, poderiam haver-se tornado obreiros eficientes do Mestre celestial.” (Testemunhos Seletos, vol. 3, p. 57).

 

  1. Segunda: Roubando os pobres

Roubar é proibido na lei de DEUS, e quanto se saiba, em todas as culturas e países. Aliás, tirar algo que pertence aos outros, por princípio, é uma prática que não se deve fazer, porém, cada vez mais se rouba, ao menos aqui no Brasil. E se rouba muito. Mas a lição de hoje trata de um tipo de roubo peculiar: tirar dos pobres, ou dos que tem menos. Também se refere a levar vantagem sobre quem está debilitado, que são os órfãos, como também os que possuem alguma deficiência, os que tem pouco estudo, etc. Essas pessoas se tornam mão de obra barata; facilmente elas são exploradas, mal ganhando para viver, ou nem para isso seus ganhos são suficientes.

Um tipo de pessoa que é muito explorada, para dar mais um exemplo, dentre outros inúmeros casos, são os que caíram na desgraça de se endividarem. Conheço vários casos de pessoas assim que perderam bens, algumas perderam tudo, em leilões. Seus bens foram vendidos abaixo do valor real, e alguém se aproveitou da situação e saiu ganhando. Já me referi a um triste caso de um vizinho nosso que perdeu a casa num leilão assim. Quem comprou a casa pagou por volta de R$150.000,00, mas a casa, com o terreno, valia mais de R$300.000,00. Jamais faria eu um negócio assim, tirar vantagem de alguém que caiu numa situação de extrema fragilidade. Isso no Brasil é legal, mas é imoral, e perante DEUS, é injusto.

Quem tem menos, muitas vezes nem o suficiente para viver, faltando para ele e sua família, se tirar de alguém assim, é um roubo pior que os outros roubos; é da pior espécie. Veja bem, quem tem mais rouba de quem tem menos. É isso admissível?

Bem que o autor da lição afirma que DEUS vingará essas situações. Por enquanto, as pessoas que exploram os mais fragilizados podem ainda se arrepender, e evidentemente, consertar o que puder ser consertado. Porém, se não o fizerem, após os mil anos, o juízo será duro e sem condição de pedido de clemência. O Rei não atenderá os gritos de socorro daqueles que merecem a execução, que eles mesmos chegaram a conclusão ser justa.

“Próximo está o tempo em que dirá: “Vai, pois, povo Meu, entra nos teus quartos e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira. Porque eis que o Senhor sairá do Seu lugar para castigar os moradores da Terra, por causa da sua iniquidade; e a Terra descobrirá o seu sangue e não encobrirá mais aqueles que foram mortos.” Isa. 26:20 e 21. Homens que pretendem ser cristãos podem defraudar e oprimir os pobres; podem roubar aos órfãos e viúvas; condescender com seu ódio satânico por não poderem dominar a consciência dos filhos de Deus; porém Deus trará tudo isto a juízo. “Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia.” Tia. 2:13. Brevemente estarão perante o Juiz de toda a Terra, para prestar contas pelos sofrimentos físicos e morais infligidos à Sua herança” (Parábolas de JESUS, 178-179).

 

  1. Terça: Ter inveja dos perversos

Qual seria o maior motivo que leva pessoas decentes a terem inveja dos perversos? Isso acontece quando um perverso vai bem na vida, segundo os conceitos do mundo. Ela aprende a trapacear, ganha muito dinheiro, forma um patrimônio, ostenta suas conquistas, e chama atenção. Diante disso, pessoas de boa índole algumas vezes se deixam levar pela sedução de ter mais, e ficam pensando: ora, se esse mau elemento, que não respeita os princípios nem as leis, vai bem na vida, melhor que eu, sendo assim, mereço mais que ele, e deveria ir melhor que ele. A lógica do pensamento está correta, pois, boas pessoas merecem ter mais que os maus, mas como estamos num planeta injusto, na prática não é assim que funciona por aqui. Porém, o perverso está indo melhor que a pessoa justa porque tira dos outros por meios ilícitos, e a justiça dos homens não está percebendo. Essa é a questão. Portanto, não devemos invejar os bens que ele adquiriu usando de fraude. Aliás, não devemos invejar nada, pois a inveja, seja qual for o motivo, é reprovável.

Esse tipo de inveja, que em si, também já é pecado, geralmente é em relação ao ganho fácil deles, sua riqueza adquirida por pouco esforço, tirando dos outros, ou das empresas, ou do governo, uma riqueza fora da lei. Essas pessoas tendem a se exibir de forma chamativa, pois assim como elas tem coragem e desrespeito para roubar para ter bem mais, também tem para ostentar.

Vale um exemplo, de um traficante, que não lembro seu nome. Mas ele se exibia nas redes sociais, sempre bem armado, com mulheres bonitas, em lugares que denotavam riqueza. Até que um dia, num confronto policial, ele foi morto, e acabou tudo. Porém, enquanto vivia, segundo os conceitos dele mesmo, aproveitava a vida. Nós, porém, devemos seguir nossa vida por meio de outros conceitos, mais elevados, aqueles que nos darão felicidade eterna no reino da perfeição.

 

  1. Quarta: O que colocamos na boca

O estudo de hoje refere-se ao que comemos, que alimento utilizamos. Isso está no contexto do exercício físico e dos bons costumes espirituais. A alimentação é que dá sustentação ao corpo, para ter sangue saudável irrigando as células, para ter disposição mental lúcida, desenvolver a inteligência, e principalmente ser capaz de interagir com DEUS, mesmo numa relação precária por causa do pecado.

Uma das orientações de hoje é sobre o álcool. Parece que desde os tempos remotos esse tipo de bebida é um problema para a humanidade. O álcool, nem precisa dizer, torna o funcionamento da mente diferente, sem a devida coordenação.

Sobre o álcool, o Dr. Drauzio Varella escreveu: “Quando se fala em dependência química, a preocupação maior é com as drogas ilícitas, cocaína, maconha, crack, ecstasy, entre tantas outras. No entanto, o grande inimigo está camuflado sob o manto do socialmente aceitável. O álcool nem sequer é considerado uma droga que causa dependência física e psicológica por grande parte da sociedade. Sua venda é livre e ele integra a cultura atual ligada ao lazer e à sociabilidade. Uma reunião em casa de amigos, o happy hour depois de um dia estafante, a balada de sábado à noite, a paradinha no bar na saída do escritório não tem sentido sem a bebida alcoólica.

“O efeito relaxante das doses iniciais, porém, desaparece com o aumento do consumo. Se o convívio com uma pessoa embriagada incomoda, isso não é nada diante dos males que o álcool pode causar e que não se restringem às doenças do fígado. A habilidade emocional que num instante transforma o alcoolista risonho num indivíduo violento é responsável não só pelo aumento da criminalidade, mas também pela desestruturação de muitas famílias.

“Beber com moderação é possível [porém, é assim que todos se iniciam no vício], mas raros são os que reconhecem estar fazendo uso abusivo e nocivo do álcool. Muitos ainda não são dependentes, mas incorrem em riscos que deveriam e poderiam ser evitados. Não se pode esquecer de que a grande maioria dos acidentes de trânsito ocorre quando está no volante uma pessoa alcoolizada” (http://drauziovarella.com.br/dependencia-quimica/acao-e-efeitos-do-alcool/).

Algumas estatísticas sobre uso do álcool como bebida: “De acordo com a última pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) entre estudantes do 1º e 2º graus de dez capitais brasileiras, as bebidas alcoólicas são consumidas por mais de 65% dos entrevistados, estando bem à frente do tabaco. Dentre esses, 50% iniciaram o uso entre os 10 e 12 anos de idade. Então por isso proibira venda de álcool a menores de 16 anos. O alcoolismo acomete de 10% a 12% da população mundial e 11,2% dos brasileiros que vivem nas 107 maiores cidades do país. A incidência do alcoolismo é maior entre os mais jovens, especialmente na faixa etária dos 18 aos 29 anos, reduzindo com a idade. A álcool é responsável por cerca de 60% dos acidentes de trânsito e aparece em 70% dos laudos cadavéricos das mortes violentas” (http://www.hepcentro.com.br/alcoolismo.htm) No endereço dessa citação pode-se encontrar um interessante teste de identificação sobre situação em que a pessoa se encontra em relação a dependência do álcool. Para quem bebe, mesmo que seja pouco, esse teste é vital para seu futuro.

Ellen G. White dá conselhos sobre várias bebidas. “Nunca tomeis chá, café, cerveja, vinho ou quaisquer bebidas alcoólicas. Água, eis o melhor líquido possível para limpar os tecidos (Review and Herald, 29 de julho de 1884). Chá, café e fumo, bem como as bebidas alcoólicas, são graus diferentes na escala dos estimulantes artificiais. O efeito do chá e do café, segundo tem sido mostrado até aqui, tende para a mesma direção do vinho e da sidra, do licor e do fumo. … O café é uma satisfação nociva. Estimula temporariamente o cérebro a uma ação desnecessária, mas o efeito posterior é exaustão, prostração, paralisia das faculdades mentais, morais e físicas. A mente fica enfraquecida, e a menos que, mediante esforço determinado seja o hábito vencido, a atividade do cérebro é permanentemente diminuída. Todos esses irritantes dos nervos estão minando as forças vitais e o desassossego causado por nervos danificados, a impaciência, a fraqueza mental, tornam-se elementos contendores, antagônicos ao progresso espiritual. Não devem então os que defendem a temperança e a reforma estar alerta para neutralizar os males dessas bebidas prejudiciais? Em alguns casos é tão difícil romper com o hábito do chá e café, como é para alcoólatras abandonar o uso da bebida. O dinheiro gasto em chá e café, é mais que desperdiçado. Eles só causam dano aos que os usam, e isto continuamente. Os que usam chá, café, ópio e álcool, podem às vezes viver até avançada idade; isto, porém, não é argumento em favor do uso desses estimulantes. Que poderiam haver realizado, mas deixaram de fazê-lo por causa de seus hábitos intemperantes, só o grande dia de Deus revelará!” (Conselhos Sobre Saúde, 421 e 422).

Não poderia deixar de tratar algo sobre a coca cola, bebida muito apreciada entre o povo de DEUS. “Ao saborear uma coca cola, você só não vomita graças ao ácido fosfórico presente na mesma, pois ele quebra o efeito do açúcar do refrigerante… Ufa! E este açúcar vai para onde? Para o seu sangue, colega. Seu fígado acaba transformando-o em gordura. Seu corpo começa a produzir dopamina para estimular aquela sensação de prazer proveniente do uso de alguma droga, que os cientistas comparam à Heroína. O ácido fosfórico, aprisiona o cálcio, o magnésio e zinco no seu intestino grosso, provocando um aumento no metabolismo. Isso também faz você eliminar cálcio (dos ossos) pela urina (o que, comprovadamente, ocasiona uma osteoporose). Você sente falta do açúcar e pode ficar levemente irritado ou preguiçoso. Cerca de uma hora e meia após a ingestão, você já despejou toda a coca (e os nutrientes para fortalecer seus ossos e dentes) através da urina. A poeira parece ter baixado. O ácido fosfórico triunfou sobre você, expulsando o que era útil para o seu organismo. Logo sentirá falta da cafeína (que cria dependência). Mas não se abale, para melhorar novamente, é só tomar uma garrafa de coca cola de 2 litros. A nutricionista e doutora em ciências dos alimentos da UFRJ, Maria de Lourdes Giada, vai ainda mais longe: “O ideal é não passar de uma lata de coca cola por semana, mas o melhor seria abolir esta bebida do seu cardápio”.” (http://www.nutricaoexercicio.com/2011/05/coca-cola-o-quanto-prejudica-seu.html).

Esse assunto teria muita matéria, porém, creio que o mais sensato é que nos aprimoremos quanto a comer e a beber, e façamos tudo conforme os princípios que recebemos por meio da Bíblia e dos escritos do Espírito de Profecia. E boa saúde enquanto esperamos a vinda de nosso Salvador! Ah sim, sejamos bons exemplos ao mundo!

 

  1. Quinta: Nossas responsabilidades

Mais um estudo importante para os nossos dias. Há tanta maldade, tantos crimes, tantas mulheres sofrendo com maridos ou companheiros, tantas crianças sendo maltratadas, tantos idosos sofrendo, tantos animais maltratados, e assim por diante, que quem vê, e não toma providências, pode ser acusado de conivente. Pode ser que, se denunciarmos o mal, não se resolverá a maldade do mundo. Porém, se não nos calarmos, a nossa parte estaremos fazendo, mesmo que seja pouca coisa. Se cada um fizesse a sua parte, aí sim, o mundo seria bem melhor.

É a estória do passarinho, que nos serve de ilustração. Imagine um incêndio numa floresta. Um passarinho voava para um rio, enchia o papo de água (algumas gotinhas) e voava sobre o incêndio, largando a água. Aí perguntaram a ele se isso iria apagar o fogo. O passarinho respondeu que certamente não, mas ele estava fazendo a sua parte. A lição do passarinho é: cada um fazendo algo para resolver o problema. Por exemplo, os seres humanos, no mesmo esforço dele, podem muito mais; os bombeiros, num esforço na proporção do passarinho, podem ajudar mais ainda, e assim vai. Todos se empenhando na medida de sua capacidade, o fogo certamente seria controlado.

Lembro de uma pessoa que filmou uma mulher batendo num cachorro, e o colocou no YouTube. O problema acabou sendo resolvido. Lembro de diversos casos de crianças em creche, quando alguém colocou uma câmera escondida, e flagrou pessoas maltratando crianças, quando devia proteger. Essas crianças estavam sendo submetidas a tratamentos que certamente refletirão pelo resto da vida. Quem sabe seja isso que faça a diferença, depois, com a esposa, ou o marido, que não se entendam bem. Quem sabe se torne motivo de desempenho inferior na profissão. Quem sabe isso resulte em violência no trânsito, e sabe-se o que mais.

Precisamos denunciar, isso é o que a lição nos está ensinando. Mas como povo de DEUS, precisamos saber denunciar, no sentido de não piorar a situação, mas de salvar até quem faz o mal e de libertar a vítima. Por exemplo, se sabemos de um homem que maltrata sua esposa, algo bem frequente, o certo é trabalhar com os dois a fim de salvar a família, principalmente se já houverem filhos. Quem sabe tenhamos que ensinar essa família toda a amarem uns aos outros.

Vou lembrar aqui o bonito trabalho feito pela Super Nani, um programa na televisão. Quantas famílias essa mulher socorreu, pais e mães que não sabiam como educar seus filhos! Nós devemos ser exemplos de vida aos perversos, e também devemos saber como ajudar essas pessoas a viverem melhor, mesmo que elas não queiram fazer parte do povo de DEUS.

 

  1. Resumo e aplicação Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?

Resumindo a lição da semana, poderíamos dizer: falemos sempre a verdade! Quem mente muito, perde a confiabilidade, e as pessoas não acreditam nela porque tem o mau costume de mentir. Quem mente pouco, está no mesmo caminho. Só quem é verdadeiro sempre, invariavelmente, esse é confiável. Em nossa casa, minha esposa e eu temos uma determinação de jamais mentir. Assim educamos nossa filha. A mentira foi banida de nosso lar, por mais embaraçosa que possa ser a verdade. Nem mesmo numa brincadeira, ou numa ingênua gracinha, se usa a mentira. Ela é sempre um recurso de satanás, e não devemos brincar com uma das armas mortais do inimigo.

  • Quais os tópicos relevantes?

Nem sempre a verdade deve ser revelada. Temos que administrar o que informamos, como falamos e o que dizemos. Isso não é fácil. Por vezes, omitir a verdade é mais recomendável que revelar a verdade, mas que isso nunca signifique mentir. JESUS nem sempre falou tudo, mas nunca mentiu.

  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?

Ser verdadeiro, com o tempo, cria na pessoa um conceito de confiabilidade perante os demais, ou até mais que isso, de fidedignidade. Essa palavra quer dizer: digno de confiança, pois é uma pessoa fiel. É sinônimo de confiabilidade. É assim que o mundo deve nos ver; é assim que deve ser o conceito de nossa igreja perante as pessoas. Quando um empresário está procurando pessoas para trabalhar com ele, ao saber que se trata de um adventista, deve reconhecer, pela conduta de seus membros, que essa é uma pessoa fidedigna.

Ao contrário de como trabalham os governos, que mentem tanto, ao ponto de serem tão descaradas as mentiras, que, embora ninguém mais acredite, as mesmas mentiras e falsas promessas continuam se repetindo. No Brasil é assim. Veja como mentem dizendo que não há racionamento de água em algumas cidades de São Paulo. No entanto, a água nas torneiras é intermitente. Como mentem que a educação é prioridade. No entanto, os professores são mal pagos. Como mentem que a economia está indo bem. No entanto, o desemprego aumenta. E assim por diante.

  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?

_________________________________________________________________________

 

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?

Como diz a lição, no resumo do professor: “Ser verdadeiro é a maneira mais segura e mais simples de se viver. DEUS reconhece e abençoa aqueles que vivem de maneira veraz. A mentira não compensa.” Palavras muito sábias!

  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?

_________________________________________________________________________

 

  1. Comentário de Ellen G. White

“Assim como o Senhor cooperou com Daniel e seus companheiros, Ele cooperará com todos os que se atêm a Sua vontade. E pela concessão do Seu Espírito Ele fortalecerá cada propósito veraz, cada nobre resolução. Os que andam nos caminhos da obediência encontrarão muitos embaraços. Influências fortes e sutis podem ligá-los ao mundo; mas o Senhor é capaz de tornar sem efeito cada instrumentalidade que opere para derrotar os Seus escolhidos; em Sua força eles podem vencer cada tentação, triunfar sobre cada dificuldade” (Profetas e Reis, 486 e 487).

“Pais, nunca mentir nem dizer uma inverdade por preceito ou exemplo. Se quiserdes que vossos filhos sejam fiéis, sede fiéis vós mesmos. Sede retos e firmes. Nem mesmo a menor mentira deve ser permitida. Se a mãe está acostumada a mentir e a não ser veraz, a criança segue seu exemplo” (Orientação da Criança, 151).

 

  1. Conclusão geral

A começar pelo lar, a continuar na irmandade da igreja, e em nosso trabalho, também na sociedade, sejamos sempre, em todas as circunstâncias, verdadeiros e honestos, sempre confiáveis. Se ninguém descobrir, como é a regra do mundo, não há embaraço, mas DEUS está vendo, avaliando e anotando. Nunca esqueço três palavras que um professor de matemática escreveu no quadro, em um dia de prova: “DEUS me vê.” Portanto, perante DEUS e perante os homens, jamais abrir espaço para a falsidade.

  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

_________________________________________________________________________

 

Assista o comentário clicando aqui.

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p

(Apoc. 15, 16)

Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp

Armagedom

Os chifres
A igreja verdadeira O decreto dominical O alfa e o ômega Como é fácil enganar!

 

 

estudado e escrito entre  15 e  22/01/2015

revisado por Jair Bezerra

 

 

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

3 comments for “Lição 9 – Palavras de verdade

  1. Noemi Almeida de Oliveira
    Fevereiro 8, 2015 at 9:10 am

    Parabens, licao maravilhosa e dessa maneira estar ajudando eu a estudar a licao,que Deus continue abencoando.obrigado!!

  2. Emerson Weber
    Fevereiro 22, 2015 at 7:19 am

    Bom dia professor Sikberto, gosto muito dos seus comentários da lição mas no comentário de Sábado desta lição nove me permita descordar do sr. se estiver enganado me corrija, mas o Sábado entendo eu não foi estabelecido desde os tempos mais remotos mas sim é um sinal do poder criador divino como esta escrito no grande conflito pags. 54, 436,437,438. E assim exise desde sempre como Deus que é eterno. Grande abraço e que tenhas uma boa semana na compania de Deus.

    • Sikberto Marks
      Fevereiro 27, 2015 at 11:01 am

      Ok irmão Emerson, contudo, o sábado foi estabelecido na semana da criação, e nesse mundo nada há mais antigo que isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *